18.7.16

Boas férias e bons cestos!




Mais uma temporada que já está nos livros de História, mais um ano em que estive aqui a acompanhar, a analisar e a comentar o que aconteceu na melhor liga de basquetebol do mundo. E mais um ano em que tenho de agradecer a todos vocês que estiveram aí desse lado. Muito obrigado a todos os que, ao longo destes meses, me leram aqui, me seguiram no Facebook ou no Twitter e/ou me ouviram no Buzzsprout. Já sabem que isto não tinha metade da piada sem vocês.

Esta temporada não escrevi tanto como em anos anteriores, mas o objectivo continuou a  ser o mesmo de quando comecei: criar conteúdo original sobre a NBA.

Como já disse antes, "o meu objectivo desde o início foi ter um espaço de reflexão, opinião, análise e comentário sobre a NBA e não apenas uma página de notícias e resultados. Porque esse tipo de informação está disponível em todo o lado, em centenas de sites (e no site da própria NBA). 

Pessoalmente, para saber resultados, classificações e notícias vou à fonte e penso que nenhum site ou página portuguesa poderá alguma vez rivalizar com os sites originais (nenhum site português vai alguma vez dar uma notícia dessas em primeira mão, apenas repetem o que foi anunciado na NBA ou na ESPN). Nada contra sites e páginas que fazem isso (há espaço para todos, temos todos objectivos diferentes e ainda bem que há variedade), mas não é esse o tipo de página que queremos ser. 

O que quero é acrescentar alguma coisa à discussão e produzir conteúdo original (e também partilhar algum do melhor conteúdo que é feito por esse mundo fora). Aqui sabem que podem encontrar uma opinião pessoal e original sobre o que acontece na NBA. O meu objectivo nunca foi que pensassem "deixa-me ir ao SeteVinteCinco o ver o que aconteceu hoje na NBA", mas sim "deixa-me ir ao SeteVinteCinco ver o que o Márcio pensa sobre o que aconteceu".

Em anos anteriores, esses conteúdos foram, maioritariamente, textos e artigos, este ano foi mais o podcast MVP e no futuro poderá ser outra coisa qualquer (ou uma dessas; ou todas essas). Mas uma certeza podem ter: cá continuaremos a opinar sobre a NBA e a trazer-vos conteúdos e iniciativas originais (e, esperemos, interessantes) sobre a mesma.

Para já, vamos ter ainda mais um episódio do MVP esta semana e depois, à semelhança do que fizemos no ano passado e há dois anos, vamos fazer uma pausa para férias e regressamos em Setembro, no dia 26 (dia do 6º aniversário do SeteVinteCinco). Espero que regressem também e que voltem a estar aí desse lado para mais uma temporada do melhor basquetebol do mundo. 
Até lá: boas férias e bons cestos! Até já, pessoal!

7.7.16

MVP #043 - Efeito borboleta



O episódio desta semana do MVP é totalmente (ou quase totalmente) dedicado ao terramoto que assolou a NBA esta semana: Kevin Durant nos Warriors.

1.7.16

MVP #042 - A minha fonte é melhor do que a tua



Se esta free agency vai ser (está a ser) de doidos, este episódio do MVP dedicado à dita também não podia ser muito normal:


24.6.16

MVP #041 - Não há Ibakas sagradas



Depois do episódio especial a meio da semana sobre as Finais, voltamos à programação regular e, no episódio desta sexta-feira do MVP, fazemos o balanço do Draft e das trocas de ontem à noite:


22.6.16

MVP #040 - Um jogo 7 (e umas Finais) para a História



Vocês pediram e aí está um episódio especial e antecipado do MVP, com a análise deste épico jogo 7 e o balanço destas incríveis Finais.

O jornalista Miguel Candeias, recém-chegado dos Estados Unidos (e com prendas, como podem ver pela foto. Muito obrigado mais uma vez, Miguel!), juntou-se a mim e ao Ricardo para discutirmos os ajustes que os Cavaliers fizeram, os ajustes que os Warriors não fizeram, o feito e o legado de LeBron James, a produção de Kyrie Irving, Tristan Thompson, Draymond Green, Stephen Curry e Klay Thompson, como se portaram Tyronn Lue e Steve Kerr, jogo bonito, jogo feio, t-shirts de wrestling e muito mais. É um episódio totalmente dedicado a esta série final que fica para a História da NBA:

19.6.16

Game Seven




São as duas palavras mais bonitas e desejadas de se ouvir numas Finais. Jogo Sete. Não há momento maior do que esse. Um jogo 7 é o pináculo duma série. É o auge da emoção, o máximo da incerteza, o cúmulo da adrenalina, a cereja no topo de um bolo de jogos. Não há forma mais emocionante, excitante e memorável duma série terminar do que um jogo 7. 

E se um jogo 7 - qualquer jogo 7 - já é, só por si, imperdível, o de hoje é ainda mais. Porque este é um dos maiores jogos 7 de sempre. Porque, quando Golden State Warriors e Cleveland Cavaliers entrarem hoje em campo, não é só a conquista do troféu Larry O'Brien que vai estar em jogo.

É também a melhor temporada de sempre que vai estar em jogo. Os Warriors vão tentar completar a melhor época da história da liga e evitar que os 73-9 fiquem com um asterisco. Bater o recorde dos Bulls valerá sempre alguma coisa e, aconteça o que acontecer, será histórico na mesma, mas sem título não valerá o mesmo. Hoje decide-se se esta temporada dos Warriors é a melhor temporada de sempre ou não.

É também a esperança de uma cidade e de um estado que vai estar em jogo. Os Cavaliers tentam vencer o seu primeiro título da NBA e a cidade de Cleveland tenta quebrar um jejum de títulos de mais de 50 anos. Desde 1964 (desde o título dos Cleveland Browns no futebol americano), que a cidade não festeja um título em qualquer modalidade.

É também o legado de um jogador. LeBron James pode conseguir aquilo que procura desde que chegou à NBA: ganhar um título com a equipa do seu estado natal. Ganhar um anel com os Cavs é, assumidamente, um dos objectivos de carreira de LeBron e este jogo 7 é o mais perto que ele já esteve de o atingir.

E é também a História que vai estar em jogo. Primeiro, porque podemos ter a primeira vez que uma equipa consegue recuperar de 1-3 e ganhar o título. Apenas duas equipas tinham conseguido forçar o jogo 7 após estarem a perder 1-3 (os Cavs foram a terceira) e nenhuma delas venceu o campeonato. Os Cavs podem conseguir hoje um feito inédito em 70 anos de NBA e completar a maior recuperação de sempre.

E segundo, porque podemos ter um MVP das Finais atribuído a um jogador da equipa derrotada apenas pela segunda vez na História. Sim, o MVP vai sempre para um jogador da equipa vencedora, mas não só não há nenhum jogador dos Warriors que se tenha destacado em vários jogos ao longo da série (vários fizeram alguns bons jogos - Curry fez um par de jogos bons, Klay idem, Green idem, Iguodala idem -, mas nenhum esteve regular e consistente ao longo de toda a série), como LeBron tem sido, mais uma vez, o melhor jogador de longe.
À entrada para este jogo, James lidera as Finais em pontos, ressaltos, assistências, desarmes de lançamento e roubos de bola. O homem lidera as Finais em TODAS as principais categorias estatísticas. Mesmo que os Warriors vençam, e sem um claro vencedor do prémio na equipa, acredito que os votantes não vão negar o prémio a LeBron outra vez.

Hoje pode-se fazer História de muitas formas. E a única certeza é essa: hoje vai ser feita História. Não podia estar mais em jogo neste sétimo e último round das Finais. Nunca mais é uma da manhã!

17.6.16

MVP #039 - Eu, bandwagoner, me confesso



Temos jogo 7 nestas épicas Finais e, como não podia deixar de ser, no episódio desta semana do MVP, falamos do animado e polémico jogo 6 e antecipamos o que Warriors e Cavs terão que fazer para levantar o troféu Larry O'Brien. E discutimos se, ganhe quem ganhar, LeBron James deve ser o MVP das Finais.

Como estamos no fim da temporada e também em época de exames, damos notas ao melhor e pior da época, com referências a Rockets, Spurs, Blazers, tanking, Paul George, Kobe Bryant, teorias da conspiração e bandwagoners. E, ainda, os tomates do Kiki e os tweets da Ayesha.