9.11.14

Boletim de Avaliação - Sacramento Kings


E para terminar a Pacific Division (e a avaliação das 30 equipas da NBA), depois dos Warriors, dos Clippers, dos Lakers e dos Suns, vamos até Sacramento, onde, a julgar pelo início de temporada, a offseason deve ter corrido bem:



Boletim de Avaliação - Sacramento Kings

Saídas: Isaiah Thomas, Jason Terry, Quincy Acy, Travis Outlaw, Jared Cunningham, Willie Reed
Entradas: Darren Collison, Ramons Sessions, Ryan Hollins, Omri Casspi, Nik Stauskas (8ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Darren Collison - Ben McLemore - Rudy Gay - Jason Thompson - DeMarcus Cousins
No Banco: Ramon Sessions - Nik Stauskas - Omri Casspi - Derrick Williams - Carl Landry - Reggie Evans
Treinador: Mike Malone

Balanço: Numa coisa a offseason parece ter corrido muito bem aos Kings: na maturação de Cousins. A ida do jovem poste à selecção e a participação no Mundial parecem ter-lhe feito muito bem e ajudado no seu crescimento como jogador e na sua maturidade. E como o sucesso dos Kings está intimamente ligado a isso, a offseason correu particularmente bem nesse aspecto.

Depois, no que às decisões e mudanças no plantel diz respeito:

Teriam de decidir o que fazer com Rudy Gay, se ele optasse por terminar o contrato e tornar-se agente livre. Mas ele ativou o último ano de opção e adiou essa decisão (que pode ser tomada durante esta temporada, se chegarem a acordo numa extensão do contrato, ou adiada para a próxima offseason, quando ele for agente livre).

Uma decisão adiada, mas tinham outra para tomar: o que fazer com o agente livre com restrições Isaiah Thomas.

E, antes de qualquer decisão de/com Thomas, contrataram Darren Collison no início da free agency, o que foi sinal do que veio a seguir. Não igualaram a oferta que Thomas recebeu dos Suns (28 milhões por 4 anos), acordaram um sign and trade pelo jogador e deixaram-no sair.

Como já dissemos no Triplo Duplo desta semana, os números de Collison não são tão vistosos como os de Thomas, mas o ex-Clipper é um encaixe melhor nesta equipa e um jogador que lhes pode render mais (e está a render; contratarem Collison está a revelar-se o melhor que se calhar lhes aconteceu). Trocar Thomas por Collison pode parecer um passo atrás à primeira vista, mas a defesa e a movimentação de bola no ataque ficaram melhor.

Para resolver o problema de jogadores a mais nas posições de extremos (small forwards e power forwards), trocaram Quincy Acy e Travis Outlaw por Jeremy Tyler e Wayne Ellington. Uma troca apenas para libertar espaço (salarial e de plantel) em duas posições onde já tinham várias soluções (Tyler e Ellington foram dispensados).

No draft, e como já tinham profundidade nessas posições de extremos, seleccionaram Nik Stauskas, para reforçar o exterior e o backcourt (mais um atirador). E, para profundidade a base e completar o reforço do backcourt, contrataram também Ramon Sessions na free agency. 

Embora (tal como Darren Collison) a offseason tenha sido pouco vistosa, o balanço é positivo. Reforçaram o exterior e ficaram com um plantel mais equilibrado. Faltou apenas um poste suplente melhor para render Cousins (contrataram Ryan Hollins, mas é pouco) para a offseason ser um sucesso maior.

E continuam com flexibilidade daqui para a frente (para Rudy Gay e/ou para outros jogadores; têm apenas 41 milhões garantidos na próxima época). Ficaram melhores e têm opções em aberto para o futuro. Não foi espectacular, mas foi competente. O que já não eram há muito tempo.

Nota: 11

1 comentário:

  1. Só 11 Márcio? Acho que mereciam um pouquinho mais, por tudo o que disseste. Manter algo com potencial, é positivo. Fazer upgrade nalgumas coisas, é também positivo. Por isso... um 13 já era algo aceitável!

    ResponderEliminar