3.8.13

Greg Oden nos Miami Heat


Esta é uma análise fácil. Greg Oden escolheu os Miami Heat para tentar o seu regresso à NBA, numa decisão com tudo a ganhar para as duas partes. O nº 1 do draft de 2007 anunciou ontem que escolheu assinar com os Heat, por considerar que a equipa da Florida era o melhor sítio para tentar o inédito regresso à competição e a equipa onde poderá encaixar melhor. E fez bem.


Para Oden, estar numa equipa onde vai ter um papel muito bem definido (essencialmente, ressaltar e proteger o cesto, com a possibilidade de dar também uma perninha no ataque interior; um papel semelhante ao de Chris Andersen) e onde poderá regressar aos poucos é a escolha mais acertada. 

Nos Heat, como lhe disse Erik Spoelstra, não precisarão tanto dele na temporada regular e é nos playoffs (quando tiverem séries inteiras contra frontcourts mais poderosos como o dos Pacers e Nets) que precisarão da ajuda dele. Por isso, vai ter tempo para se adaptar e regressar lentamente à forma e ao ritmo de competição. Poderá começar a jogar 10-15 minutos por jogo no início da temporada, passar depois para uns 20 minutos e chegar aos playoffs pronto para jogar uns 25 minutos (se tal fôr necessário). E com a necessidade clara que os Heat têm de um jogador para a defesa interior, Oden tem a possibilidade de se concentrar naquilo que é melhor e dar um contributo importante numa equipa que luta pelo título.

E a questão que se falava de escolher uma equipa menos mediática ou com objectivos mais modestos onde existisse menos pressão neste seu regresso, é uma falsa questão. Oden iria ser escrutinado e iria ter todas as atenções em cima de si e da sua tentativa de voltar a jogar, independentemente da equipa que escolhesse. Todos os olhos iam (e vão) estar postos nele de qualquer maneira, por isso, mais valia escolher a melhor equipa possível.

Para os Heat, contratá-lo pelo salário mínimo é uma aposta de baixo ou nenhum risco. Se Oden não regressar à forma ou se os seus joelhos não aguentarem, o dinheiro investido foi mínimo e ficam com a mesma equipa que têm agora (que já é muito boa). Se Oden jogar um terço daquilo que era capaz, será um grande reforço para o ponto menos forte da equipa e um jogador capaz de equilibrar a luta no interior com os referidos frontcourts de Nets, Pacers e afins. Portanto, tudo a ganhar para a equipa de Miami.

O único ponto de interrogação é se os joelhos de Oden vão aguentar e se ele se consegue manter livre de lesões. É verdade que é um grande ponto de interrogação, mas tanto Miami como Oden não têm nada a perder e tudo a ganhar.

5 comentários:

  1. Cenário ideal... Final conferencia este, MIA vs IND, com duelo entre Oden e Hibbert.....era até fazer faísca!!

    ResponderEliminar
  2. Eu gostei muito desta contratação. Já estava a ver que o Pat Riley não se mexia, mas mais uma vez provou ser um dos melhor dirigentes da Liga.

    ResponderEliminar
  3. Pat Riley e a organização dos Heat fizeram uma aposta em que realmente ninguém tem nada a perder. Aliás parece-me que os Heat ainda ficaram com uma "Taxpayer Mid-Level Exception" de cerca de 3 milhões. O que em caso de necessidade será sempre uma garantia. Será possível os campeões ficarem ainda melhores?!

    Claro que a concorrência de equipas como os Thunder, Clippers, Pacers, Rockets, Nets, Spurs, Grizzlies e mesmo dos Bulls e dos Warriors será muito forte.



    ResponderEliminar
  4. Desculpem, mas eu não me esqueço que, este ano, os Heat não foram campeões: os Spurs ofereceram o título.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que fica para a história é que os Heat venceram o campeonato de 2012-2013 e daqui a muito tempo toda a gente se vai lembrar logo é disso e não se foi ganho desta ou daquela forma.
      Sobre o post, nestas condições, não me parece mal a contratação do Oden, já que as probabilidades de ele não acertar são enormes.

      Eliminar