16.10.14

Boletim de Avaliação - Washington Wizards


Metade já está! Para terminar a avaliação da Southeast Division e da conferência Este, fazemos uma visita à capital dos Estados Unidos e a uma equipa que terminou a temporada passada em alta:



Boletim de Avaliação - Washington Wizards

Saídas: Trevor Ariza, Trevor Booker, Al Harrington, Chris Singleton
Entradas: Paul Pierce, Kris Humphries, DeJuan Blair
Cinco Inicial: John Wall - Bradley Beal - Paul Pierce - Nene - Marcin Gortat
No Banco: Andre Miller - Martell Webster - Otto Porter - Kris Humphries - Drew Gooden - DeJuan Blair - Kevin Seraphin
Treinador: Randy Wittman

Balanço: 2013-14 foi uma temporada muito bem sucedida para os Wizards. Terminaram acima dos 50% na temporada regular (44-38) e foram aos playoffs pela primeira vez desde 2008 e chegaram à segunda ronda pela primeira vez em 9 anos.

E, pela primeira vez desde há muito tempo, acabaram a temporada com optimismo em relação ao futuro. Com um backcourt para muitos e bons anos, com um frontcourt sólido e com uma boa mistura de jovens e veteranos, o futuro parecia risonho para esta equipa.

E que fizeram este Verão para continuar esse caminho? 
Primeiro, renovaram o contrato do comandante das tropas, Randy Wittman, por mais 3 anos.
Depois, tinham dois titulares que eram free agents e a prioridade era renovar com ambos.

Metade desse objectivo foi conseguido logo no início da free agency. Renovaram com Gortat e asseguram-no por vários anos (60 milhões por 5 anos). A outra metade não. 
Não chegaram a acordo com Trevor Ariza sobre os valores do contrato (os Wizards ofereceram-lhe 8 milhões por ano - um pequeno aumento em relação aos 7.7 que recebia -, Ariza pretendia algo entre os 9 e os 11 milhões) e este acabou por aceitar a proposta dos Rockets pelo mesmo valor, 32 milhões por 4 anos (magoado por não lhe darem mais em DC? ou porque no Texas não paga impostos e os 8 milhões valem mais lá?).

Só que, no mesmo dia e apenas 12 horas depois, não encontraram um mau substituto: Paul Pierce por cerca de metade (11 milhões por 2 anos). Pierce não é um jogador para o médio/longo prazo, mas pode dar-lhes uma ou duas boas temporadas. Nesta equipa ele não vai ser a principal arma ofensiva, mas antes um jogador complementar. E como jogador complementar, ficam muito bem servidos (encaixa perfeitamente no papel de atirador que Ariza tinha).

Perdem um pouco na defesa do perímetro, onde Pierce já não é tão rápido e Ariza era um dos melhores defensores da equipa (e um dos defensores mais sub-valorizados da liga), mas o que ganham no ataque e fora do campo pode compensar. No campo, Pierce por Ariza (e por metade do preço) não é um retrocesso e no balneário, a sua experiência e currículo vão ajudar muito e são um excelente acrescento a este grupo.

Pierce é um bom reforço para o imediato e mantém a flexibilidade da equipa para o futuro (e para o cenário de sonho de seduzir Durant, que é natural de Washington, na free agency de 2016. Uma nota sobre isso: este ano contrataram David Adkins para treinador adjunto. Quem é David Adkins? Foi treinador de liceu de... Kevin Durant)

Renovaram também com Gooden (um dos melhores suplentes no ano passado) e Seraphin e reforçaram mais o interior com Kris Humphries e DeJuan Blair.

Perderam Ariza, Harrington e Booker. Adicionaram Pierce, Humphries e Blair. O jogo interior ficou melhor e mais profundo e o exterior não ficou pior. No backcourt mantém-se tudo na mesma, mas aí não precisavam de mexer. Já era um dos melhores backcourts da liga e, com mais uma época de experiência para Wall e Beal, só pode melhorar. E Andre Miller vai continuar a fazer o seu jogo feio mas eficaz e a ser um suplente fundamental.

O futuro parecia risonho no fim da época passada e podem dar mais um passo em frente esta temporada. O futuro parece mais risonho do que alguma vez pareceu em Washington.

Nota: 13


(a seguir: Southwest Division - Dallas Mavericks)

2 comentários:

  1. Márcio podes dar a tua opinião em relação ao Otto Porter, não era falado como um jovem com grande potencial. Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes ler o que o Mário diz ali em cima (obrigado, Mário) e só para completar:

      O Porter era apontado como o melhor small forward do draft do ano passado, mas acabou por ser a maior desilusão do draft (até maior que o Anthony Bennett; esse teve mais atenção mediática porque era o nº1, mas o Porter foi a 3ª escolha e acabou a época com médias de 2.1 pts e 1.5 res e sem sequer entrar na rotação da equipa).

      Desde a Summer League, onde pareceu perdido no ataque em vários jogos, que deu para perceber que ainda tinha muito que melhorar. Depois lesionou-se antes do primeiro jogo da temporada regular e nunca mais apanhou o comboio.

      Este ano, para já, começa a parecer-se mais com o extremo versátil e capaz de marcar, ressaltar e defender que os Wizards esperam e pode ser o smal forward suplente e um bom elemento da rotação.

      Um pormenor, para terminar: este ano começou a usar óculos em jogo; já usava fora de campo, mas diz que a sua miopia piorou e precisa deles para jogar. Pode ser que isso tenha tido alguma influência nas prestações passadas.

      Eliminar