27.5.13

CONTRA-ATAQUE - On the Road


No Contra-Ataque de hoje, o Pedro Silva reflecte sobre a montanha-russa de emoções que têm sido estes playoffs:



Estranho jogo este que gostamos.

Esta época, boa parte dos adeptos da NBA viu as suas simpatias, entusiasmos e expectativas passar de mão em mão e equipa em equipa, qual tocha olímpica,  desde a versatilidade e explosividade dos Denver Nuggets, à entrada para os playoffs (eles não têm nenhuma estrela e jogam em equipa! E são muito fortes em casa! Podem ganhar a qualquer adversário!), logo depois para os triplos dos Golden State Warriors (eles marcam triplos de todo o lado! O Curry é incrível! Com o Bogut e o David Lee no meio e aquela raça, podem ganhar a qualquer adversário!), em seguida para os Memphis Grizzlies e o seu jogo metódico e "bonito-na-sua-simplicidade" (Eles defendem brilhantemente! Ninguém lhes marca pontos! O Marc Gasol é a sua encarnação do Bill Russell! Podem ganhar a qualquer adversário!). Agora é a vez dos Indiana Pacers (Eles... são jovens! O Paul George é muito bom! Secaram os Knicks e o Carmelo! O Roy Hibbert é muito grande! - acreditem, é complicado imaginar frases entusiásticas para Indiana, acho que fiz decente trabalho).

Antevendo já a coisa, na final cheira-me que vamos ter muitos apoiantes dos imortais San Antonio Spurs, numa épica batalha contra "as forças do Mal", como são conhecidos os Heat pela maioria dos que não são seus adeptos. Eles são muito experientes! Eles têm o melhor treinador deste mundo e do outro! Há alta probabilidade de o Tim Duncan ser um robot/ET/experiência do exército americano! Eles podem ganhar a Miami!

(Atenção que não digo isto com desprimor por quem foi fazendo estes saltos, já que eu próprio fui também saltando o barco destas equipas à medida que iam caindo.)

Feitas as contas, é bem possível que tenhamos uma versão moderna da famosa frase de Gary Lineker - "O Futebol são 11 contra 11 e no fim ganha a Alemanha", sendo que aqui fica, obviamente - "O Basket são 5 contra 5 e no fim ganham os Heat". Ou não.

Mas nisto do desporto (e se eu quisesse ser pseudo-filosófico, da vida), não é o destino que conta, é a viagem. E é por isso que estes playoffs têm sido do caraças.

Pedro Silva
Autor do Na Desportiva
Escreve aqui às segundas

5 comentários:

  1. Independentemente do que venha a acontecer e, supondo que os Heat de facto vão regressar à final, há algo que é inegável quanto ao seu opositor - tanto os Grizzlies, como os Spurs (muito provavelmente, os vencedores do Oeste), têm no jogo interior um dos seus pontos fortes, senão o mais forte. Quando falamos de possíveis "matchups", uma hipotética final com os Thunder, pre-favoritos do Oeste, seria, teoricamente, mais "compatível" com estes Heat, o que lhes atribuiria claro favoritismo. Como se comprova na dificuldades sentidas contra os Pacers, nomeadamente com Hibbert e West, é evidente o calcanhar de aquiles de Lebron James e companhia. Será interessante, no mínimo, ver o encaixe entre os Spurs e os Heat, caso os respectivos favoritismos se confirmem.

    ResponderEliminar
  2. É verdade, este ano parece uma montanha russa de emoções, e todas as previsões (bem...quase todas) têm ido por água abaixo, por este ou aquele motivo. E o mais curioso é q.ue estamos a voltar à estaca zero, isto é, está-se a palpitar que a final vai ser aquela que primeiramente se previa: Heat-Spurs.
    Mas como nada tem batido certo (e ainda bem, porque torna tudo mais emocionante), mais vale mesmo não palpitar nada. Já estou como o outro, este ano, palpites só no fim dos PO

    ResponderEliminar
  3. É isso mesmo, o que conta é a viagem!!
    E já agora, que dela faça parte uma final Heat - Spurs :)

    ResponderEliminar
  4. Hidrologic28/05/13, 02:05

    Eu acho que ainda mais preocupante do que o défice de qualidade do jogo interior dos Heat (caso cheguem à final) para enfrentar os Spurs, é o défice de experiência do Spoelstra em relação ao Popovich. O Spoelstra não é mau treinador, pelo contrário, mas também não considero dos melhores e cheira-me que a sua falta de experiência, principalmente numa final, contra uma raposa como o Popovich pode vir a ser muito preocupante para os Heat. A forma como ele deu a volta aos Memphis foi incrível (fez de uma equipa fantástica que eliminou os Thunder e com um jogo interior fenomenal parecer uma equipa mediana, algo que não é) e ele é mais do que treinador para montar um esquema qualquer que só ele imagina para anular o LeBron (não precisa mais que isso praticamente).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu acho o Spoelstra um treinador mto bom. Mas ninguém que esteja na liga vence o Popovich em termo de tácticas (ou pelo menos n vence mtas vezes). E de certeza q irá sacar alguns coelhos da cartola. Mas a verdade é q se Miami jogar como jogou ontem NENHUMA equipa na liga pode fazer frente. N está Lebron? Tens Wade. No Wade? Bosh (q tem estado mto bem nos playoffs). N tens Bosh? Chris Andersen, Battier, Allen, etc... Miami são, na minha opinião, mto mais q Lebron ao contrário do q dizes. E para travar Lebron sem ser com double team é complicado... Os Pacers das equipas q estão nos playoffs para mim são a q melhor pode fazer isso. Espero q os Pacers ganhem o próximo pq senão arrumam os Pacers em Miami...

      Eliminar