3.6.16

O plano C dos Warriors




O resultado do primeiro jogo das Finais foi aquele que muitas pessoas esperavam. A forma como aconteceu foi uma que ninguém esperava.

Como a maioria dos analistas e comentadores (e fãs?) previa, os Golden State Warriors venceram o jogo 1 na Oracle Arena. Mas, como ninguém imaginaria, essa vitória aconteceu numa partida em que Steph Curry e Klay Thompson JUNTOS marcaram apenas 20 pontos (e apenas 4 triplos) e terminaram com 8 em 27 lançamentos (4 em 13 de 3pts).

Mas, se não houve Curry e Thompson ao seu nível, houve um elenco secundário que foi estrela e salvou o dia. Shaun Livingston marcou tantos pontos como os Splash Brothers juntos (recorde pessoal de pontos nos playoffs), seis jogadores não chamados Curry ou Thompson marcaram mais de 10 pontos e os suplentes acabaram o jogo com 45 pontos.

E não foi só nos pontos que foram superiores. Fizeram também 16-6 em ressaltos. 10-1 em assistências. 4-1 em roubos de bola. 59.4%-30% em lançamentos. 50%-20% em 3pts. Já perceberam a ideia. Foram melhores que o banco dos Cavs em tudo. E não se limitaram a ser muito melhores que os seus homólogos de Cleveland. Conseguiram também ganhar vantagem e desequilibrar o jogo contra os titulares dos Cavs.

Depois desta exibição do seu banco, os Warriors só podem estar contentes, porque, primeiro, sobreviveram ao pior jogo da temporada de Curry e Thompson. Ambos tiveram um jogo péssimo na mesma noite e mesmo assim ganharam; depois, porque é muito improvável que tal coisa se repita e, nos próximos jogos, eles só podem jogar melhor; também porque mostraram que não estão dependentes apenas das suas estrelas, podem ter muitos jogadores a contribuir e não basta concentrar a defesa em Steph e Klay; e ainda porque mostraram que têm um plano A, B e C e que podem bater um adversário de muitas formas diferentes.

Já os Cavs devem estar desapontados (e preocupados), porque se querem ganhar quatro jogos a estes Warriors não podem desperdiçar um em que Curry e Thompson estão tão pouco inspirados. Porque não vão ter muitas oportunidades destas.

Mas se a estatística de "pontos do banco" foi surpreendente (ainda mais depois do menor contributo do banco dos Warriors na série contra os Thunder) e decisiva, houve ainda outra, menos surpreendente, mas igualmente decisiva: os pontos na área pintada.

Os Warriors aproveitaram a má protecção do cesto dos Cavs (jogar Love e Frye dá um ataque potente, mas deixa muito a desejar no outro lado do campo e na protecção do cesto, em particular) para marcar 54 pontos dentro do garrafão (a terceira melhor marca da equipa esta temporada).


E fizeram-no de várias formas: lançamentos na passada, penetrações e assistências para os seus jogadores interiores, cortes para o cesto, jogadores a poste baixo e a jogar de costas para o cesto. Exploraram o meio do campo e a má defesa dos Cavs nessa parte do campo de todas as formas e feitios.

Neste primeiro round das Finais, Golden State mostrou que consegue ganhar com outros jogadores para além das suas estrelas. E que consegue ganhar com outras armas para além dos triplos. Strength in numbers? And in different ways.

Sem comentários:

Enviar um comentário