13.9.13

Boletim de Avaliação - Chicago Bulls


Uma divisão já está, faltam mais cinco. Depois da Atlantic, seguimos para a Central Division e começamos pela equipa que, apesar da ausência do seu melhor jogador durante toda a temporada e com lesões em alguns dos outros melhores, fez milagres e conseguiu chegar à segunda ronda. E este ano, com o seu MVP de volta, querem regressar ao topo:


BOLETIM DE AVALIAÇÃO - CHICAGO BULLS

Saídas: Nate Robinson, Marco Belinelli, Richard Hamilton, Daequan Cook, Vladimir Radmanovic
Entradas: Mike Dunleavy, Tony Snell (20ª escolha no draft), Erik Murphy (49ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Derrick Rose - Jimmy Butler - Luol Deng - Carlos Boozer - Joakim Noah
Banco: Kirk Hinrich - Marquis Teague - Mike Dunleavy - Tony Snell - Taj Gibson - Nazr Mohammed
Treinador: Tom Thibodeau

Balanço: Esta é a temporada do Regresso. Derrick Rose estará de volta aos campos (de jogo, não os de treino) e essa é a maior "contratação" dos Bulls nesta offseason. E só não é a única porque contrataram Mike Dunleavy na free agency e os dois rookies que escolheram no draft. E dispensaram Richard Hamilton. E, pronto, isso foi tudo o que os Bulls fizeram.

Mas por terem sido tão pouco activos, não quer dizer que tenham feito uma má offseason. Os Bulls acreditam que com este grupo (saudável) podem ter uma hipótese real de lutar pelo título e o plano foi esperar pelo regresso de Rose e limar apenas umas arestas. 

Mas depois temos também o que não fizeram. Não renovaram com Nate Robinson, nem com Marco Belinelli. E se Bellineli era dispensável, já a decisão de deixarem Nate sair é bem mais discutível.

Apesar de ser um bom atirador, o italiano é também mais distribuidor e penetrador e um jogador que joga mais com a bola nas mãos. Com a evolução de Jimmy Butler, o lugar de shooting guard titular estava entregue e com o regresso de Rose, para a posição de shooting guard suplente os Bulls precisavam mais de atiradores puros (daqueles que jogam sem bola e se libertam para lançar; como há dois anos, quando tinham Kyle Korver) do que jogadores com a bola nas mãos (porque essa vai estar nas mãos de Rose).

Por isso, Belinelli não encaixava tão bem e foram antes jogadores daquele tipo que procuraram e contrataram: Mike Dunleavy (que para além de lançar bem, também é um bom defensor e pode contribuir dos dois lados do campo) e o rookie Tony Snell.

Quanto a Nate Robinson, podemos justificar a não renovação com os mesmos argumentos que para Belinelli e ainda com a rotação de bases deste ano. Em 2012-13, Nate era o suplente atrás de Hinrich e, quando entrava, fazia basicamente o papel de Rose no ataque dos Bulls. Este ano, para o papel de Rose têm... Rose, e Hinrich será o suplente. Nate tornou-se por isso, excedentário e os Bulls acharam que não valia a pena gastar mais dinheiro nele.

Mas pelo valor que ele assinou com os Nuggets (4 milhões por 2 anos! 2 milhões por ano!), bem que podiam ter ficado com ele e com uma opção ofensiva no banco como não têm mais nenhuma. E profundidade nunca fez mal a nenhuma equipa.

E dava jeito mais alguma profundidade nesta. Dava jeito mais um jogador interior (Gibson é um óptimo suplente a power forward, Mohammed é decente a poste, mas só dois suplentes interiores é curto e mais um poste dava jeito; e não, Erik Murphy não chega) e outro marcador de pontos não era demais. 

Apesar disso, e da perda de Nate Robinson ir doer aos fãs dos Bulls por algum tempo, foi uma offseason decente. Mas decente é apenas isso mesmo, decente. Podiam ter feito mais e com todos os principais adversários a reforçarem-se, vamos ver se decente é suficiente.

Nota: 10

Sem comentários:

Enviar um comentário