20.10.13

Boletim de Avaliação - Oklahoma City Thunder


Depois do verão atribulado dos Nuggets, do verão melhorzinho dos Wolves e do verão bem bom dos Blazers, vamos até Oklahoma ver como correu o estio a Kevin Durant e companhia:


BOLETIM DE AVALIAÇÃO - OKLAHOMA CITY THUNDER

Saídas: Kevin Martin, Ronnie Brewer
Entradas: Ryan Gomes, Steven Adams (12ª escolha no draft), Andre Robertson (26ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Russell Westbrook - Thabo Sefolosha - Kevin Durant - Serge Ibaka - Kendrick Perkins
Banco: Reggie Jackson - Derek Fisher - Jeremy Lamb - Ryan Gomes - Perry Jones - Nick Collison - Steven Adams - Hasheem Thabeet
Treinador: Scott Brooks

Balanço: Ryan Gomes. Steven Adams. Andre Robertson. São esses os três reforços dos Thunder para 2013-14. Ryan Gomes, Steven Adams e Andre Robertson. Um extremo que não jogou na NBA no ano passado (e um jogador marginal na liga) e dois rookies que pouco jogarão e só daqui a uns anos é que deverão estar prontos para contribuir de forma significativa. Ah, e renovaram com Derek Fisher.

Isto depois de perderem (pela segunda época consecutiva) o terceiro melhor marcador da equipa. Em 2012, substituiram James Harden por Kevin Martin. E este ano substituiram Kevin Martin por ninguém. 

Também só perderam o Kevin Martin, poderão dizer. Mas numa equipa já curta de atiradores, saiu o melhor. E num ataque sem opções fiáveis de três pontos para além de Durant e Westbrook (não, Fisher e Sefolosha não são opções fiáveis e consistentes), perder o melhor atirador não é coisa pouca. Num ataque já dependente demais de Durant e Westbrook, Martin era um jogador que impedia as defesas de se fecharem completamente e concentrarem-se apenas em fechar os caminhos todos àqueles dois.

E agora ficam também ainda mais dependentes deles dois no departamento do lançamento exterior. E ficam dependentes disso e do desenvolvimento de Reggie Jackson e Jeremy Lamb para se manterem no mesmo nível.

Ok, a equipa já é boa, ganhou 60 jogos na temporada passada e só foi eliminada nos playoffs passados porque Westbrook se lesionou. Se não fosse a lesão de Westbrook teriam ido às Finais de novo. Por isso, porque não ficar na mesma e apostar na continuidade deste grupo? Essa poderia ser a lógica dos Thunder.

Houve equipas, como os Spurs, que fizeram isso. Mas os Thunder nem na mesma ficaram. Ficaram piores. Ou só não ficarão piores se alguns dos seus jogadores secundários derem um salto grande. E ficar dependente do desenvolvimento de Reggie Jackson e Jeremy Lamb para chegar a um título? Parece muito curto.

Os Thunder vão continuar a ser candidatos? Sim, e serão enquanto tiverem Durant e Westbrook. Mas é assim que querem voltar às Finais? Acho que vão ter de fazer melhor. Porque se não arranjarem mais ajuda para aqueles dois, não vão passar de candidatos.

Nota: 8

3 comentários:

  1. Nem sei o que dizer da estratégia desta equipa. Banco fraco e atiradores nem vê los. Dou mais um ano para se separarem

    ResponderEliminar
  2. Analise muito bem feita, acho que o Lamb poderá estar melhor, mas não a um nível que os OKC precisam e isso torna-os mais fracos. Bem visto, SeteVinteCinco!

    ResponderEliminar
  3. Boa análise. Thunder dificilmente lutam pelo título sem o seu 6º jogador, que era fundamental. Têm um grande craque (Durant), dois all-Stars (Westbrook e Ibaka), mas Westbrook tem tanto de talentoso como de pouco fiável nas horas decisivas. Depois, Perkins é na minha opinião, muito mais problema que solução. Sefolosha é um role-player, que agora vai ter mais protagonismo, o que não é grande indício. Gostava que Lamb e Jackson evoluíssem, mas a curto-prazo dificilmente serão soluções muito fortes. O banco, no geral, é muito limitado em opções.

    ResponderEliminar