29.3.13

As 27 dos Heat


A estória que dominou as manchetes nos últimos meses, a série que prendeu a atenção do mundo e nos deixou a todos a torcer contra ou a favor, chegou ao fim. Os Bulls infligiram aos Heat a primeira derrota desde o dia 1 de Fevereiro e a série de vitórias consecutivas da equipa de Miami ficou pelas 27. E há tanto para dizer sobre essa série e tantos ângulos pelos quais podemos olhar para a mesma, que resumir tudo num post não é fácil. Mas vamos tentar e passar por alguns deles, começando pela:


A perspectiva deste fã
Ontem aconteceu-me algo que não me aconteceu muitas vezes na vida (se é que alguma vez aconteceu). Ontem sofri pelos Heat. Estava a ver o jogo e dei por mim a torcer fervorosamente por eles e a desejar ardentemente que eles ganhassem. Podem não ser a minha equipa favorita (como muitos de vocês saberão), mas estava a torcer para que ganhassem, não só ontem, mas também nos próximos jogos. Estava a torcer para que batessem o recorde dos Lakers. Porquê? Porque quando os Lakers de 72 fizeram a sua série recordista nem sequer era nascido e queria poder contar, daqui a muitos anos, que tinha assistido à melhor série de vitórias de sempre. Já viram o privilégio e a sorte que é poder dizer isso? É como quando alguém fala do privilégio de ter visto o Michael Jordan (e o Magic ou o Bird) a jogar e sente-se um felizardo por isso. Podermos assistir à História a ser escrita perante os nossos olhos, sermos testemunhas da História é algo que não calha a todos. E eu estava a torcer para que me calhasse.

A perspectiva para os fãs
Que me calhasse a mim e a todos os fãs. Como dizíamos, ter o privilégio de assistir a algo único não calha a todos. E a quem calha, deve apreciá-lo. Eu sei que os Heat (e LeBron James, em particular) despertam posições extremadas e são amados ou odiados. Mas como já dissemos a propósito da temporada passada de LeBron, goste-se ou odeie-se, não há como negar o seu feito. Ganhar 27 jogos seguidos na NBA em 2013, numa liga com tantas equipas boas e onde qualquer equipa pode ganhar a outra, é algo próximo do impossível. E não há como não apreciá-lo. Os fãs de todo o mundo tiveram a sorte de assistir a um feito que daqui a muitos anos vão recordar. Gostos à parte, devem sentir-se privilegiados por poderem fazê-lo.

A perspectiva histórica
Pode não ter sido a melhor de sempre (e esse recorde dos Lakers talvez nunca seja batido), mas vai ficar na memória de todos e com um lugar na mitologia da NBA. É um número inacreditável e que tão cedo não vamos voltar a ver. Os Heat ganham um lugar na História (independentemente do que aconteça nos playoffs, já têm um lugar e se fizerem o repeat esse lugar será ainda melhor) e daqui a 30 anos, alguém terá um blogue (ou seja lá o que fôr que exista no futuro) e colocará vídeos (ou seja lá o que fôr que exista no futuro) a recordar esta série de vitórias.

A perspectiva dos Heat
Não conseguiram bater o recorde dos Lakers de 72, mas o fim da série pode ter sido um mal que veio por bem. Porque o preço que podiam pagar pelo recorde podia ser elevado. Numa altura em que o primeiro lugar da conferência está assegurado e a prioridade devia ser começarem a preparar-se para os playoffs e gerir os minutos dos melhores jogadores, perseguir o recorde de vitórias estava a exigir um desgaste (físico e mental) extra desses jogadores. Agora que isso já está para trás das costas podem voltar a concentrar-se no objectivo principal: repetir o título. E como mostraram nestes quase dois meses de invencibilidade, não vai ser fácil alguém impedi-lo.

30 comentários:

  1. Acho que através desta série de vitórias , acho que podemos tirar a conclusão que muito dificilmente alguém tirará este ano o anel a estes Heat , a simplicidade das suas jogadas, um lebron james a partir tudo e com os melhores atiradores exteriores da liga , penso que só talvez os pacers e os spurs podem dar alguma luta as estes fantásticos HEAT ... que quer se queira que não , estamos perante uma das melhores equipas de sempre e se mantiverem este nivel , nos proximos 2/3 anos limparam o titulo com maior ou menor dificuldade

    ResponderEliminar
  2. estória-História no inicio do texto

    ResponderEliminar
  3. Este incrível run materializou o porquê do meu ódio em relação ao Lebron. Finalmente tenho algo palpável para o poder explicar, aqui vai:

    Eu não segui com particular atenção esta série de vitórias. Dos 27 devo ter visto 2, no máximo 3 jogos completos e mesmo os resumos das restantes partidas poucos vi.

    Não é propositado, é uma simples e total falta de interesse sobre tudo que roda em volta dos Heat. Sempre que os Heat fazem qualquer coisa de extra-ordinário eu não consigo deixar de sentir: "Pois... com 3 top-10 também eu". Não consigo deixar de desvalorizar os feitos dos Heat, quase como quando os EUA jogam nos jogos olímpicos.

    O que me dá ódio é pensar que podia estar a ver a continuação do crescimento de uma lenda e nunca o vou poder desfrutar porque essa lenda que acompanhei durante 7 anos escolheu o caminho mais fácil.
    Nem tem nada a ver com Cleveland, eu tenho vários artigos da marca LJ23 e não tenho nada de Cleveland. Mas havia equipas como Nets, Knicks, Bulls ou até Clippers que eram equipas de grandes cidades, estavam em processo de reconstrução e que com certeza com Lebron seriam neste momento seríssimos candidatos ao título. Eram equipas ainda "sem dono" à espera uma Superstar para os liderar.

    O que não consigo perdoar a Lebron é não conseguir desfrutar de todos os feitos a que ele sempre esteve destinado e que seriam muito mais bonitos se ele fosse corajoso. E o grande problema é que muito provavelmente no meu tempo de vida não surgirá mais nenhum Lebron.

    SD,
    Xait

    ResponderEliminar
  4. Realmente assistimos todos a historia a fazer se em direto. E um momento a recordar nas proximas décadas, tal como agora nos recordamos grandes momentos do passado. Exemplo disso são as inesquecíveis equipas dos Bulls, Lakers e Celtics do passado que construíram dinastias que marcaram gerações. Miami podera vir a ser tambem uma dinastia. Independentemente disso, esta de parabens.

    ResponderEliminar
  5. Parece que o autor deste blog vai a nova york com a sporttv... Parabéns :D

    ResponderEliminar
  6. Papa Valdemares29/03/13, 01:50

    REPEAT:

    Well, the streak is over.

    E de que maneira!

    1) No jogo em que Wade regressou.

    2) Contra uma equipa de Chicago mais do que manca!

    3) Num jogão de basquetebol!

    Por outro lado, esta derrota parece-me constituir o que de melhor poderia acontecer aos Heat agora. E passo a explicar porquê: a) já não têm a pressão do feito; b) poderão começar a preparar os PO com tranquilidade; c) afastam de si toda a pressão física e, sobretudo, psicológica de quebrar aquele recorde fantástico.

    No final, não gostei de (re)ver um LBJ do passado, queixando-se da arbitragem, de duas faltas que sofreu e da pretensa justificação para aquela entrada sobre o Bull que já foi seu colega. Foi porquinho e merecia outra sanção.

    Por último, pelo que se tem visto esta época, este Heat são, de longe, a melhor equipa da NBA e os mais do que favoritos ao título. Digo mais: se se voltar a repetir a final de 2012, eu prevejo a possibilidade muito grande de uma varredela dos Thunder. E com os três super-amigos (terminologia do Márcio) no seu prime por mais quatro ou cinco anos, com jovens que possam vir a adquirir ao longo dos anos, «free agents» e trocas, este Heat estão em condições de seguir no encalço dos Orgulhosos Verdes da década de 60.

    Assim as lesões graves se mantenham afastadas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luís Borges29/03/13, 15:10

      Os Bulls fizeram um bom jogo, é certo... Mas convenhamos que o modo físico como massacraram o LeBron passou um bocado das marcas em certas alturas do encontro e acabou por ser sevir de "key" para a vitória. Houve situações onde podiam perfeitamente ter sido marcadas flagrant fouls contra jogadores de Chicago (lembro-me de duas faltas bastante duras do Taj Gibon), mas nada disso aconteceu. O LeBron, por sua vez, acabou por mão conseguir reter alguma indignação na defesa. É muito fácil darmos a nossa visão cá de fora, mas dentro do campo, no contexto em que este jogo estava a ser jogado, e face a algum anti-jogo (ou pelo menos, um jogo às margens da lei em certas alturas) dos Bulls, nem sempre é fácil manter a cabeça fria. Não explica tudo, longe disso, mas a arbitragem condicionou nestes pequenos pormenores. Como tal, não acho que seja de condenar a atitude do LeBron ao queixar-se um bocado... Não há ninguém na liga que "sofra mais no corpo" que ele, isso é um facto.

      Eliminar
    2. Papa Valdemares29/03/13, 19:39

      Jordan Rules: diz-te alguma coisa?

      Se se defende o homem do mesmo jeito que se trata uma flor, dá dois pontos e lance livre. Ele é o melhor e tem de se aguentar à bronca, além de que todas - TODAS - as estrelas são protegidas pelos árbitros. Começa logo no facto de todas fazerem passos no arranque e... zero.

      Eliminar
  7. Stoudemire29/03/13, 01:53

    Report: NBA Rules Referees Missed Kobe Bryant Foul on Ricky Rubio Three

    ResponderEliminar
  8. LEBRON IS THE B.O.A.T29/03/13, 10:55

    27 seguidas...Impressionante. Numa NBA onde é mais do que sabido que qualquer equipa pode vencer outra e nada é garantido, é histórico. A caminho do 3-peat e trazer o LEBRON de volta a MIAMI.

    ResponderEliminar
  9. "Inspiração de Bryant não evita derrota dos Lakers em Milwaukee"

    Lançar 35% e sacar faltas é inspiração? Os árbitros viram 10/12 faltas neste jogo mas não vêm a falta do Mambo sobre o Rubio?

    Já parece o Game 6 contra Sacramento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz pelo fim da streak, fica bem melhor com a maior franchise da nba, os LA Lakers.

      De resto parabéns aos Heat pelo feito extremamente difícil.

      Eliminar
    2. E é por esta presunção da SEGUNDA equipa com mais títulos na NBA que eu também não gosto dos Minneapolis/Los Angeles Lakers.

      Eliminar
    3. Presunção nada. Realidade. Presunção têm as equipas tipo Boavista ou Chelsea que são 'grandes' durante uns meses ou anos, e falam muito nessa altura e depois desaparecem.

      Eliminar
    4. Posto isto, com a grandeza e genialidade vem o ódio também. Vem com o território, é normal e estou perfeitamente ciente que os Lakers e o Kobe são os mais odiados da nba. Ninguém gosta de quem ganha muitas vezes, ou mais vezes, portanto acho que os fãs dos Heat devem interpretar isso como um bom indicativo da sua excelência. Os Celtics também e por aí fora.

      Eliminar
  10. Como adepto dos Heat não fiquei muito triste com este fim, qualquer dia tinha que acontecer...acho que o que me deixou mais triste foi mesmo ver Lebron vs Bulls em busca da continuação da sequência de vitórias. Acho impressionante como Wade e Bosh tem um jogador como Lebron em campo a dominar todos os aspectos a tentar dar a volta ao resultado e não fazem nada...Wade passou o jogo a andar a passo e cometendo perdas de bolas estúpidas, estragando jogadas com os seus lançamentos forçados acabando a primeira parte com praticamente NADA e Bosh é o mesmo de sempre, muito muito muito soft, foi humilhado por varios momentos na luta por ressaltos inclusive levou um dunk de um gajo mt mais pequeno do que ele já para não falar os varios lançamentos completamente livres de marcação...e Miami perdeu mt o jogo graças a marcação Wade vs Deng no 4to periodo onde wade foi completamente "comido"...

    Os Bulls estiveram sem Rose e Noah mas tambem estavam com o espirito no maximo para tentar deitar a baixo a sequencia (assim como estiveram os Celtics), era o jogo do ano para eles e para os adeptos...eles estavam num dia SIM, quando Miami apertava na defesa eles com 1 ou 2 segundos faziam um lançamento mt dificil e ela entrava sempre

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. qdo ter a melhor equipa n chega... culpa-se tudo e todos... menos claro, o "king"...

      Eliminar
    2. MY NAME IS JOE JOHNSON30/03/13, 15:12

      NunoS, como um adepto dos Miami Heat, digo-te:

      SHAME ON YOU.

      Eliminar
    3. Compreendo a frustração, mas sinceramente acho que estás "mal" habituado. Tens de ver uns jogos de equipas médias, como Lakers, Bucks, Rockets e afins para teres outra perspectiva do jogo de Miami. Tens de ter em conta a trabalheira que deu ganhar estes 27 jogos seguidos e mesmo assim só perderam por 4 ou 5 pontos.

      Eliminar
  11. Claramente vai ficar para a historia este streak, pena não ter continuado para (pelo menos os mais jovens) não pudermos testemunhadeira mais um novo record (ainda me lembro quando o allen bateu o record de triplos). Agora o melhor para Miami é mesmo preparar os PO.
    OFF TOPIC: alguém sabe o porque de haver slots inelegíveis para a pontuação na fantasy? de repente fiquei com 4 lugares que não pontuam

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porque já usaste 82 vezes as slots em questão. só se pode utilizar 82 vezes que é o número de jogos da temporada regular

      Eliminar
  12. Papa Valdemares29/03/13, 19:41

    Tema: o fim do streak de Miami.

    Subtema: Kobe Bryant.

    Conclusão: está tudo dito!

    ResponderEliminar
  13. 1 - Se há coisa que continuo a não entender é esta coisa dos lovers e haters. Recuando à época de Michael Jordan, que foi o jogador que, se eu já tinha o basquete como meu desporto favorito, me fez gostar dele mais ainda, é verdade que me maravilhava vê-lo jogar, mas adorava ver jogar também os seus grandes rivais, como Dominique Wilkins, Bird, Magic Johnson, Jabbar, Julius Irving, Shawn Kemp (que eu acho muito parecido na sua forma de jogar com Griffin) Clide Drexler, Drazen Petrovic ou Reggie Miller. Quem é que naquela altura não gostava de ver jogar as torres gémeas de Houston,ou Pat Ewing, mesmo que a equipa da sua preferência fosse outra? Claro que quando as equipas desses grandes jogadores jogavam com os Bulls, torcia para que a "minha" equipa ganhasse. Mas tal não implicava que "odiasse" a outra equipa porque o que o que eu gostava mesmo - e gosto - é de ver basquete, especialmente jogado pelos grandes jogadores.Para ser totalmente sincero, só não simpatizava com os Pistons da altura, mas essa equipa era a única que tinha jogadores que jogavam de forma maldosa e sem terem problemas nenhuns em lesionar os seus adversários
    Como é óbvio, o meu jogador preferido actualmente é DRose (e como tem sido difícil esta época, com ele fora da equipa), mas isso não me impede reconhecer e gostar de ver jogar outros grandes jogadores que vão a jogo. Não acredito que quem goste de basquete não goste de ver jogar Lebron, Durant, Bryant, Chris Paul, Parker ou Garnett.
    Por tudo isso, acho que os haters e lovers, não gostam do jogo.
    2 - Esta fiada de vitórias dos Heat vale o que vale. Em 2 semanas já ninguém se recordará, e só voltará à tona, quando numa próxima época, outra equipa - ou até a mesma - começar a ganhar uma quantidade significativa de jogos seguidos. Além disso, os records servem mesmo só para ser batidos, e esta marca, nem como record ficará, embora, por exemplo, os 81 pontos marcados por Bryant num jogo não sejam um record, mas mesmo assim, toda a gente reconhece que foi um feito notável. E já agora, é tão comparável esta fiada de vitórias dos Heat com o dos Lakers dos 70's, como os 100 de Wilt com os 81 de Kobe. Ou seja, o basquete de hoje é tão diferente do ds anos 60/70, que fazer comparações é quase um absurdo.
    3 - Mas o mais importante de tudo, e que alguns comentadores já aqui afloraram, é a questão do desgaste dos jogadores. E nem me quero referir especificamente aos Heat, mas à generalidade das equipas, assunto sobre o qual algumas vezes tenho reflectido. Não sei o que se passa, mas não me lembro de uma época com uma carga de lesões nas diversas equipas, como o que está a decorrer. Se não vejamos: os Bulls jogaram contra os Heat com um 5 inicial que só incluía 2 habituais titulares que nem foi uma excepção; os Pacers têm 4 titulares no estaleiro; os Knicks têm alinhado sem 3 dos seus titulares; os Spurs também já tiveram praticamente toda a sua equipa lesionada; os Celtics ficaram sem Rondo e Garnett tem tido lesões intermitentes; os Lakers só há pouco tempo conseguiram reunir o seu 5 titular, e para não variar, agora lesionaram-se 2 deles. Outras equipas podia referir, mas nem vale a pena. As que menciono chegam para demonstrar que algo estranho se passa. Parece-me que esta época as equipas têm tido mais back-to-back games que em épocas anteriores, mas não tenho a certeza que assim seja.
    De qualquer forma, todas estas lesões, não poderão deixar de ter influência nos decorrer dos PO que se aproximam, e equipas que até há dias eram consideradas como podendo fazer uma "gracinha", como os Memphis ou os Denver, e que agora começaram a ver as lesões bater-lhes à porta, poderão ver as suas hipóteses muito diminuidas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, nos 90's não havia esta massificação cibernética. Acho que isso explica muita coisa. Depois tens de ter em conta o ambiente em que as conversas e discussões ocorrem, com provocações constantes e sem real interesse em discutir o jogo mas sim os feitos individuais. É engraçado dar uma olhada pelos comentários do último mês, onde a "streak" da suposta equipa favorita de muitos continuou ainda assim em segundo plano em relação ao que o Lebron e/ou o Kobe faziam ou não.

      Não é particularmente relevante quem começa o quê, e eu assumo os meus erros e contributos negativos para o blog, sendo que estes são quase sempre reactivos. No entanto, enquanto poder defender os Lakers e os meus jogadores favoritos quando são atacados, vou fazê-lo, sendo que me tento controlar ao máximo.

      2 - A série de vitórias dos Heat foi fenomenal e se conseguirem rapar tudo esta época vão figurar facilmente como uma das melhores equipas de sempre. Claro que a streak só por si, como os 81 do Kobe não valem de muito, são curiosidades.

      3- Quanto às lesões, sim, esta época tem visto vários jogadores importantes afastados mas com excepção dos Bulls e dos Celtics não creio que elas tenham sido assim tão determinantes. Os Knicks, os Spurs e os Pacers por exemplo têm feito o seu trabalho, com ou sem lesões. E os Lakers têm sido horrendos, piores que qualquer pesadelo, com ou sem lesões. Nos playoffs vamos ver, mas espero que não haja lesões de maior a condicionar as rondas.

      Eliminar
    2. até num tópico q é destinado a engrandecer os Heat vem-se falar nos Lakers. N tenho qq problema em dizer q Lebron é o melhor jogador da NBA actualmente. O q me espanta é o pessoal desvalorizar e ridicularizar GRANDES jogadores. Falo de Kobe, Carmelo, Westbrook, entre outros. acho absolutamente ridículo o q fazem, q é só olhar para os stats e decidirem se 1 jogador jogou bem: se a % for inferior a 50% é um péssimo jogador. basta este stat e tudo o resto. Sem contar as infinitas comparações com Jordan e Kobe, uns já dizem q é melhor q os 2 qdo ainda este tem mto a provar em campo na minha opinião. Então em comparação com o Jordan nesta fase da carreira é de rir.

      Eliminar
    3. Nuno, é verdade que a internet ainda não tinha importância nenhuma na nossa vida (já agora, eu referia-me não só aos 90, mas também aos 80), mas geralmente, via os jogos numa tertúlia da qual faziam parte adeptos de várias equipas e se é verdade que por vezes havia umas bocas - normal que cada um defendesse a sua equipa e gozasse com os apoiantes de outra a quem um jogo não corria bem - mas o respeito pelo jogo estava sempre presente. Nunca ouvi ninguém adepto, por exemplo, dos Celtics, dizer que o Magic era um fiasco. Ou um apoiante dos Bulls não reconhecer a grande categoria de Larry Bird. O problema, na minha opinião, é que se transformaram as discussões sobre a NBA em discussões à imagem hooliganística de como por cá se discute o futebol: à falta de argumentos, esgrimem-se insultos. Se leres os comentários que aparecem aos artigos dos jornais desportivos online (que eu já deixei de me dar ao trabalho de ler, uma vez que, fora uma ou outra excepção, são escritos por imbecis) é só comparares e verificarás que a determinada altura - quando o Márcio se decidiu a moderar os comentários - os comentários do blog se encaminhavam rapidamente para seguir a mesma linha. Ora os "comentadores" deveriam ter em conta que nesta "casa" são convidados (e seu autor sempre me pareceu que até os trata como convidados de honra) e por vezes esquecem-se disso, e desrespeitam quem os acolhe. Já agora, e a talhe de foice, é sempre bom ver alguém reconhecer os seus erros.
      Quanto às lesões, em relação aos Bulls até nem penso que se tenham aguentado muito mal até ao fim de Janeiro - e eu aqui fiz notar que eles iriam atravessar uma fase terrível em Fevereiro e Março, mesmo nunca imaginando que depois dos azares que os perseguiam, ainda iriam ter Noah e Gibson lesionados, e sabe-se da importância de Noah na equipa, e sendo Gibson o principal activo do curto banco que a equipa tem - mas há que reconhecer a grande força meental que Thibs inculca na equipa, só me parecendo que tem espremido demais o limão, e com os seus principais jogadores a fazer mais de 39/40 minutos por jogo, era expectável que se ressentissem. Por issso acho que a vitória sobre os Heat foi uma vitória da vontade e da força moral. Ao mesmo tempo, esta onda de lesões foi a maneira de os adeptos dos Bulls "conhecerem" um excelente jovem jogador que têm no banco: Butler.
      Quanto às outras equipas que focas, repara que os Knicks já estiveram bem junto ao Heat, e agora já foram ultrapassados pelos Pacers. Quanto a estes, há que ver que as lesões são recentes. Vamos ver como se aguentam daqui para a frente, e sem George nos PO.
      Quanto aos Lakers...pois, são um mistério. Antes de se iniciar a época, considerava-os os principais candidatos da sua conferência, mas agora vejo-os prestes a ficarem fora dos PO. Mas tenho que reconhecer que têm sido demasiadas lesões, e o tempo que têm estado juntos na sua máxima força tem sido demasiado escasso para que se possam entrosar como equipa.

      Eliminar
    4. Só um aparte, a única lesão grave nos Pacers - não joga mais esta época - é a do Danny Granger. Tanto o Paul George como o George Hill tiveram apenas "pequenas" mazelas...pelo menos que eu saiba.

      Em relação às tertúlias e afins, tens de ver que o facto de as pessoas por aqui não terem laços de amizade pessoal e estarem atrás de um computador, muda basicamente todas as premissas do tipo de comunicação a que te referes. As coisas são o que são, por minha vontade seriam mais baseadas no jogo e não nos jogadores, diferentes, portanto. Mas este é um espaço de discussão e eu não deixar outros distorcerem os factos a toda a hora sem replicar.

      Eliminar
  14. http://nba-stream.com/ Todos os jogos..todos os dias!!

    ResponderEliminar
  15. que grande jogo spurs vs clippers, o Duncan parece que tem 20 anos, e o fair play do paul a 30 segundos do fim a empurrar o barnes pa repor a bola rápido com o parker lesionado no chão, ainda bem que os árbitros não deixaram. se cruzarem nos playoffs, vai ser quentinho...



    ResponderEliminar