18.9.11

Talento, ganas e ouro


Lisboa, 25 de Julho de 1999. Num Pavilhão Atlântico cheio, a selecção espanhola vence os Estados Unidos (94-87) e sagra-se pela primeira vez campeã mundial de sub-19. Nesse final de tarde, Juan Carlos Navarro, Pau Gasol e Felipe Reyes estavam entre os jogadores espanhóis que levantaram o troféu.

Kaunas, 18 de Setembro de 2011. A selecção espanhola vence a França (98-85) e sagra-se campeã europeia pela segunda vez consecutiva. Entre os jogadores espanhóis que levantaram o troféu esta noite estão Juan Carlos Navarro, Pau Gasol e Felipe Reyes.

E entre estes dois dias, mais de uma década no topo do basquetebol europeu e mundial para a mais bem sucedida geração de sempre do basquetebol espanhol. Depois desse título em Lisboa, o sucesso continuou no escalão sénior e foram vice-campeões europeus em 2003 e 2007, campeões mundiais em 2006, medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 2008 e campeões europeus em 2009. Hoje somaram mais um título.


E para o conseguir, o melhor ataque deste Eurobasket venceu a França com aquela que foi a principal arma dos gauleses em todo o torneio: a defesa. Foi com uma uma série de jogadas defensivas no segundo período (cinco desarmes de lançamento de Ibaka em cinco minutos, particularmente) que os espanhóis conseguiram ganhar vantagem. Depois, na segunda parte, o seu ataque manteve a distância e levou-os até ao fim. Navarro voltou a aparecer no 3º período e, mais uma vez, cravou adagas de três no coração da equipa adversária. 

No final, para além de mais um título, o atirador espanhol levou para casa o prémio de MVP. E o Gasol mais velho, Pau, juntou-se a ele no cinco ideal do torneio. Merecidamente, Espanha foi a selecção mais representada e a única com dois jogadores nesse cinco (que fica completo com Tony Parker, Andrei Kirilenko e o macedónio Bo McCalebb).

Porque Espanha foi claramente a melhor equipa de todo o torneio. Com Calderon como experiente timoneiro (e Rubio a revezá-lo), Navarro como letal atirador, Rudy Fernandez numa explosiva ligação exterior-interior e os irmãos Gasol (e Ibaka) a formar o melhor frontcourt da Europa, não deram hipótese à concorrência. Tiveram o melhor ataque (937 pontos marcados, 85.2/jogo e 214 ast, 19.5/jogo), foram os segundos melhores nos ressaltos (38.1/jogo, apenas atrás dos 39/jogo da Lituânia) e os melhores nos roubos de bola (8.3/jogo) e desarmes de lançamento (3.8/jogo). Dominaram nos dois lados do campo. Entraram neste Eurobasket como a equipa com o maior arsenal e os principais favoritos e saíram como vencedores e a equipa que jogou melhor. 

Agora, falta apenas um feito a esta geração: vencer o ouro (e os Estados Unidos, para lá chegar) nos Jogos Olímpicos. Vão tentá-lo no próximo verão. Seria fechar com chave de ouro uma geração dourada.

2 comentários:

  1. VICTORIA, VENCIMOS Y VOLVIMOS A SER CAMPEONES DE EUROPA.

    Sólo un dato mas: en aquella selección de Lisboa además de Pau, Reyes y Navarro había sido seleccionado Calderón, mas este se lesiono en el último momento y no pudo disputar el torneo, mas estaba convocado.

    ResponderEliminar
  2. Felicitaciones e gracias por el dato, no sabía! :)

    ResponderEliminar