4.5.14

Três vencedores


Três jogos 7, três vitórias para as equipas da casa.
A equipa de Indiana ultrapassou essa grande lomba no caminho que estavam a ser os Hawks, num jogo em voltaram a parecer-se com os Pacers de há três meses. Mas este texto não é sobre eles.
Em Oklahoma, Durant e Westbrook explodiram para, respectivamente, 33 pts (com 12 em 18 e 5-5 em triplos) e 27 pts, 16 ast e 10 res e os Thunder escaparam a um grande susto. Mas este texto não é sobre eles.
E os Clippers, depois de uma série tão atribulada, deram conta do recado em Los Angeles. Mas este texto também não é sobre eles.


Este texto é sobre as três equipas que perderam. Que perderam as séries, mas que não saíram como derrotadas. Três equipas que superaram adversidades, batalharam até ao limite das suas forças e deram mais luta do que alguém acreditava ou achava possível.

Os oitavos-classificados Hawks levaram os primeiros-classificados Pacers ao limite, numa eliminatória muito mais renhida do que alguém imaginava. Uma equipa de Atlanta que perdeu o seu melhor jogador em Dezembro (quando estavam no 3º lugar do Este), que teve muitas lesões ao longo da época, que podia ter atirado a toalha ao chão e começado a pensar no próximo ano, mas que continuou a dar o seu melhor. 
Ontem, os lançamentos não caíram (11-44 de 3pts!), mas, como ao longo de toda a época, nunca desistiram e era difícil pedir mais a esta equipa. 
No próximo ano, com Horford, com um bom núcleo (Horford, Teague, Millsap, Korver), com espaço salarial (cerca de 10 milhões para 2014-15) e com um treinador muito promissor, têm tudo para voltar melhores e ir mais longe.

Os desfalcados Grizzlies, sem Zach Randolph e com Mike Conley claramente limitado, não tiveram poder de fogo suficiente para os Thunder, mas ninguém os pode acusar de não terem tentado tudo. Dave Joerger surpreendeu com um cinco muito baixo, com Conley, Lee, Allen, Miller e Gasol. Foi, nas palavras de Joerger, um cinco com "shock value" para tentar confundir OKC.
E a verdade é que a surpresa funcionou. Fizeram um excelente primeiro período e as movimentações fora do habitual para a equipa causaram problemas à defesa de OKC. Mas depois, quando os Thunder ajustaram, os Grizzlies já não tinham mais armas, nem talento para mais. 
A série mais épica de todas não merecia um final destes e vamos para sempre ficar a pensar o que poderia teria sido com Z-Bo em campo e Conley a 100%. Mas uma coisa que nunca vamos questionar é o esforço dos Grizzlies, que deram tudo e ficaram a um jogo de chocar o mundo.

E os Warriors, que jogaram toda a série sem Andrew Bogut, perderam depois Jermaine O'Neal no jogo 6 e andaram numa luta desigual com um frontcourt dos Clippers fisicamente muito superior. David Lee, Draymond Green e Marreese Speights bateram-se como puderam com Griffin e Jordan, Curry, Thompson e Iguodala fizeram tudo que puderam no exterior para contrariar a superioridade da equipa de Los Angeles no interior e uma série que, sem Bogut, se previa desequilibrada foi discutida até ao último minuto do último jogo.

Era difícil pedir mais aos Hawks na série e era difícil pedir mais aos Grizzlies e Warriors com os jogadores que tinham disponíveis neste último jogo. São três equipas que vão para casa mais cedo, mas com razões para estarem orgulhosas. Três equipas valentes e que deixaram, com certeza, os seus fãs orgulhosos.

Sem comentários:

Enviar um comentário