25.10.14

Boletim de Avaliação - Denver Nuggets


20 já estão, já só faltam 10. Vamos avançar para a penúltima das 6 divisões e ver como se portaram as equipas da Northwest Division. Começamos pelo Colorado:



Boletim de Avaliação - Denver Nuggets

Saídas: Aaron Brooks, Evan Fournier, Jan Vesely, Anthony Randolph
Entradas: Arron Afflalo, Jusuf Nurkic (16ª escolha no draft), Gary Harris (19ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Ty Lawson - Arron Afflalo - Danilo Gallinari - Kenneth Faried - JaVale McGee
No Banco: Nate Robinson - Randy Foye - Wilson Chandler - Darrell Arthur - JJ Hickson - Timofey Mosgov
Treinador: Brian Shaw

Balanço: Os Nuggets foram, a par dos Pelicans, a equipa mais azarada de 2013-14. Lesões atrás de lesões (Gallinari e McGee perderam toda a época, Nate Robinson perdeu metade, Wilson Chandler perdeu 20 jogos, Ty Lawson outros 20) descarrilaram completamente a temporada e nunca conseguiram qualquer tipo de continuidade na equipa. Terem, mesmo com todas as ausências, chegado às 36 vitórias na forte conferência Oeste já foi um sucesso.

Por isso, podemos dizer que os maiores reforços da equipa para 2014-15 são Gallinari, McGee e Robinson (e Hickson, que regressa lá para Janeiro, será um reforço de inverno). 

Depois ainda conseguiram mais um óptimo reforço no dia antes do draft: Arron Afflalo. E o que precisaram de dar em troca? Apenas Evan Fournier e a 56ª escolha no draft. Um quase-All Star por um jovem com potencial, mas que será no máximo um bom shooting guard suplente? Quando fizemos a avaliação dos Magic, dissemos que a equipa de Orlando tinha conseguido muito pouco por Afflalo. Pois olhando do outro lado e na perspectiva dos Nuggets, como podem imaginar, é um excelente negócio e um onde conseguiram muito por muito pouco.

No draft, trocaram Anthony Randolph e a 11ª escolha pela 16ª e 19ª escolha (dos Bulls).
Com as quais seleccionaram Jusuf Nurkic e Gary Harris. Um jogador interior com potencial (20 anos, 2,11m e bastante móvel para a altura) e um shooting guard atirador que pode dar um bom role player e (mais) um marcador de pontos a partir do banco.

Na free agency, Jan Vesely voltou para a Europa (para o Fenerbahce) e Aaron Brooks foi para Chicago. Com muito pouco espaço abaixo da luxury tax, seria quase impossível manter os dois e assinar os rookies. De qualquer forma, Brooks era dispensável com o regresso de Nate Robinson e Vesely é um flop histórico.

Para terminar bem a offseason, acordaram ainda uma extensão de contrato com Kenneth Faried (50 milhões por mais 4 anos), segurando o jovem e promissor (e cada vez melhor) power forward para o médio/longo prazo.

Tiveram, em 2013-14, um ataque no meio do pelotão (16º melhor) e este ano ainda o reforçaram.
A defesa foi um problema (apenas 21ª), mas este ano, com Afflalo e também com toda a equipa disponível (e com mais vontade de defender), deve melhorar. No entanto, é uma área onde têm de melhorar muito e onde não mexeram particularmente (ou tanto como precisavam) para tal.

De qualquer forma, montaram uma das equipas mais profundas da liga. No ataque têm armas para atacar de todos os lados: têm gente para penetrar, para atirar de fora e para jogar no interior. Na defesa têm alguns bons defensores (Afflalo, Chandler, Mosgov) e se jogadores como McGee, Faried e Lawson melhorarem desse lado do campo, têm peças para ser também uma boa defesa. Podem não ter nenhuma super-estrela, mas têm (pelo menos) 11 jogadores que podem entrar na rotação e contribuir.

Tal como os Pelicans, mais do que reforços precisavam de sorte e saúde. Se tiverem isso, mais os reforços que ainda conseguiram, podem ser uma das surpresas da temporada.

Nota: 12


(a seguir: Northwest Division - Minnesota Timberwolves)

Sem comentários:

Enviar um comentário