6.10.14

Boletim de Avaliação - Cleveland Cavaliers


Continuando a avaliação das equipas da Central Division, depois dos Bulls, vamos até à equipa que teve A offseason do ano:



Boletim de Avaliação - Cleveland Cavaliers

Saídas: Luol Deng, Spencer Hawes, Jarrett Jack, Anthony Bennett, CJ Miles, Tyler Zeller, Alonzo Gee, Sergey Karasev
Entradas: LeBron James, Kevin Love, Shawn Marion, Mike Miller, James Jomes, Brendan Haywood, Alex Kirk, Joe Harris (33ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Kyrie Irving - Dion Waiters - LeBron James - Kevin Love - Anderson Varejão
No Banco: Matthew Dellavedova - James Jones - Mike Miller - Shawn Marion - Tristan Thompson - Brendan Haywood
Treinador: David Blatt

Balanço: LeBron James. Só este nome chegava para terem a melhor offseason de todas as equipas da NBA. Agora acrescentem-lhe Kevin Love. Podíamos não escrever mais nenhuma linha neste boletim de avaliação e já levavam a melhor nota de todas as equipas.

Mas não ficaram por estes dois enormes nomes. Ainda fizeram mais umas quantas mexidas mais pequenas, mas importantes:
contrataram bons jogadores complementares para James e Love (e Irving) e preencheram o banco com veteranos (Miller, Jones e Marion). Miller e Jones, como sabemos, são excelentes atiradores e já jogaram com LeBron em Miami (e já vimos como rodear James de atiradores pode resultar) e Marion ainda é um bom defensor e um jogador capaz de fazer um bocadinho de tudo no ataque (ok, menos lançar triplos). 

Mas, antes de todos esses grandes e menos grandes nomes, tudo começou no draft. Como sabemos, usaram a 1ª escolha em Andrew Wiggins, que foi Cavalier durante cerca de um mês (e nem o colocámos ali na ficha em cima, porque nem sabiámos onde o colocar, nas entradas e saídas ao mesmo tempo?) e foi, depois, a principal moeda de troca por Kevin Love.

O que nos leva à questão que já nos fizeram várias vezes sobre esta offseason dos Cavs: fizeram bem em trocar Wiggins, que pode ser um talento raro (daqueles que aparece um em cada geração) por Love?

Um jogador que pode vir a ser do top 10 da liga por um que já é desse top? E que tem apenas 25 anos? E que complementa na perfeição Lebron (pensem no que fazia Chris Bosh em Miami e nos espaços e oportunidades de lançamento que ele tinha com as penetrações de LeBron e imaginem Love nesse papel; e Love ressalta melhor e lança melhor) e Kyrie Irving (imaginem os pick and rolls com estes dois, Irving a penetrar, Love a desfazer para a linha de três pontos, qual deles cobrir? Uma dor de cabeça para qualquer defesa)?

Sim, fizeram muito bem. Trocaram o que poderá vir a ser pelo que  já é (e um já é que complementa na perfeição as peças que já tinham).

Para terminar a offseason em grande, Keith Bogans também foi Cavalier por uns dias num negócio que parece menor, mas pode ter um impacto grande no futuro da equipa.
Receberam-no dos Celtics (em troca de 4 contratos não garantidos e duas 2ªs rondas) e trocaram-no quase imediatamente para os Sixers em troca de uma 2ª ronda, para ficarem com uma trade exception de 5 milhões. Para além de ficarem abaixo do luxury tax este ano, essa trade exception e os 10 milhões não garantidos do contrato de Brendan Haywood em 2015-16, dão-lhes bastante espaço salarial para reforçar a equipa no próximo ano (ou duas valiosas moedas de troca para usar numa troca ainda este ano).

Para comandar este renovado e bem reforçado plantel foram buscar um treinador rookie, mas que não é rookie. É a primeira época de David Blatt na NBA, mas o israelo-americano já tem 55 anos, mais de 20 de experiência como treinador e é um dos mais bem sucedidos treinadores americanos de sempre fora dos Estados Unidos, com um extenso currículo internacional (5xs campeão israelita, campeão italiano, campeão da Euroleague em 2014, com o Maccabi Tel Aviv; medalha de Ouro no Eurobasket em 2007, com a Rússia; medalha de bronze nos JO de 2012, com a Rússia) 

A única coisa a apontar e que os impede de ter uma offseason perfeita (e uma nota perfeita) é não terem conseguido melhorar a defesa interior e a protecção do cesto e arranjado um poste suplente decente. Porque Varejão já não vai para novo e tem tido alguns problemas físicos nos últimos anos e Brendan Haywood já está mais pra lá do que pra cá na sua carreira.

Um marcador de pontos e alguém para construir e criar lançamentos na segunda unidade também não teria sido mau.

Mas não podemos pedir tudo de uma vez aos dirigentes dos Cavs e isso é trabalho para os próximos passos (a equipa não é ainda - nunca é - um projecto fechado e precisam de a continuar a construir e continuar a reforçar; e ainda têm aquelas duas peças que falámos - a trade exception de Bogans e o contrato de Haywood - para fazer isso). Para já, nesta offseason não podiam ter dado passos melhores.

Uma offseason em que consegues o melhor jogador do mundo, um jogador de top 10 (o melhor power forward?) para seu braço direito, a tua equipa passa instantaneamente de "equipa do fundo da tabela que não vai aos playoffs há 4 anos" para "candidata ao título" e ainda fica bem posicionada para o futuro, só pode ter sido uma offseason do caraças.

Nota: 19


(a seguir: Central Division - Detroit Pistons)

7 comentários:

  1. ainda é possível que o Ray Allen vá parar lá também?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, ainda é possível. Ray Allen continua sem anunciar se vai retirar-se ou se vai jogar mais um ano e, se o fizer, os Cavaliers são um dos destinos possíveis.

      Eliminar
  2. Grande off-season dos cavs!
    Acho que o principal problema será a defesa já que Love e Irving não são dos melhores nesta matéria (Irving é um autêntico "passadir") e James não dará para tudo se o novo treinador conseguir por aquela malta a defender são uma equipa temível, se não conseguir não terão hipóteses contra equipas com 2 bons postes (sa, Chicago, rockets, lac...)
    Outra coisa que me intriga é saber se Irving já é maduro o suficiente para dividir protagonismo e não jogar "como na rua"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A defesa pode ser um problema, de facto (ler a minha resposta ao comentário do Mário, ali em cima).

      Quanto ao Kyrie, acho que ele nem tem outra hipótese, o protagonismo e a equipa deixaram de ser dele; com LeBron e Love, ele passou a ser o 3º na hierarquia e não tem outra hipótese que não seja jogar com e para eles.

      Eliminar
  3. para quando a fantasy league?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim estou ansioso por nova temporada 😁

      Eliminar
    2. Este ano não vai haver Fantasy League, vou deixar de a organizar. Porque não tenho disponibilidade para organizar e gerir isso e para lhe dar a atenção que precisa.
      Peço desculpa, pessoal, mas para não fazer bem ou ficarem ao abandono ou em piloto automático, prefiro não fazer.

      Eliminar