9.6.14

Heat x Spurs - jogo 2 - the King Game


Se no jogo 1 LeBron James sobreaqueceu, ontem pegou fogo. Depois das cãibras o terem impedido de jogar os minutos finais desse primeiro jogo (que será recordado por esse seu episódio, mas onde ele, até aí, estava a fazer uma boa exibição), James reagiu às críticas (injustas) que choveram a seguir com o seu melhor jogo destes playoffs (35 pts, 10 res, 3 ast e 2 rb) e, quase por sí só, levou os Heat ao empate na série.

Em mais um duelo equilibrado, James foi a diferença no ataque dos Heat. Na primeira parte, com a defesa dos Spurs a fechar bem a área restritiva e sempre com um jogador interior (ora Duncan, ora Splitter) a ajudar sobre as penetrações, foi o único jogador de Miami que conseguiu desmontar essa defesa. Atacou o cesto desde o início e, ora marcando, ora criando espaço para outros, foi o maior responsável por manter a equipa de Miami no jogo.

Ao intervalo, com um ataque mais estático e menos produtivo do que o habitual, os Heat estavam empatados graças a uma boa defesa (a conseguir também dificultar as penetrações dos Spurs) e a James.

Que, na segunda parte, jogou ainda melhor. Se na primeira metade, atacou o cesto e marcou todos os seus lançamentos dentro do garrafão, na segunda começou a lançar e a acertar de fora (marcou 14 pontos no 3º período, todos fora do garrafão!). E quando assim é, não há muito mais que a defesa dos Spurs (ou qualquer defesa) possa fazer. Kawhi Leonard e os Spurs fizeram a sua parte. Conseguiram mantê-lo longe do cesto e a lançar com um defesa na sua frente. Mas quando ele acerta lançamentos contestados como fez no 3º período, não há muito a fazer.

E James fez também a diferença na defesa. Nos minutos finais, Spoelstra colocou-o a defender Tony Parker e a sua defesa ao base francês foi uma das razões pelo pior desempenho do ataque dos Spurs nesses minutos. Com James na sua frente, Parker teve muitas dificuldades em penetrar e o ataque de San Antonio emperrou.

LeBron foi decisivo nos dois lados do campo e a discrepância na produção da equipa de Miami com e sem ele não deixa dúvidas sobre o seu impacto no jogo. Nos 38 minutos que ele esteve em campo, os Heat marcaram mais 11 pontos que os Spurs. Nos 10 minutos que descansou, menos 9. Com ele em campo, os Heat fizeram 60.4% dos lançamentos. Com ele no banco, 29.4%.


Basicamente, quando ele estava no banco, os Spurs dominavam e conseguiam sempre ganhar vantagem ou recuperar. Com LeBron em campo, bem, LeBron dominou.

No fim, conseguiu ainda a cereja no topo do bolo e foi decisivo com... uma assistência! Depois de ter carregado o ataque da equipa com pontos, James (sempre tão criticado por passar a bola em situações no final do jogo; a última vez, numa situação parecida contra os Pacers) assistiu Bosh para o triplo da liderança e mostrou como se pode ser decisivo também a passar a bola (ninguém o vai criticar desta vez por ter passado, pois não?).


É certo que os Spurs têm a sua quota-parte de responsabilidade nesta história. Cometeram vários erros na parte final e desperdiçaram uma boa oportunidade de sobreviver ao grande jogo de LeBron (e ir para Miami com dois jogos de vantagem). Mas LeBron fez tudo o que podia para sair de San Antonio com um empate na série. E conseguiu. Depois do Cramp Game, este vai ser recordado como o King Game.


12 comentários:

  1. Boas.
    Antes de mais parabéns pelo grande trabalho. Não tenho ligação nenhuma ao basquetebol, sempre fui do futebol mas gosto imenso de acompanhar os jogos (especialmente play-offs) e de acompanhar fielmente o vosso blog.
    Desde que acompanho mais fielmente a NBA (3 anos) sempre achei que o Bosh era algo desprezado, mas que em grande parte dos jogos decisivos de play-off é ele que resolve, estou errado? E o Shane Battier porque não tem jogado, não me parece que Jones seja melhor?
    Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo eu não vejo a NBA há tanto tempo como o Márcio , nem perto..(também sempre fui do futebol) mas a nba é feita de match-ups (encaixe das equipas) e neste caso o menos utilizar do shane batier penso que seja devido a miami ter de abrir o campo e o jones seja melhor nesse aspecto(3pts) . Mas eu também acho que o jones não tem jogado quase nada..
      Mas isto é apenas a minha opinião , com certeza o Márcio terá uma opinião mais bem fundamentada.

      Cumps
      FM

      Eliminar
    2. Acho que isso não se perdia com o Battier porque ele também é um excelente lançador de 3 (provavelmente melhor até que o Jones) e defende muito bem.

      Eliminar
    3. Quem tem jogado na posição do Battier é o Rashard Lewis, e apesar de não ser tão bom defensor, é mais alto e consegue ser mais decisivo no ataque, já que o Battier ofensivamente só se destaca nos corner 3-pts.

      O Bosh não é desprezado, porque ele até é um all-star há muito tempo. Nos playoffs desaparece algumas vezes (como contra os Indiana), mas contra os Spurs tem bons registos, porque os dois big men de SA têm dificuldade em pará-lo no exterior. Penso que esteja com uma percentagem de 67% de FG este ano contra os Spurs.

      Eliminar
    4. Como o Fábio diz e com toda a razão o battier costuma jogar a PF , o que neste caso o iria levar a defender jogadores muito mais altos e muito mais dificilmente os conseguiria defender. O lewis embora não tenha fama de grande defensor tem estado até bem nesse aspecto na minha opinião, e para além do mais é um conhecido atirador de 3 ,enquanto o battier é mais dos cantos só!
      O Bosh por vezes parece menosprezado porque tem ao lado dos jogadores de enorme qualidade que costumam ofuscá-lo por assim dizer , mas como os jogadores/treinador diz , ele é o jogador mais importante deles.(Acho que são 9 all stars seguidos que o bosh tem )

      cumps
      FM

      Eliminar
    5. Boas,

      Em relação ao Bosh, sim ele é o patinho feio do Big Three, mas, como alguns de vocês já disseram, é um jogador muito importante no ataque dos Heat. É um jogador que cria desequilíbrios nas defesas adversárias e cria problemas aos defensores interiores com o seu lançamento exterior (como está a fazer com Duncan e Splitter). Para além disso, ele é um dos principais receptores das assistências do LeBron e do Wade. Quando estes entram para o cesto e atraem os defesas, Bosh fica, muitas vezes, com boas situações de lançamento e o aproveitamento que ele faz dessas situações é uma das chaves do ataque da equipa (não só pelos pontos que marca nessas situações, como pelo espaço que cria para as penetrações, ao obrigar a defesa a não o deixar sozinho).

      Eliminar
    6. Em relação ao Battier, acho que já lhe faltam pernas. Ele vai-se retirar depois desta temporada e já não é o jogador que era antes (ou mesmo o jogador que era no ano passado). Às vezes essa deterioração da forma física acontece muito rápido (com vimos, p. ex, no Garnett e no Nash) e acho que o Battier foi simplesmente apanhado pelo Tempo.

      Ele fazia basicamente o mesmo que o Lewis (e estava à sua frente na rotação): jogava a 4 aberto, defendia (melhor que o Lewis) e lançava triplos. Neste momento, o Lewis está a fazer isso melhor e ultrapassou-o na rotação.

      Eliminar
  2. Márcio, as críticas ao Lebron por passar é nos últimos segundos da partida.
    Não a 1:20 pra jogar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo sem querer ser depreciativo contra o teu comentário , o que escreveste é simplesmente ridiculo.. O que são os ultimos segundos de uma partida? 10 segundos? Basicamente a conclusão que se retiraria do teu comentário é que o homem podia fazer 100 pontos num jogo e passava a um companheiro aberto(que lança bem daquela area) nos ultimos 10 segundos e era criticado? Isto por vezes roça o ridiculo estas criticas , mas é só a minha opinião


      FM

      Eliminar
  3. Não acho que Bosh seja desvalorizado, as criticas que lhe são feitas tem fundamento…ele tem altura suficiente para fazer stats aceitaveis para um PF All star coisa que não faz, muitos jogos ele acaba quase sem ressaltos e quem vê os jogos vê que ele nem sequer tenta ganhar ressaltos contra jogadores mais baixos, chega haver jogos que apenas recebe passes e afunda como Anderson pq o seu jogo meia distancia está fraco e não consegue atacar o cesto…ele tem melhorado o jogo exterior e tem muito credito por isso no entanto não deixa de ser beneficiado pela tatica dos suprs de o deixar fazer lançamentos exteriores (ou pelo menos não é a prioridade defensiva dos spurs)…Por exemplo o Lançamento de três que Bosh fez foi completamente sozinho pq Lebron conseguiu desenhar essa jogada e puxar os jogadores para uma certa zona da mesma forma que quase todos os lançamentos de Bosh são assim e dai ter uma boa eficacia exterior…se fizesse triplos como os do Lebron fez no jogo ai sim diria que teve algum impacto pois desencantou um triplo do meio do nada…da mesma forma que muitas vezes dizem ai e tal jogador X salvou a equipa com um triplo quando esse jogador esta na equipa só para isso e os colegas de equipa fizeram uma jogada que o deixou completamente sozinho para ele poder atirar a vontade tipo, quem tem mais merito? o jogador que lançou completamente sozinho e que tem como principal função fazer esses lançamentos (por vezes a unica) ou o jogador que cria a jogada e puxa as atençoes da equipa adversária?…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que o Bosh desenhou a jogada que matou o jogo. Cesto do Wade para o caso de não te lembrares.

      Eliminar
    2. Tens toda a razão, esteve muito bem e aproveitou uma péssima defesa de Duncan sendo fatal já que os spurs estavam a fazer pressao alta…ele esta a jogar bem, no entanto acho que as criticas que lhe são feitas na globalidade são merecidas, ele é muito inconstante e por vezes acontece o insólito de perder ressaltos ou não conseguir ligeiros afundanços contra gajos que em relação a ele tem "metade" do tamanho isso só demonstra desleixo e pouco empenho na partida…da mesma forma que ele na defesa falha muito, ele pode nem ter fisico e ter só altura mas ao menos esticava os braços e encostava o corpo ao adversário para dificultar a tarefa coisa que em muitos dos jogos não o faz…depois existem jogos que o seu jogo exterior e de meia distancia não está a funcionar em nada e os adeptos da equipa de Miami tem o sentimento de que ele não está a fazer praticamente nada em campo…

      Nestas finais tem jogado a bom nivel, nada de surpreendente para ser considerado "big" ou um All star…

      Eliminar