30.6.13

Os deuses do Basquetebol deviam estar loucos?


Esperava-se um draft imprevísivel, tivemos um draft insano? Um número um surpreendente, escolhas inesperadas nas posições seguintes, o favorito Nerlens Noel a cair até à 6ª escolha e metade das equipas da liga a trocar escolhas entre si. Em trocas directas ou como parte de negócios maiores, tivemos mais trocas que nunca no dia do draft e, às tantas, já nenhuma equipa estava a escolher para si, mas antes para outra equipa qualquer com quem já tinha uma troca acordada.

Foi um draft que pareceu desafiar toda a lógica. Estariam os deuses do basquetebol loucos nesse dia ou foi apenas um draft normal para as circunstâncias? 


Porque isto é o que pode acontecer (é até mesmo normal que aconteça) quando não há apostas seguras e escolhas claras. Nos anos em que há um LeBron James, um Tim Duncan ou um Shaquille O'Neal, o trabalho das equipas é fácil. Quando há um jogador daqueles que será estrela de certeza, é só escolhê-lo. 
Mas num ano como este, sem estrelas garantidas e com muitos jogadores-ainda-em-projecto e muitos jogadores que as equipas esperam que possam desenvolver-se assim ou assado, não é anormal acontecer isto. Num como este, era uma certeza que o draft seria imprevísivel.

E vai ser preciso esperar (até à próxima temporada ou até mesmo vários anos) para saber quem escolheu bem e quem escolheu mal. É quase sempre assim no draft e num ano em que não há estrelas garantidas e há muitos projectos, ainda mais. 

Mesmo em anos em que parece haver erros clamorosos, só o tempo permite saber isso. Quando, por exemplo, os Blazers escolheram Greg Oden em vez de Kevin Durant não tinham forma de prever as lesões que Oden veio a ter (e que acabaram com uma carreira que podia ter sido excelente). Olhando para trás (um luxo que nenhum GM tem no dia do draft), parece um erro grosseiro, mas Oden era um "7 footer" com potencial para ser dominador e esses jogadores são daqueles que fazem a diferença na NBA. A verdade é que metade dos GMs da liga escolheriam Oden.

Este ano, por exemplo, a escolha dos Cavs no nº1 apanhou todo o mundo de surpresa. A maior necessidade da equipa de Cleveland era na posição de small forward e a escolha mais consensual e mais óbvia para essa posição era Otto Porter. Quando escolheram Anthony Bennett, todos coçámos a cabeça e pensámos "entao, mas eles já têm Tristan Thompson e escolhem outro power forward?!"
Mas se calhar o plano dos Cavs é desenvolver um small forward. Porque Bennett lembra-nos de um jogador que também chegou à NBA como um power forward um pouco pequeno para essa posição na NBA e que se transformou num bom small forward: Larry Johnson.

O ex-Hornet e ex-Knick desenvolveu o lançamento exterior e tornou-se um bom small forward. Bennett já tem um bom lançamento e pode vir a ser um jogador do mesmo género. E se isso acontecer, daqui a uns anos podemos estar a dizer que os Cavs foram visionários e escolheram muito bem. Vamos ter de esperar para ver.

Henry Abbott, do True Hoop, escreveu um bom texto sobre isto e sobre a prudência que devemos ter quando falamos de vencedores e vencidos do draft (um texto com o qual concordamos plenamente). Como ele diz, a única coisa que os GMs da NBA podem fazer "é fazer o trabalho de casa o melhor possível e esperar para ver se corre como esperado." Os deuses do basquetebol não estavam loucos no dia do draft. Foi apenas um dia normal para as circunstâncias.



(só o tempo nos permitirá averiguar o acerto das escolhas no draft; já para avaliar uma troca de jogadores já estabelecidos e dos quais sabemos com o que contar, podemos adiantar uma análise - mas mesmo nestas há sempre uma dose de incerteza e só o tempo pode dizer se essa análise é completamente acertada ou não -; e tivemos duas trocas dessas no dia do draft - embora ainda sejam condicionais, pois só a partir de 10 de Julho é que as equipas podem oficializar qualquer troca -. Por isso, já lá iremos à mega-troca que os Nets e os Celtics acordaram fazer e também à que os Sixers e os Pelicans acordaram)

2 comentários:

  1. Entretanto o Kobe já voltou ao ginásio http://www.inflexwetrust.com/wp-content/uploads/2013/06/IFWT-Kobe-shooting.jpg

    Porque os anéis não se ganham de outra forma.

    ResponderEliminar
  2. http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=HJn74ufOx64#at=183

    Se calhar para o ano, o numero 1 do draft já está decidido...

    ResponderEliminar