26.10.14

Boletim de Avaliação - Minnesota Timberwolves


É possível perder o melhor jogador da equipa e a offseason não ser negativa? Parece que sim. Depois dos Nuggets, vamos até Minnesota para ver como tal coisa é possível:



Boletim de Avaliação - Minnesota Timberwolves

Saídas: Kevin Love, Dante Cunningham, Luc Mbah a Moute, Alexey Shved
Entradas: Thaddeus Young, Mo Williams, Anthony Bennett, Andrew Wiggins (1ª escolha no draft), Zach LaVine (13ª escolha no draft), Glenn Robinson III (40ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Ricky Rubio - Kevin Martin - Andrew Wiggins - Thaddeus Young - Nikola Pekovic
No Banco: Mo Williams - Jose Barea - Zach LaVine - Shabazz Muhammad - Corey Brewer - Chase Budinger - Anthony Bennett - Ronny Turiaf - Gorgui Dieng
Treinador: saiu Rick Adelman (retirado), entrou Flip Saunders


Balanço: Com a retirada de Rick Adelman (e depois de terem namorado Dave Joerger, mas este ter renovado com os Grizzlies), Flip Saunders desceu do gabinete do presidente para a linha lateral. E vai ter muito que fazer aí este ano. Mas, não nos adiantemos já, foi no gabinete que começou a história desta offseason e foi aí que teve muito que fazer neste Verão.

Tudo começou com o que fazer com Kevin Love. Ou antes, com qual o melhor negócio que conseguia pelo power forward que era free agent em 2015 e já tinha manifestado a intenção de não continuar na equipa quando acabasse o contrato.

Com ofertas dos Cavs, Bulls, Warriors e Celtics em cima da mesa (e estas são apenas algumas das que vieram a público, pois devem ter recebido ofertas de meia NBA), decidiram-se pela dos Cavs. Numa troca que envolveu três equipas, enviaram Kevin Love para os Cavs, Alexey Shved e Luc Mbah a Moute para os Sixers e receberam Andrew Wiggins, Anthony Bennett e Thaddeus Young. E não fizeram um mau negócio.

Conseguem dois titulares e um bom jogador para o banco (sim, Bennett pode não ser a estrela que a selecção no nº 1 do draft prometia, mas vai ser um bom jogador; fez uma temporada de 2013-14 miserável, mas começou esta muito melhor e pode ser um jogador produtivo). Dois jogadores para o futuro (Wiggins e Bennett) e um que pode ser para o futuro (Young tem apenas 26 anos) ou para usar noutro negócio.

Num cenário em que iam inevitavelmente perder Kevin Love, uma possível (provável?) futura estrela para o núcleo da equipa e mais dois elementos para esse núcleo é um bom pacote para receber em troca.

Junte-se outro jovem extremamente atlético e com um tremendo potencial que escolheram no draft (olá, Bounce Brothers?) e ficam com um grupo de jovens bastante intrigante. Os Wolves podem ter aqui qualquer coisa.

Na free agency, contrataram ainda Mo Williams para reforçar o banco e dirigir a segunda unidade (e, pelo caminho, ser um mentor para os jovens).

Não ficaram melhores para a próxima temporada (porque perdem um jogador estabelecido e dos mais produtivos da liga e os que receberam são ainda projectos e apostas para o longo prazo), mas podem ter um tecto mais alto com este grupo do que com o que tinham. Trocaram um presente bom pela possibilidade de um futuro melhor.

Têm mais uma grande questão para resolver na próxima offseason (ou durante esta temporada) e precisam decidir o que querem fazer com Ricky Rubio, mas ficaram bem colocados para construir algo interessante no futuro. É estranho descrever uma offseason em que perderam o melhor jogador da equipa como positiva, mas a verdade é que podiam ter ficado muito pior. E, dentro das circunstâncias, até que correu bem o Verão.

Nota: 13



(a seguir: Northwest Division - Oklahoma City Thunder)


2 comentários:

  1. Marcio vai haver fantasy este ano??

    Jose

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, José,
      infelizmente este ano não vamos ter fantasy league. Não tenho tempo para gerir as ligas e administrar aquilo como deve ser e entre fazer mal ou não fazer, prefiro não fazer.

      Eu sei que era uma coisa que o pessoal gostava e pode ser que no futuro, com mais tempo ou noutro formato, volte a fazer. Eu gostava de voltar a fazer, mas tenho de pensar na melhor/noutra forma. Para já, este ano vou interromper.

      Obrigado pela compreensão.

      Eliminar