24.10.15

Boletim de Avaliação - Boston Celtics


Vamos lá então continuar os Boletins de Avaliação. Já analisámos e avaliámos a offseason das 15 equipas do Oeste, é tempo de ir até ao outro lado dos Estados Unidos, para ver como se prepararam as equipas do Este para esta temporada que está prestes a iniciar-se. Começamos pela Atlantic Division, pelos verdes de Boston:


Boletim de Avaliação - Boston Celtics

Saídas: Brandon Bass, Gerald Wallace, Luigi DaTome, Phil Pressey, Chris Babb
Entradas: David Lee, Amir Johnson, Perry Jones, Terry Rozier (16ª escolha no draft), RJ Hunter (28ª escolha no draft) 
Cinco Inicial: Marcus Smart - Avery Bradley - Jae Crowder - David Lee - Kelly Olynyk
No banco: Isaiah Thomas - Terry Rozier - RJ Hunter - James Young - Evan Turner - Perry Jones - Jonas Jerebko - Amir Johnson - Jared Sullinger - Tyler Zeller
Treinador: Brad Stevens

Balanço: Apesar da surpreendente temporada e ida aos playoffs no ano passado, não nos enganemos: os Celtics são uma equipa em construção e um projecto a médio/longo prazo. O objectivo para já não é lutar por títulos, mas antes construir uma equipa que, eventualmente, possa fazer isso no futuro.

Por isso, continuam em audições e experiências para ver quem poderá fazer dessa equipa. O objectivo maior é conseguir um franchise player, uma estrela que seja o pilar à volta do qual a equipa é montada, mas enquanto isso não acontece, o objectivo a curto prazo continua a ser desenvolver os jovens, acrescentar mais peças e ir fazendo upgrades na equipa.

Apesar das quinhentas escolhas que acumularam nos últimos Verões, não conseguiram montar nenhum pacote para subir no draft ou fazer alguma troca de relevo e contentaram-se com um par de jogadores com potencial para peças complementares: Terry Rozier e RJ Hunter. Nenhum deles será uma estrela, mas são mais dois miúdos para fazer audições e ver se há ali alguma peça para manter no futuro (pode haver).

Quem parece ter passado nas audições foi Jae Crowder, que renovou por 5 anos (e 35 milhões). E Jonas Jerebko viu a sua audição prolongada por mais 2 anos (e 10 milhões).

Acrescentaram ainda mais algumas peças na free agency e/ou por troca:
David Lee, que os ajuda no imediato sem comprometer qualquer flexibilidade futura e que, com o seu contrato a expirar, ainda pode ser uma boa peça para usar em trocas; Amir Johnson, para dar mais profundidade e defesa ao frontcourt; E Perry Jones, que em troca de nada é uma boa aposta;

São, no entanto, peças temporárias, que melhoram a equipa no presente, mas não devem fazer parte do plano maior. Nesse plano, ainda lhes falta a peça central, o jogador que possa fazer a diferença. Mas estão a montar um bom elenco para rodear essa estrela, se a conseguirem. E continuam um projecto em andamento.

Nota: 12


(a seguir: Brooklyn Nets)

2 comentários:

  1. Boas pessoal, alguém quer entrar na fantasy este ano? uma liga pelo menos com pessoal que gosta realmente de nba e da fantasy

    ResponderEliminar
  2. COMO É QUE DÃO 13 AOS WARRIORS?!? 11 AOS BULLS? 14 AOS CAVS?!?

    12 AOS CELTICS (estes mereciam menos)

    9 AOS LAKERS (coitados mas pelo menos um 10)

    ResponderEliminar