19.5.14

Final do Oeste - Um duelo decidido?


A bola ao ar no duelo final do Oeste entre Spurs e Thunder é já daqui a umas horas, por isso vamos lá à previsão para a série. Uma série que fica, inevitavelmente, marcada pela lesão e ausência de Serge Ibaka. 



Já sabemos que, infelizmente, as lesões fazem parte do desporto e estas podem ter um peso tão grande na decisão de campeonatos como a qualidade e o desempenho dos jogadores e das equipas. Há sempre um longo caminho a percorrer para chegar a um título e montar a melhor equipa possível para lutar por esse objectivo é apenas o começo da caminhada. Depois, é preciso ter também a sorte do seu lado, porque pode bastar uma lesão num jogador importante para desviar uma equipa desse caminho. 

Como os Thunder descobriram no ano passado com a lesão de Westbrook e como podem continuar a perceber este ano. Ironicamente, são duas lesões em dois jogadores que até aí pareciam indestrutíveis. Russell Westbrook nunca tinha perdido um jogo na carreira até à lesão do ano passado e Serge Ibaka perdeu, até agora, apenas 3 jogos por lesão em toda a carreira. Uma grande falta de sorte para os Thunder, portanto.

E uma grande diferença para esta série. Nos tempos mais recentes, os Spurs têm tido bastantes dificuldades contra esta equipa de OKC (10-2 para OKC, nos últimos 12 jogos entre eles) e tinham problemas em contrariar o seu atleticismo. Ora, essa superioridade atlética (ou a maior superioridade atlética) é (era) essencialmente em dois jogadores: Russell Westbrook e Serge Ibaka. Para Durant têm Kawhi Leonard e os outros jogadores interiores de OKC não têm vantagem física sobre os correspondentes Spurs.

É naquelas duas posições que os Thunder têm a maior vantagem atlética. Agora perderam a vantagem numa delas. Perdem o seu terceiro melhor marcador (15.1 pts) e o seu melhor ressaltador (8.8 res) e protector do cesto (2.7 dl) . E é desse lado do campo (na defesa) que devem sentir mais a falta de Ibaka. Sem ele a proteger o cesto e a desarmar lançamentos, Tony Parker (e Ginobili e outros) pode penetrar e finalizar junto ao cesto com mais facilidade (ou assistir). Perkins e Collison são muito mais lentos a rodar defensivamente e a ajudar. O que contra um jogador com a qualidade e perícia de Tony Parker  e uma equipa com a movimentação de bola dos Spurs pode ser fatal.

Steven Adams é o jogador que pode compensar melhor nesse aspecto defensivo, mas depois vão ter dificuldades no ataque, porque este não compensa o que Ibaka faz nesse lado do campo. Porque, por muita falta que o hispano-congolês vá fazer na defesa, ele também é um jogador muito importante no ataque dos Thunder.

Por cada 48 minutos, a equipa de OKC marca mais 8 pontos com Ibaka em campo. O lançamento de meia (e longa) distância de Ibaka é um dos escapes do ataque dos Thunder e uma das melhores soluções de passe quando Durant e Westbrook penetram e atraem os defensores interiores. Nenhum outro jogador interior dos Thunder é capaz de lançar como Ibaka e oferecer esse escape.

Sem Ibaka em campo, Splitter, Duncan e Diaw não precisam de sair da zona perto do cesto e podem fechar mais e concentrar-se mais em parar as penetrações. Ibaka não podiam deixar sozinho. Perkins, Adams e Collison podem. O campo vai ficar mais apertado para os Thunder e o seu ataque fica mais limitado e mais dependente de Durant e Westbrook. E isso torna-o, claro, mais previsível.

Aí, Nick Collison é o que pode compensar melhor o que Ibaka faz (mas não lança nem tão bem, nem de tão longe como ele), só que, como já dissemos, não faz o mesmo na defesa. Por isso, os Thunder não têm ninguém que faça o que Ibaka faz. O jogador que compensa melhor na defesa, compensa pior no ataque. E o que compensa melhor no ataque, compensa pior na defesa.

Deve ser, por isso, uma ausência decisiva e que desequilibra esta série para o lado dos Spurs. É claro que os Thunder não vão entregar-se sem luta e o talento individual de Durant e Westbrook é suficiente para ganharem um par de jogos. Mas não acreditamos que dê para muito mais. Por isso, vemos isto a terminar num 4-2 para os Spurs.

2 comentários: