13.11.14

Tudo o que a NBA não precisa



Um discurso radical, inflamatório, irresponsável, desnecessário, com argumentos falaciosos e, alguns, francamente estúpidos. É a única forma como podemos descrever a entrevista da nova presidente da NBPA (a associação de jogadores da NBA) à ESPN

Sim, a senhora acabou de assumir o cargo e quer marcar posição e mostrar que com ela não fazem farinha. E, sim, está já a preparar o terreno para a próxima negociação laboral. Mas não só este tipo de discurso divisório é tudo o que a NBA não precisa, como está repleto de argumentos falsos. Como este:

"Porque não pomos os donos a jogar metade dos jogos? (referindo-se à divisão 50-50 das receitas vigente neste CBA) Não haveria dinheiro se não fossem os jogadores."

Que (e perdoem-me o termo, mas não existe outro que descreva melhor este argumento) idiotice! Segundo essa lógica, os donos também podem dizer "Porque não pomos os jogadores a gerir as equipas? E a fazer o marketing e a burocracia e os negócios e a logística e toda a estrutura que lhes permite não terem de se preocupar com mais nada para além de jogar basquetebol?"

Isso é como a mão direita dizer à mão esquerda "eu é que seguro a faca e corto o bife, por isso se não fosse eu não comias". Mas se a mão esquerda não segurasse o garfo e prendesse o bife, não haveria bife para cortar. Uma mão precisa da outra. Cada uma sozinha... seria apenas maneta.

Os jogadores jogam, os dirigentes dirigem. Cada um tem um papel diferente, mas igualmente importante. E precisam uns dos outros. As equipas e a liga não existiriam sem os jogadores, tal como os jogadores não existiriam sem as equipas e a liga. 

Desvalorizar completamente o contributo dos outros intervenientes e dizer que os jogadores é que são os únicos responsáveis por todo o dinheiro gerado e sem eles nada disto existiria não é lutar pelos seus direitos. É extremar desnecessariamente a discussão e gerar má vontade e mau ambiente no que se quer que seja uma sociedade.

A NBA não precisa de divisão, mas sim de discursos unificadores. Os jogadores (e os donos e todos os intervenientes no jogo) têm de perceber que estão nisto juntos, que precisam uns dos outros e que o sucesso da liga é resultado do trabalho de todos.

E que nenhum fã quer ver a liga paralisada (de novo) por uma guerra entre donos e jogadores. Esperemos que reine o bom senso para evitar uma. Porque desses fãs é que depende verdadeiramente o sucesso da NBA. Sem eles é que não haveria dinheiro algum.


(porque as - perdoem-me de novo o termo, mas não há outro mais acertado - idiotices que a senhora disse dão para uma discussão extensa, vamos fazer isto em duas partes e no próximo artigo dissecaremos os seus argumentos sobre o salary cap, os contratos máximos e o mínimo de idade para jogar na liga)

2 comentários:

  1. E nós como adeptos também dispensamos o clima de guerrilha e insatisfação que estes comentários são propícios a gerar.

    Depois acontecem "mini" temporadas, como na última negociação do CBA, em que a calendarização dos jogos levou a sobrecargas nos jogadores e às lesões -> perca de receitas! Todos perdem, adeptos, jogadores, donos!

    Mas isto digo eu, que o que quero é ver jogos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. exatamente! ela claramente so esta a pensar no lado dela sem ver o q e melhor para todos. assim ninguem ganha msm, pessoas destas nao deviam tar a dizer estas coisas. espero bem q ate la ela atine do juizo

      Eliminar