1.12.13

Bater Bolas


Mais um domingo, mais um dia de bater bolas. Hoje debruçamo-nos sobre uma questão que alguns de vocês têm colocado em relação ao balanço de poder entre a conferência Este e Oeste e às razões da superioridade desta última nos últimos anos. Porque é que a conferência Oeste é tão mais forte que a Este?


É uma boa pergunta e uma que não parece ser fácil de explicar. À primeira vista, não deveria haver razão para tal acontecer. As equipas jogam todas com as mesmas regras, têm todas o mesmo tecto salarial, o mesmo sistema de escolhas no draft e um calendário semelhante. As equipas do Este têm as mesmas possibilidades de construir bons plantéis que as do Oeste.

Mas a verdade é que a tendência se foi repetindo nos últimos 10, 15 anos e este ano parece ainda mais acentuada. A Oeste temos mais equipas boas e equipas que conseguem regularmente mais vitórias que as suas concorrentes a Este.

Nos últimos 15 anos tivemos 10 campeões do Oeste e 5 do Este (e não fossem os Heat terem ganho os últimos dois anos e essa contabilidade era ainda mais desequilibrada; foram dois anos em que o campeão veio do Este, mas o nível global da conferência era bastante inferior ao Oeste; a melhor equipa estava a Este, mas depois deles não havia muitos mais equipas de topo - os Bulls, os Celtics, os Pacers - apenas no ano passado - e pouco mais).

E regularmente equipas que ficam de fora dos playoffs no Oeste acabam com melhor recorde que equipas que se apuram a Este. Para se apurarem no Oeste as equipas precisam de ganhar 40 e muitos jogos (e já houve anos em que todas precisaram de 50 vitórias para ir os playoffs!) e no Este temos equipas que se apuram com 41 vitórias (recordes de 50-50) e até mesmo com recorde negativo.

Este ano, o quadro é ainda mais desequilibrado: no Oeste temos 12 equipas com recorde positivo (e a 13ª apenas um jogo abaixo dos 50%) e no Este temos apenas 3 (Heat e Pacers destacados, Hawks com 9-9 e depois todas as equipas têm recorde negativo!)! Os Raptors lideram a Atlantic Division e estão no 4º lugar da conferência com uns míseros 6-10!

Esta discrepância tão grande e esta tendência que se repete ano após ano não se explica pelas distâncias. Não só todas as equipas têm aviões particulares e não perdem tempo em aeroportos (antigamente as equipa viajavam em voos comerciais), como o avanço nos transportes permite viajar mais rápido e com maior conforto e o desgaste das viagens e o seu impacto na performance dos jogadores é muito menor. Para além disso, as equipas do Este estão geograficamente mais perto umas das outras e têm de viajar menos nos jogos entre si. As equipas do Oeste percorrem distâncias maiores e viajam mais entre jogos. Por isso, se isso fizesse diferença, a vantagem era para as equipas do Este.

Também não se explica pela dimensão dos mercados (e por equipas mais ricas que podem gastar mais dinheiro, ultrapassar o tecto e pagar luxury tax), pois não temos mais cidades e mercados grandes a Oeste. Pelo contrário, algumas das maiores cidades dos Estados Unidos estão a Este (Nova Iorque, Chicago, Miami, Boston, Washington) e mercados maiores a Oeste temos Los Angeles, Dallas e pouco mais.
Para além disso, a Oeste temos várias equipas de mercados mais pequenos que conseguem montar equipas de topo (San Antonio, Oklahoma City, Memphis; Portland, Utah e Sacramento em temporadas passadas, no fim dos anos 90 e inícios dos 00). E também a Este temos equipas como os Pacers que conseguiram montar um candidato num mercado pequeno. 

E este ano, por exemplo, duas das três equipas com a maior folha salarial da liga são do Este (Knicks e Nets). E todos sabemos como isso está a correr. Como tal, a dimensão das cidades e dos mercados também não explica essa discrepância de qualidade.

Já uma coisa que pode explicar um pouco o fosso de qualidade é o facto do Oeste ter tido alguns dos melhores treinadores dos últimos tempos (e de sempre). Phil Jackson e Gregg Popovich conquistaram 9 dos últimos 15 títulos da NBA e para além destes dois que estão entre os melhores de sempre, temos outros que estão/estavam entre os melhores da liga e tiravam o melhor das suas equipas (como George Karl, Rick Adelman, Rick Carlisle e Jerry Sloan). 
Não por acaso, alguns dos melhores treinadores que o Este viu conseguiram levar as suas equipas ao topo (Doc Rivers e Erik Spoelstra conquistaram títulos e Tom Thibodeau fez milagres com os Bulls). Mas este facto está relacionado com a razão seguinte, aquela que nos parece ser a melhor explicação para este fosso.

A única razão para a diferença de qualidade das equipas parece ser apenas a competência das organizações e dos seus general managers. Com as mesmas regras para todas e com recursos semelhantes, parece que a Oeste temos pura e simplesmente pessoas mais competentes e melhor gestão das equipas. Temos muitas organizações sólidas, estáveis e modernas que escolhem bem os seus jogadores e treinadores e que fazem simplesmente uma melhor gestão. 

Os Spurs são um exemplo de organização, estabilidade, competência, boa gestão, boa cultura e bom scouting. Jazz e Lakers são outros dois exemplos de estabilidade e organização (os Lakers andam um bocado perdidos ultimamente, mas são uma das organizações mais sólidas e estáveis das últimas décadas - durante o tempo de Jerry Buss), os Rockets e Mavs idem (e estão entre os que mais aderem às tecnologias e estatísticas mais avançadas que existem), Sam Presti levou para OKC tudo o que aprendeu em San Antonio e construiu outro exemplo de estabilidade e organização. Phoenix atravessou um período conturbado e de mudanças nos últimos anos, mas foi um exemplo de estabilidade e competência durante anos. Os Clippers e os Warriors encontraram essa competência depois de anos de deriva e má gestão.

E as equipas a Este que têm uma estrutura estável, competente e organizada (Heat, Celtics, Bulls, Pacers) são as mais bem sucedidas da conferência. Por isso, basicamente, parece que a Oeste são apenas mais competentes e andam a fazer um melhor trabalho.
.

6 comentários:

  1. Márcio
    é a primeira vez que comento no blog mas sou leitor assíduo, e por isso quero dar os parabéns pelo bom trabalho.
    Quanto a este assunto não seria pertinente a NBA começar a classificar para os playoffs os vencedores das divisões e as restantes 12 melhores equipas? em vez do modelo atual?
    Diogo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas não é mais ou menos isso que acontece hoje?
      Os vencedores das divisões + um segundo melhor ocupam os quatro primeiros lugares de cada conferência e os restantes lugares tem a ver com o registo de vitórias-derrotas.

      Eliminar
  2. Diogo , se não me engano existem 6 divisões portanto seriamas outras 10 melhores equipas. Eu não sei a constituição das divisões ao certo , portanto também não tenho a certeza se isso iria resolver o problema de haver equipas com recordes negativos a ir aos playoffs.
    Magrinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela correção :) seriam as 10 e não 12 melhores equipas. Apesar de agora existir uma equipa com recorde negativo e que é lider da divisão ( Toronto Raptors) penso que é conjetural ( devido ao colapso dos Knicks e Nets e o semi-tanking dos Celtics), no entanto na minha opinião o recorde positivo não seria o mais importante, mas sim garantir as melhores equipas possiveis ( e jogos) no Playoff , sendo que os vencedores de divisão garantiriam que no minimo 3 equipas de cada conferencia estavam representadas. Penso que seria mais justo já que o calendário já obriga que uma equipa jogue mais vezes com equipas da sua conferencia ( o que em teoria devia favorecer as melhores equipas da conferencia mais fraca).

      Eliminar
    2. Por acaso, eu acho que as divisões são uma das coisas mais ultrapassadas no modelo competitivo da NBA. Actualmente, não faz muito sentido manter a divisão por Divisões. O Zach Lowe tem um bom texto sobre isso no Grantland:

      http://www.grantland.com/blog/the-triangle/post/_/id/83569/abolish-useless-nba-divisions-step-1-of-a-radical-plan

      Eliminar
  3. Antes de mais quero congratular o Márcio por mais esta bela iniciativa de responder a questões colocadas pelas cibernautas.

    Agora indo de encontro ao que se trata no post, a superioridade das equipas do oeste vê-se também por exemplo através de um factor simples que é a superioridade e mais valia dos jogadores que actuam em equipas da desta conferência. Este facto pode ser facilmente comprovado quando se vai votar nos jogadores para o All-Star Weekend. Se no Oeste para escolher um 5 inicial é necessário deixar vários jogadores de fora que certamente mereceriam ser escolhidos e que se tivessem na Conferencia Este facilmente seriam titulares.

    Por exemplo para escolhermos os 3 jogadores para o Frontcourt do Oeste existem vários candidatos (LaMarcus Aldridge; Tim Duncan; Durant; Antoni Davis; Marc Gasol; Dwight Howard; Kevin Love), enquanto que no Este existem o Lebron, Paul George, Roy Hibbert, Carmelo Anthony e pouco mais.

    No que toca ao backcourt no Oeste temos mais uma vez vários candidatos (CP3, Tony Parker, Curry, Klay Thompson, James Harden, Westbrook, Damian Lillard); Por sua vez no Este existem mt menos candidatos viáveis (Wade, Irving, D. Rose, Rondo, Jonh Wall).

    Por aqui se vê a diferença abismal entre as conferências, através dos jogadores que podem merecer a seleção para o All -Weekend

    ResponderEliminar