22.10.14

Boletim de Avaliação - New Orleans Pelicans


Após o parênteses para comentar o artigo da ESPN sobre Kobe, retomamos a avaliação das equipas da Southwest Division e, depois dos Mavs, dos Rockets e dos Grizzlies, vamos ver que tal correu o Verão para os lados da Big Easy:



Boletim de Avaliação - New Orleans Pelicans

Saídas: Jason Smith, Brian Roberts, Anthony Morrow, Al Farouq Aminu, Greg Stiemsma
Entradas: Omer Asik, Jimmer Fredette, John Salmons, Russ Smith (47ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Jrue Holiday - Eric Gordon - Tyreke Evans - Anthony Davis - Omer Asik
No Banco: Jimmer Fredette - Austin Rivers - John Salmons - Ryan Anderson - Alexis Ajinca
Treinador: Monty Williams

Balanço: A temporada passada não foi nada simpática para os Pelicans. A equipa foi uma enfermaria ambulante e os seus titulares (Holiday, Gordon, Evans, Anderson e Davis) jogaram juntos um total de... 12 jogos. Por isso, mais do que reforços, o que precisavam para 2014-15 era sorte e de uma temporada completa com os melhores jogadores.

Esse núcleo estava definido e fechado para esta temporada, mas uma boa parte da segunda unidade (que, com todas as lesões, foi a primeira unidade durante grande parte do ano) era free agent. Brian Roberts, Anthony Morrow, Jason Smith e Al Farouq Aminu eram todos jogadores livres e os Pelicans não renovaram com nenhum.

Não porque não quisessem, mas porque preferiram usar o espaço salarial para receber o contrato de Omer Asik dos Rockets (que, como vimos no seu Boletim de Avaliação, queriam libertar o espaço salarial para Chris Bosh). Perderam um bom base suplente, um bom atirador, um extremo atlético e bom defensor e um jogador interior útil no ataque (embora fraco na defesa) mas ganham um jogador que pode levar a equipa para um patamar acima.

Bons jogadores complementares e um bom banco é fundamental, mas esses são mais fáceis de arranjar do que um jogador que pode transformar a equipa. Por isso, os Pelicans arriscaram e trocaram por um jogador que pode melhorar muito a sua defesa (e esse foi um dos pontos fracos da equipa no ano passado, foram apenas a 27ª melhor defesa).

Marcar naquela área restritiva, com Davis e Asik a patrulhá-la, não vai ser pêra doce para ninguém.
Para além disso, a chegada de Asik vai permitir a Davis voltar à sua posição natural (e preferida) de power forward. O ano passado, com a saída de Robin Lopez, Davis foi obrigado a jogar a poste (e a defender jogadores mais pesados e mais fortes), este ano vai regressar à posição onde pode (e vai) fazer mais estragos.

Depois tentaram compor o banco com jogadores mais baratos e, na free agency, contrataram John Salmons e Jimmer Fredette e renovaram com Darius Miller. Foi pena a perda de Roberts (que deu boa indicações no ano passado e pode ser um bom base suplente) e Aminu (que é muito melhor defesa e mais versátil que Salmons, para não falar de mais jovem e com mais potencial), mas foi o preço a pagar para conseguir Asik. 

No draft tinham apenas uma escolha na segunda ronda, que usaram no base Russ Smith (que pode ser um plano B a Fredette, se este continuar a desapontar).

Mais uma vez, o que mais precisam é ter toda a gente saudável e ao seu melhor nível. Se isso acontecer, ficaram com um bom cinco inicial e um sexto homem de luxo. O banco não é grande espingarda e dava jeito mais e melhor profundidade, mas foi o que se arranjou com contratos mínimos e jogadores baratos.

No próximo ano têm uma offseason decisiva e muitas decisões para tomar (renovar Asik, que termina contrato este ano? o que fazer com Gordon e com Anderson, que expiram no ano que vem?), mas, para já e para esta temporada, ficaram com melhor equipa. Com toda a gente saudável e com mais sorte com as lesões que no ano passado, podem subir na tabela e lutar pelos playoffs.

Nota: 12


(a seguir: Southwest Division - San Antonio Spurs)

Sem comentários:

Enviar um comentário