12.4.14

Descanso precisa-se em Indiana



Escrevíamos há duas semanas (podem ler o texto aqui) que os Pacers estavam a descobrir em primeira mão porque é que as equipas não fazem toda a temporada regular com prego a fundo e intensidade de playoff e que o esforço mental que isso exige estava a notar-se na equipa de Indiana.

Mas afinal o problema dos Pacers é mais grave do que apenas fadiga mental. Ou melhor, a fadiga parece que não é apenas mental, mas também física. 

Dizíamos naquele texto que "mais do que problemas de movimentações, problemas tácticos ou técnicos (ou melhor: antes destes problemas, porque estes são consequência), o problema dos Pacers parece estar no cansaço mental. Mais do que uma equipa fisicamente cansada, parece uma equipa mentalmente cansada."

Porque, até ali, a falta de energia e concentração não tinha sido um problema contra os Heat. Contra outras equipas notava-se essa falta de concentração, mas contra Miami a motivação e a energia estavam sempre lá. Até ontem.

Ontem, o que faltou mesmo foram pernas. Este jogo era uma autêntica final para garantir o primeiro lugar na conferência e a vantagem-casa. Uma vitória e estava (praticamente) feito. Por isso, não foi, seguramente, por falta de motivação que os Pacers fizeram o jogo que fizeram. Não, o que os Pacers não tiveram foi energia para acompanhar a dos Heat e pernas para correr com estes.

Como Spoelstra disse, foi o jogo mais completo e mais próximo da identidade dos Heat que vimos nos últimos tempos. Muitos ativos na defesa e nos ressaltos, pressionantes sobre o portador da bola e sobre as linhas de passe, rápidos nas rotações, a provocarem muitos turnovers, a segurar a tabela defensiva e a saírem rápido para o contra-ataque. Ou, como disse LeBron, "we put together a 48-minute game tonight. Our bigs made it happen all night."

Que foi tudo o que os Pacers não conseguiram fazer. Hibbert parece exausto (e uma sombra do jogador de antes), ele e West estão mais lentos (muito lentos) na transição defensiva e frequentemente atrasados nas rotações e nas ajudas. E a defesa do perímetro estia longe da defesa agressiva que era.

E é por isso que o melhor que Frank Vogel pode fazer neste momento é dar o resto da temporada de descanso aos seus titulares. Descansá-los nestes dois jogos e tê-los frescos (ou o mais frescos possível) para dia 19, quando começarem os playoffs. 

A hipótese de recuperarem o 1º lugar é diminuta (têm de ganhar os dois jogos que lhes faltam - frente a Thunder e Magic - e os Heat perder pelo menos um dos três que lhes faltam - frente a Hawks, Wizards e Sixers) e também, independentemente disso, para terem alguma hipótese de aspirarem a destronar a equipa de Miami, neste momento precisam mais de descanso e pernas e cabeças frescas do que da vantagem-casa.

Porque mesmo que a tivessem, nesta forma não ganhavam a série de certeza. O que os Pacers (ou os seus titulares, pelo menos) precisam urgentemente é dumas férias e de chegar aos playoffs (e a uma possível série com os Heat) frescos. Porque assim não têm hipótese.

3 comentários:

  1. Muito boa análise Márcio. Será que parte da culpa não está no sub-rendimento do West? Parece-me que anda a marcar muito poucos pontos ultimamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Do West, do Hibbert, do George, do Hill... todos eles jogaram praticamente todos os jogos (os três primeiros, 79, e Hill, 74) e acho que estão todos esgotados e a precisar urgentemente de descanso...

      Eliminar
  2. Mas repara, só o Hill e o West (o Hibbert mantêm-se quase igual) é que baixaram os seus números relativamente à época passada e no caso do West foi uma descida mais ou menos abrupta.

    2012-2013: 17.1ppg, 7.7rpg, 2.9apg, 0.9bpg, 1.0spg.
    2013-2014: 13.9ppg, 6.8rpg, 2.8apg, 0.9bpg, 0.8spg.

    ResponderEliminar