16.6.14

Teremos sempre estes Spurs



Antes de irmos aos adjectivos, alguns factos sobre aquilo que acabámos de testemunhar:

- Nunca nenhuma equipa tinha ganho os 4 jogos das Finais por 15 ou mais pontos (os Spurs ganharam por 15, 19, 21 e 17)

- Foi a maior diferença de pontos de sempre numas Finais (+70, no total dos cinco jogos; Spurs ganharam os jogos 1, 3, 4 e 5 por uma média de 18 pts e perderam o jogo 2 por apenas 2)


- Os Spurs tiveram a melhor percentagem de lançamento de sempre em Finais (54.8%)

- 66% dos seus lançamentos de campo foram assistidos e todos os jogadores marcaram pontos na série

- Tim Duncan é o 1º jogador na história a conquistar o título em três décadas diferentes (1999, 2003, 2005, 2007 e 2014)

- Kawhi Leonard teve três jogos seguidos com 20 ou mais pontos pela primeira vez na sua carreira (isto é que foi guardar o melhor para o fim e estar à altura da ocasião!)

- É o terceiro MVP mais jovem de sempre (a seguir a Magic Johnson e Tim Duncan) e o quinto jogador na história que é MVP das Finais sem ter sido All Star nesse ano (o primeiro desde Chauncey Billups, em 2004)


Depois destes factos, que adjectivos podemos usar para descrever estes Spurs e o que eles fizeram nestas Finais? Espantoso, único, incrível, extraordinário, inacreditável, inaudito, irrepetível?
Podíamos continuar e enumerar mais uma dezena deles e, mesmo assim, a descrição ficaria sempre aquém daquilo que tivemos o privilégio de assistir. Vamos deixar Gregg Popovich tentar:

("Kawhi thinks he did it all by himself, but...", Pop vai ser sempre o maior!)


Pensem nisto: Pop, mais de duas décadas como treinador, 18 anos ao comando desta equipa, 17 temporadas seguidas a ir aos playoffs, seis Finais e cinco títulos, diz: "nunca estive mais orgulhoso de uma equipa e nunca tive tanta satisfação com uma temporada em todos os anos que sou treinador. Ver a força de espírito que vocês demonstraram depois daquela horrível derrota do ano passado e voltarem a colocar-se em posição de ganhar e fazerem o que fizeram nestas Finais. Devem ser homenageados por isso. Não vos consigo dizer o quanto isso significa. Muito obrigado por tudo."

"Ah, mas isso é ele a falar no calor do momento, se calhar também disse isso em 2005 ou 2007". Não, esta equipa e este desempenho nas Finais são daqueles que serão falados daqui a 10, 20, 30 anos. 

Porque não foi só o que fizeram, mas como o fizeram. Com o jogo mais altruísta e a melhor movimentação de bola que nos lembramos de ver alguma equipa executar. Com um dos MVPs mais improváveis e imprevisíveis de sempre. Com um esforço verdadeiramente colectivo, com contribuições de todos os jogadores e com um ideal de Equipa como nunca vimos na NBA (os Pistons de 2004 são o mais próximo desse ideal que nos lembramos, mas sem um ataque tão bom e sem contribuições de tanta gente). Sem egos, sem nenhum indivíduo acima do colectivo, todos ao serviço de um objetivo comum e todos a fazerem o que fosse preciso para atingir esse objectivo.

Esta é daquelas equipas e daqueles desempenhos que, em 2044, vão dizer aos vossos netos "Devias ter visto os Spurs de 2014! Aquilo era uma equipa! Aquilo era jogar basquetebol como ele deve ser jogado!" E, quando o fizerem, não se preocupem porque não vão ser velhos a dizer que no meu tempo é que era. Não, vão estar apenas a dizer a verdade. Usem os adjectivos que quiserem, mas vão dizer um facto.

Esta equipa, a equipa campeã mais internacional de sempre (com oito jogadores - nove, se contarmos com Duncan - nascidos fora dos Estados Unidos), nunca vai ser esquecida. Não pode ser esquecida.

1 comentário:

  1. 3º mais novo da História aseguir a Magic e Magic. O Duncan só foi MVP com 23 anos e 60 dias e o Leonard foi com 22 e 300 e tal

    ResponderEliminar