30.1.14

Heat x Thunder - algumas observações


E ontem, no duelo mais esperado da temporada (até agora), no jogo que o mundo parou para ver:


Tivemos um grande jogo de Kevin Durant
Não foi da forma mais habitual (porque os Heat faziam 2x1 sempre que ele recebia a bola e desafiaram os Thunder a batê-los com os outros jogadores), mas foi um grande jogo de Durant.  
À excepção daquele final do 3º período e início do 4º, em que os Thunder fizeram jogadas de isolamento e ele pegou na bola, jogou 1x1 com LeBron e foi o marcador de pontos dominador que tem sido tantas vezes, Durant passou o resto do jogo a passar a bola para os outros (teve apenas 5 assistências, mas fez inúmeras "hockey assists" - o passe para o jogador que faz a assistência). Não teve tanto a bola nas mãos como habitualmente, foi mais distribuidor que marcador, mas foi igualmente excelente nesse papel. Foi também eficiente a aproveitar as oportunidades que teve (33 pts em 23 lançamentos) e apesar do papel de passador, voltou a marcar mais de 30 pontos. E vão 12 jogos com mais de 30.

Tivemos um grande jogo dos Thunder
E se Durant ontem foi distribuidor, não podia ter pedido melhores receptores. Os Heat tentaram manter a bola fora das mãos de Durant, desafiaram os outros Thunder a ganhar-lhes e estes corresponderam. Lamb (18 pts, com 4-6 nos 3pts), Fisher (15 pts, com 5-5 nos 3pts), Ibaka (22 pts), Jackson (9 pts) e Sefolosha (9 pts) aproveitaram da melhor maneira a atenção defensiva sobre Durant e o espaço que sobrou para eles. 
E não foi só no ataque que os Thunder tiveram um esforço e um desempenho colectivo e completo. No outro lado do campo, defenderam como uma unidade coesa, rápida, móvel, com boas rotações, boas ajudas e que manteve LeBron e Wade fora da área restritiva durante a maior parte do jogo. 
Ontem, os Thunder mostraram que têm elenco para acompanhar a(s) sua(s) estrela(s) principal(is) e que têm Equipa para lutar pelo título.

Tivemos uma grande decisão de Scott Brooks
Mas tudo isto só aconteceu depois da ida de Perkins para o banco. Ao fim dos primeiros 5 minutos de jogo (os únicos que Perkins jogou), o resultado era 22-4 para os Heat. Depois da sua saída, nos restantes 43 minutos, os Thunder fizeram um parcial de 108-73! Mas antes que crucifiquem o pobre Perkins e digam que os Thunder são muito melhores sem ele, esclareçamos: os Thunder são muito melhores sem ele CONTRA OS HEAT. 
Contra equipas com cincos mais tradicionais e com um poste verdadeiro (Pacers, Clippers, Spurs, Rockets), os Thunder precisam da defesa de Perkins e este será um jogador importante em séries contra essas equipas. Mas contra os Heat, que não jogam com um jogador dentro, Perkins é um mismatch gigantesco (não tem velocidade nem mobilidade para defender Bosh até ao perímetro) e um perigo para a equipa .
Scott Brooks parece ter finalmente percebido (ou admitido) isso e optou pelo "small ball", com um cinco mais baixo, rápido e móvel (não só não voltou a colocar Perkins, como também não utilizou Steven Adams, que só entrou nos minutos finais, com o jogo resolvido). Escusado será dizer que com excelentes resultados.

E tivemos uma grande prova de que os Heat precisam mesmo de variar a defesa
Os Thunder provaram o que dizíamos no artigo anterior, sobre a defesa da equipa de Miami. Se dúvidas havia que as equipas já estão preparadas para a defesa pressionante dos Heat e já sabem explorar os seus espaços, foram ontem esclarecidas. Os Thunder mostraram como já a sabem atacar e aplicaram a mesma receita que os Pacers e outras equipas têm usado contra os Heat. 
Sempre que Durant ia para um pick and roll e sofria o 2x1, o bloqueador (Ibaka ou Collison, habitualmente) desfazia imediatamente para o topo do garrafão e recebia aí bola. A partir daí era sempre 4x3 para os Thunder, com um lançamento dali da linha de lance livre (como Ibaka fez várias vezes) se não viesse nenhum defesa ou, se viesse a rotação defensiva, uma assistência para um dos jogadores abertos na linha de 3.
Não foi por acaso que os Thunder fizeram o máximo de triplos num jogo desde que se chamam Thunder (16). Tal como várias equipas têm feito este ano, exploraram a situação de 4x3 que a defesa agressiva do pick and roll dos Heat provoca e conseguiram muitas situações de triplos sem oposição. 
O que mostra como os Heat precisam de um plano B na defesa. Porque o plano A já não apanha ninguém de surpresa e está até mesmo a funcionar contra eles.

1 comentário:

  1. Já ha muito tempo que me pergunto se o Perkins é jogador para lutar pelo titulo, e será que nao era possivel os OKC terem RW,KD e Harden no 5 titular e assim mais fortes para atacar o titulo?
    Acho que Ibaka é ainda algo desvalorizado na liga, em comparaçao com Hibbert por exemplo que apesar de ser grande jogador, não apanha muitos ressaltos, gosto muito do Steven Adams tb, mas acho que talvez seja preciso mais um jogador ligeiramente acima da media para OKC serem campeões

    ResponderEliminar