20.5.13

CONTRA-ATAQUE - Amanhã anda a roda


É já amanhã que as equipas que não se apuraram para estes playoffs vão saber a sua sorte no draft deste ano. Enquanto a roda não começa a andar (amanhã, a partir das 20:30 - hora dos EUA, 01:30 em Portugal), no CONTRA-ATAQUE de hoje o Pedro Silva fala-nos um pouco sobre:


O Euro-Milhões da NBA

Concorde-se ou não, o sistema da NBA premeia a incompetência em nome do equilíbrio, com as piores equipas a serem recompensadas com escolhas elevadas no draft do ano seguinte (o que não me parece um sistema pior que, por exemplo, o do futebol, onde os ricos compram e comem com fartura e os pobres lutam pelas migalhas da manutenção). 

Esta semana (amanhã, terça, dia 21) realiza-se o sempre popular e intrigante sorteio da lottery, onde os incompetentes se juntam para ver o que a sorte dita no que ao futuro draft diz respeito. 
No entanto, ocorre-me que os dois potenciais favoritos - os Orlando Magic e os Charlotte Bobcats - fizeram épocas bem distintas na sua mediocridade: 

Orlando desenvolveu alguns jogadores muito interessantes - Vucevic (candidato legítimo a Most-Improved Player esta época), Maurice Harkless, Andrew Nicholson ou o reforço Tobias Harris - conseguiu incriminar Turkoglu pelo uso de drogas, que já valeu uns trocados poupados no salário chorudo deste ano e quem sabe se não pode resultar num término por justa causa do mesmo, foi somando algumas vitórias pontuais em alguns jogos e mantendo-se relativamente competitiva em outros vários de modo a mostrar que até estavam interessados em ganhar e, no fim, acabaram com o pior registo da liga e consequentemente com a probabilidade mais alta de ficar com a cobiçada primeira pick no draft. - "Tanking" bem feito. 

Já Charlotte, começou a época demasiado bem (7 vitórias nos primeiros 12 jogos da temporada), foi absolutamente medíocre todo o ano, ao ponto de a maior história da temporada ter sido Michael Jordan, dono da equipa, ter participado num treino e supostamente dado baile a Kidd-Gilchrist, conseguiram o pior diferencial de pontos da liga (-9.2 pontos por jogo - Orlando teve -7), não desenvolveu absolutamente ninguém a não ser um sentimento de pena geral da parte do mundo e, quando tudo esperava que voltassem a terminar com o pior registo... eis que os Bobcats decidem ganhar os últimos 3 jogos da época, por razão absolutamente nenhuma, e diminuir um pouco mais as suas hipóteses de voltarem um dia a prestarem sequer mais ou menos. Tanking mal feito. 

Ainda que o draft deste ano não seja tido como grande coisa (ao contrário do próximo, que se diz poder vir a ser épico e será comandado pela cobiça ao canadiano Andrew Wiggins, que a imprensa americana, com a hipérbole que lhe conhecemos, já apelidou de "o próximo Lebron"), há ainda assim uma série de jogadores interessantes que podem, sem dúvida, ajudar sobretudo aquelas equipas "a meio caminho" de prestarem na próxima época - de entre os presentes no sorteio (equipas que não foram aos playoffs) que podem com um toque de sorte passarem de novo à relevância no panorama da NBA, destaco Minnesota (com todos saudáveis e mais um jogador decente, podem ser muito perigosos) no Oeste e os Detroit Pistons e Washington Wizards, que mostraram pinceladas de alguma qualidade e jogadores prestáveis e podem perfeitamente lutar pelos playoffs na fraquinha conferência Este, onde este ano até os Bucks, com registo negativo conseguiram lá chegar. 

Nerlens Noel, Ben McLemore, Otto Porter Jr, Trey Burke, Anthony Bennett, Victor Oladipo ou o base alemão Dennis Schroeder são alguns dos nomes de projectos muito interessantes para as equipas que este ano não foram grande coisa. 

Com 25%, Orlando é a equipa com mais hipóteses de ser presenteada com a primeira escolha (ainda que apenas em duas das 22 últimas edições, o favorito tenha sido o contemplado), sendo certo que não pode ficar abaixo da quarta escolha. Charlotte segue-se com 19.9% e as probabilidades a desceram até aos 0.5% dos Jazz, a "melhor" equipa das que não atingiu os playoffs. Como fã de um bom sorteio, é o tipo de coisa que me deixa intrigado.

Pedro Silva
Autor do Na Desportiva
Escreve aqui às segundas


(podem ver a lista completa de jogadores que se declararam elegíveis para o draft e as probabilidades de cada equipa nesta lotaria, aqui)

7 comentários:

  1. não percebo inglês alguem me pode explicar como funcionao draft e o porque de nao estar no draft nenhuma estrela europeia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O draft é o evento/processo de selecção de jogadores para as equipas da NBA. Todos os anos, cada equipa tem direito a duas escolhas no draft: uma na 1ª ronda e uma na 2ª.
      Mas as 14 equipas que ficam fora dos playoffs têm direito a escolher primeiro e fazem um sorteio (o tal que se vai realizar amanhã) para determinar a ordem pela qual vão escolher (com as probabilidades inversas à classificação: a equipa que ficou em último tem mais bolas e mais possibilidades de lhe sair a 1ª escolha e assim sucessivamente)

      São elegíveis/seleccionáveis jogadores com mais de 18 anos (têm de ter ou fazer 19 anos no ano do draft) e, no caso dos jogadores americanos, que tenham terminado o liceu há mais de um ano (depois do liceu têm de jogar pelo menos um ano na universidade - ou no estrangeiro, como fez Brandon Jennings).

      Mas se não forem escolhidos por nenhuma equipa da NBA até aos 24 anos, são automaticamente free agents. Por isso é que não há estrelas europeias no draft. Porque o draft é uma selecção de jogadores jovens (onde as equipas da NBA escolhem e/ou reservam futuros talentos para si) e as estrelas europeias que ainda não jogam na NBA ou já foram escolhidas num draft passado (a equipa que os escolheu tem os direitos desse jogador para a NBA e ele só pode assinar com essa equipa) ou então são free agents e podem assinar com a equipa que quiserem. Mas depois dos 24 já não podem ser escolhidos no draft.

      Eliminar
  2. Mas as equipas que estao no playoff tbem nao recebem uma draft ??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Draft é o processo de selecção de jogadores. O que todas as equipas têm são escolhas nesse draft. Todas as equipas têm direito a uma escolha na primeira ronda e uma escolha na segunda ronda, mas as 14 equipas que ficam fora dos playoffs têm direito a escolher primeiro e fazem um sorteio (o tal que se vai realizar amanhã) para determinar a ordem em que vão escolher.

      Eliminar
  3. Não posso deixar de discordar com parte da opinião do Pedro Silva, nomeadamente quando refere que os Bobcats não desenvolveram absolutamente ninguém.
    Kemba Walker demonstrou, inequivocamente, clara progressão relativamente à época passada, e não digo isto apenas do ponto de vista estatístico. E quanto a Kidd-Gilchrist, estamos a falar de alguém que nem 20 anos tem, e nos últimos meses da temporada apresentou alguma evolução do ponto de vista ofensivo (defensivamente, e em termos de "energia", desde do 1º dia o seu nível já está acima da média). Mesmo Gerald Hendersen, um jogador de progressão "limitada", atingiu um patamar interessante, podendo ser, futuramente, um 6th man ou role player bastante competente.
    Mais preocupante, a meu ver, é a falta de rumo ao nível do topo da estrutura da equipa, que depois se reflete no treinador. Talvez com Rich Cho no "comando", as coisas comecem a melhorar, e um bom draft seria fundamental. Também em termos de free agency os Bobcats têm hipótese de inverter um pouco este rumo, mas devido ao seu estatuto, estarão sempre limitados. Decisiva, será, a escolha do treinador. Nate Mcmillan, anyone?!

    ResponderEliminar
  4. O meu palpite para os 5 primeiros:
    1-Phoenix
    2-Orlando
    3-Charlotte
    4-New Orleans
    5-Cleveland

    ResponderEliminar
  5. Como é possivel dizer que os Bobcats não desenvolveram ninguem? Nem preciso de citar jogadores (MKG, Gerald Handerson, Kemba Walker, mais um ou dois), basta estar minimamente atento... Continuam a ser uma equpa mediocre mas nao significa que nao tenham jogadores interessantes e em progressão.

    ResponderEliminar