1.10.14

Boletim de Avaliação - Philadelphia 76ers


Continuamos pela Atlantic Division abaixo e depois dos Celtics, dos Nets e dos Knicks, e vamos até à terra onde Sam Hinkie continua com licença para demolir:




Boletim de Avaliação - Philadelphia 76ers

Saídas: Thaddeus Young, James Anderson, Byron Mullens
Entradas: Alexey Shved, Luc Mbah a Moute, Hasheem Thabeet, Keith Bogans, Joel Embiid (3ª escolha no draft), Dario Saric (12ª escolha no draft), KJ McDaniels (32ª escolha no draft), Jerami Grant (39ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Michael Carter-Williams - Tony Wroten - Hollis Thompson - Luc Mbah a Moute - Nerlens Noel
No Banco: Pierre Jackson - Alexey Shved - Jason Richardson - KJ McDaniels - Jerami Grant - Arnett Moultrie - Henry Sims - Hasheem Thabeet - Joel Embiid (no banco, mas vestido à civil, porque não deve jogar esta temporada)
Treinador: Brett Brown

Balanço: Podemos fazer copy-paste do que escrevemos no ano passado (só trocando alguns nomes e alguns tempos verbais):

"Das 30 equipas, esta deve ser a nota mais difícil de dar. A avaliação da offseason é muito fácil, a nota a atribuir-lhes pela mesma é que não. Porque depende da perspectiva. 

Os Sixers fizeram tanking à bruta. Sam Hinkie, o novo general manager, decidiu (continuar a) demolir a equipa e começar do zero. Fazer tábua rasa da equipa mediana que tinham e começar a montar uma completamente nova. Hinkie não quer a mediania e aponta para o topo (do draft de 2014 e da liga). Mas, para isso, primeiro tem de ir ao fundo. 

E Hinkie fez (continua a fazer) a demolição mais eficiente que já vimos. Trocou o melhor jogador. (...) Deixou sair os seus free agents todos (...). Preencheu o plantel com jogadores secundários.

Objectivo "ir ao fundo"? Plenamente atingido. Porque este ano vão ser maus. Vão ser muito maus. Como querem (continuam a querer). (É) uma estratégia cujo grau de sucesso só se vai poder avaliar daqui a umas temporadas. Pode ser um plano brilhante e podemos estar aqui daqui a uns anos a dizer que esta foi a offseason em que os Sixers deram o primeiro (segundo) passo rumo a uma equipa de topo.

Mas para já (...) vão ser péssimos. No objectivo de ser o pior possível, conseguiram-no com distinção. 20 valores. Mas vão ser o pior possível. Por isso, para serem competitivos esta temporada, 0." 

E acrescentar: 

No draft deste ano adquiriram mais dois jogadores promissores e mais duas peças para o futuro, mas duas peças que não estão disponíveis para esta temporada (Embiid, à semelhança de Noel na época passada, por uma lesão que o deve deixar de fora toda a época; e Saric porque só deve vir para a NBA daqui a um ano ou dois). 

Destruíram o que ainda restava do plantel anterior (com a saída de Thaddeus Young, saiu o último membro da equipa que chegou à segunda ronda dos playoffs em 2012) e completaram o plantel com jogadores de segunda linha, não-escolhidos no draft e/ou da D-League.

Carter-Williams, Saric, Noel e Embiib podem ser uma boa base e formar um bom núcleo daqui a uns anos, mas para já o plano é continuarem a ser medíocres, ficar pelo fundo da tabela, ganhar escolhas altas e continuar a adicionar peças através do draft.

Nota: 0 ou 20, daqui a uns anos vamos descobrir


(a seguir: Atlantic Division - Toronto Raptors)

6 comentários:

  1. Esta estratégia dos Sixers desvirtua a competição. Já era a altura de a NBA penalizar aqueles que fazem tanking enfraquecendo o plantel. Por exemplo: não premiando sucessivamente o insucesso, não podendo uma equipa ter uma escolha no Draft Top 3 durante dois anos seguidos, ou em três anos só poder ter uma escolha top 3, por exemplo. O bom da NBA é haver um certo equilíbrio, e o tanking desvirtua isso. Os Sixers estão no pleno direito de o fazer, se é permitido, a Liga é que o deve impedir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Duas hipóteses muito simples para desencorajar o tanking e diminuir esta estratégia:

      - chances iguais na lotaria do draft para todas as equipas que ficam fora dos playoffs (ficar em 15ª ou em 9ª da conferência era igual)

      (ou)

      - fazer um torneio com as 14 equipas que não se apuram para os playoffs para lutar pela primeira escolha do draft (uns playoffs para o draft, o vencedor ganhava a 1ª escolha, o finalista vencido, a 2ª e assim sucessivamente; o que ia obrigar as equipas a serem melhores se queriam ganhar uma escolha alta)

      Eliminar
  2. Será que o Shved dos primeiros tempos dos Bucks não pode ser titular a PG passando o MCW para SF? Se o Embid e o Noel ficarem lesionados grande parte da época são equipa para um recorde de 20-62, se estiverem saudáveis ainda vão dar algumas dores de cabeça a Brooklyn, New York ou Atlanta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querias dizer o Shved dos primeiros tempos dos Wolves?
      Eu gostava desse Shved, que fez uma primeira época promissora na NBA. Mas depois a temporada passada foi uma desilusão e agora não sei qual deles vamos ter.

      Mas, com Shved bom ou com Shved mau, com Embiid de fora todo o ano ou não (o Noel já não está lesionado e vai jogar este ano), acho que não dar dores de cabeça a ninguém e vão acabar lá no fundo outra vez...

      Eliminar
  3. O Jason Richardson não vai ser titular?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece, para além de ter estado muito tempo lesionado, os Sixers não contam com ele e devem trocá-lo durante a temporada. Mesmo que não o troquem, vão dar tempo de jogo aos miúdos.

      Eliminar