9.3.11

Tudo contra os Heat. Até a História.


Já sabemos que não se forma uma equipa do dia para a noite. E ganhar um título pode ser um projecto que leva vários anos a concretizar. Os Miami Heat tentaram apanhar um atalho e encurtar esse tempo. Mas não se fazem equipas campeãs instantaneamente. E isto é verdade mesmo para quem tem Lebron, Wade e Bosh. É preciso tempo para construir.

Porque o tempo também revela as falhas e os pontos fracos duma estrutura. Quando um plantel tem deficiências, elas começam a aparecer com o decorrer da temporada. E as rachas no edifício dos Heat estão, não diria a revelar-se porque já são conhecidas desde o início, mas a aparecer com mais frequência.

Um problema apontado desde o início da temporada é a (in)compatibilidade de Lebron e Wade. Essa questão já foi abordada aqui, quando destacámos um bom artigo de Zachariah Blott sobre ela. Nesse artigo, Blott afirma que nenhuma equipa foi alguma vez campeã com dois jogadores com essas características.

A outra questão apontada desde Outubro é a fraqueza da equipa nas posições de point guard e poste. Já escrevemos também aqui um artigo sobre ela, analisando duas formas diferentes de explorar essas fraquezas e bater os Heat.
Mas vamos agora, a propósito desse problema da equipa de Erik Spoelstra, colocar uma questão semelhante à de Blott e ver que equipas da NBA conseguiram ganhar um título sem um bom base ou um bom poste.

Começando pelos mais recentes e recuando: os actuais bi-campeões? Podem ter no point guard a sua posição mais fraca do cinco, mas têm Andrew Bynum, um dos pilares da sua defesa interior e um poste talentoso. Os Celtics de 2008? Tinham Rondo e Perkins. Os Heat de 2006? Shaquille O'Neal e Gary Payton. Os Spurs? Tony Parker (e podemos discutir se Duncan pode ser considerado poste ou não, mas já têm pelo menos um grande base). Os Pistons de 2004? Ben Wallace e Chauncey Billups.

Na década de 90, há dois casos sem discussão. Os Spurs em 99? Avery Johnson e David Robinson (e Duncan). Os Rockets em 94 e 95? Kenny Smith e Hakeem Olajuwon. Os outros 6 títulos na década foram ganhos pelos Bulls de Jordan. E estes podem aparentemente ser uma equipa que venceu sem um grande base ou um grande poste. Mas só aparentemente. No primeiro threepeat tiveram John Paxson e BJ Armstrong como bases e Bill Cartwright a poste. Paxson era um veterano experiente, grande atirador e BJ um jovem base talentoso. E Cartwright (como Phil Jackson já afirmou várias vezes) era o pilar da defesa dos Bulls, o homem que guardava a área perto do cesto e fazia todo o trabalho duro nas tabelas e era capaz de defender os melhores postes da liga. Por jogarem ao lado de jogadores tão bons como Jordan e Pippen podia parecer que eram mais fracos. Mas não era o caso (uma prova disso é que BJ Armstrong foi All Star em 94, quando Jordan se retirou pela primeira vez). Podemos dizer que eram apenas menos fortes.
No segundo threepeat, podiam ter Luc Longley (e aqui não tinham um grande poste), mas tinham Ron Harper a base, um base alto, atlético e bom defensor, que (como Phil Jackson também já afirmou) era um dos maiores responsáveis pela defesa sufocante desses Bulls.

E podemos continuar a recuar no tempo. Os Bad Boys de Detroit em 89 e 90? Isiah Thomas e não precisamos dizer mais. Lakers dos anos 80? Magic e Kareem. Os Celtics? Dennis Johnson e Robert Parish. E podemos continuar por aí fora até aos primórdios da NBA. Mesmo nesses primeiros tempos, equipas como os Minneapolis Lakers e os St. Louis Hawks tiveram George Mikan e Bob Pettit.

Ter um poste e/ou um base de topo (e essas posições como as mais fortes da equipa) é um traço comum à maioria das equipas que venceram campeonatos na NBA. Mas não é inédito ganhar sem ter algum desses. Há exemplos de equipas campeãs que não tinham as suas estrelas nas posições de base ou de poste. Os Bulls são um bom exemplo disso. E já tivemos campeões onde a estrela (ou estrelas) era o shooting guard, o small forward ou o power forward (ou alguma combinação destes três). Portanto, os melhores jogadores podem ser de qualquer posição. Mas o que nunca aconteceu é uma equipa vencer sem um bom base ou um bom poste. Portanto, esta época, com este grupo de jogadores os Heat não vão ser campeões. Ou então vão ter de fazer algo nunca antes feito.

6 comentários:

  1. uma boa equipa para eles era:
    -Harris
    -Wade
    -Lebron
    -Aldrige
    -Hoford

    ResponderEliminar
  2. Acho que se podem apontar mais alguns problemas em Miami, como não ser comum ver tempos de ajuda na defesa, só existir uma bola (mas isso já aqui foi alvo de análise) e na minha opinião um dos factos mais importantes estarão Wade e Lebron dispostos a perderem protagonismo (números) em prol da equipa como aconteceu com Boston, de acordo com Steve Aschburner o ego continua lá "My team".

    Para tentar fazer história vão ter de mudar imagino algo do estilo Wade(PG) com Miller como atirador??????

    PS: relativamente à procura de um base, Bibby nesta fase não é o defensor que Miami precisa, continua a ser bom atirador com grande controlo dos tempos de ataque e da bola mas o ataque é de Wade e Lebron

    ResponderEliminar
  3. Esta equipa de Miami é um exemplo para mim do que não deve ser o futuro da NBA.
    Toda a controversia entre os jogadores e os Gm's pode colocar "a faca e o queijo" na mão dos jogadores, mas espero que o espetaculo de 1hora que o lebron deu o ano passado para escolher os heat não se torne hábito na liga.
    A nba sempre me fascinou também pelo seu lado mais teórico e pelos vários estudos e análises estátisticas que muitas vezes as equipas fazem para contratar/trocar/selecionar um jogador sendo sempre limitadas pelo cap space, sorte no draft ou prospeçao de talento. Quando toda esta teoria é lançada pela janela e se deixa nas mãos dos jogadores decidirem para onde querem ir jogar, na minha opinião o balanço (quase impar no desporto mundial) da liga começa a desaparecer e daqui a uns anos em vez de no início do ano termos 10 equipas com hipóteses similares de ganhar o campeonato passamos a ter 4/5 que se vão situar nas grandes cidades (nova iorque, LA, Boston, chicago) porque logicamente todas as estrelas querem jogar nos grandes palcos.
    Considerando tudo isto penso que os Heat não foram uma equipa criada através de um planeamento sério (limitaram - se a libertar cap space e atrair os free agents que conseguissem)
    Temos o exemplo não muito longiquo de Boston que também reuniu um Big Three (a ocuparem exactamente as mesmas posições) e conseguiu resultados quase imediatos e duradouros porque não se limitou a ter lá as estrelas, fez uma modificação prévia do plantel e adquiriu role players que completassem o jogo das suas estrelas.
    A NBA não funciona como o futebol em que se aparecer um milionário com uns milhoes para investir de um ano para o outro a equipa pode passar do 8 para o 80. Há que respeitar a ordem das coisas e não saltar passos na evolução do franchising.

    Tendo tudo isto em conta a minha análise dos heat é muito simples. Todos duvidavamos da quimica lebron/wade porque ambos precisam da bola mas quando se é um dos 5 melhores jogadores do planeta a qualidade vem sempre ao de cima e eles mantiveram o seu nível mesmo a jogar juntos. Por outro lado Chris Bosh na minha opinão foi muito sobrevalorizado em toda esta euforia dos heatles. Eu não vejo o Bosh como uma das estrelas da liga e principalmente não o vejo a ser o tipo de power forward que seria ideal para uma equipa com LBJ e Wade. Não é um bom ressaltador, não é um bom defesa é um jogador que pouco trabalha no low post e prefere o mid range para efectuar os seus lançamentos. Para mim foi um erro de casting tremendo a aquisição de Chris Bosh. Mesmo em termos mentais não me parece um jogador abenegado o suficiente para alterar o seu jogo em prol da equipa (http://hangtime.blogs.nba.com/2011/03/09/bosh-vents-frustrations/?ls=iref:nbahpt1) depois desta ultima derrota com os blazers veio "reclamar" que não estava a ter bola nas suas zonas preferidas e etc.. demasiadas desculpas para um jogador que devia tentar complementar os 2 lideres da equipa. O pior é que toda esta ambição em vencer já campeonatos e a ideia de que eles ainda podem melhorar em termos de empatia é falsa porque o 5 base e banco deles está constantemente a mudar e grande parte daquela equipa pouca experiência nos playoffs tem. Quantos jogos nos playoffs fez Bosh em toda a carreira?? Uns miseros 11 e que jogos é que ele costuma fazer contra bons defensores?? pessimos. É capaz de defender eficazmente um jogador quando ele é a 1º ou 2º opção da equipa adversária?? nunca (exemplo L. Aldrige, KGarnett).
    Concluíndo, não apoio minimamente esta abordagem ao mercado feita pelos Heat (knicks e Nets) em que pouco se importam quem são os restantes jogadores da equipa e só se interessam em ter 2 ou 3 estrelas. Espero que não se torne um habito na NBA.
    Saudações

    ResponderEliminar
  4. João P, eu acho que o Bosh sabia que ao juntar-se a Wade e Lebron ia sacrificar os números individuais, mas não estava era à espera que fosse ele o único a fazer isso. Quando vê os outros dois a manter as médias e toda a gente apontá-lo como o elo mais fraco dos Big Three (ou Big 2,5, como já lhes chamam!), deve sentir-se frustrado, daí essas palavras que disse.

    ResponderEliminar
  5. Esta equipa de Miami, apesar de dar espetáculo, ficará pela 2ª ronda dos playoffs ou pelas finais de conferência (chegará a esta última fase com sorte..), pois é uma equipa com fragilidades evidentes no jogo interior (essencial para o estilo de jogo dos playoffs), e é uma equipa com falta de profundidade a nível do banco, que é mais uma questão também altamente comprometedora quando a época regular terminar.

    ResponderEliminar