8.6.15

Warriors x Cavs - 2º round



A primeira vitória da história dos Cavaliers em Finais da NBA pode não ter sido bonita, pode não ter sido sexy e gira, mas foi merecida. 

Pode não ter sido um jogo bem jogado, mas estética não é algo com que os Cavs estejam preocupados neste momento. "Somos o esquadrão bravo neste momento. Se esperam que joguemos basquetebol sexy e giro, isso não é para nós agora. É tudo duro, e vai ter de ser no resto da série.", disse LeBron James no fim do jogo.

E duro e arrancado a ferros foi. Se o jogo 1 já não tinha sido brilhante, este foi ainda menos bem jogado. Por ambas as equipas. Mas se, no jogo 1, os Warriors fizeram (apenas) o suficiente para vencer, neste nem isso fizeram. Na verdade, podíamos, apenas com umas pequenas alterações, usar as palavras fictícias que escrevemos para o jogo 1 para descrever este jogo 2: 

"King James dominou, os seus escudeiros ajudaram e os Cavs surpreendem os Warriors no primeiro segundo jogo das Finais.

Uns Warriors alguns muitos furos abaixo do seu normal foram surpreendidos em casa por um enorme jogo de LeBron James e um bom jogo de Irving Dellavedova/Mozgov/Jones/Shumpert."

Só que desta vez essas palavras não ficaram a centímetros de se tornarem realidade. Desta vez, jogar bem durante dois ou três minutos e conseguir pôr de pé três ou quatro boas posses de bola consecutivas no fim do jogo não foi suficiente para os Warriors, e os Cavs tornaram-se apenas na quarta equipa a conseguir vencer um jogo na Oracle Arena esta temporada (apenas a segunda nestes playoffs, depois dos Grizzlies).

LeBron James voltou a fazer de tudo na equipa de Cleveland e terminou com um enorme triplo-duplo (39 pts, 16 res e 11 ast), Matthew Dellavedova secou Stephen Curry, Timofey Mozgov (nos apenas 29 minutos que jogou) dominou no interior e explorou a vantagem de altura contra o small ball dos Warriors (e não sei porque não jogou mais e porque não jogou no 4º período e no prolongamento, porque sempre que foram para ele no ataque conseguiram vantagem), Shumpert ajudou dos dois lados do campo, Jones deu uma importante ajuda no ataque (até atacou em drible!) e nem todos os tiros no pé que JR Smith deu foram suficientes para tirar a vitória aos Cavs (quase que eram!).

Do lado de Golden State, apenas se safou Klay Thompson. Ao intervalo, era este o aspecto do diagrama de lançamentos dos titulares dos Warriors não-chamados-Klay-Thompson:

No fim do jogo o panorama não foi muito melhor. Curry falhou 13 (!) triplos (2 em 15, novo recorde de triplos falhados num jogo das Finais) e raramente atacou o cesto e/ou construiu para os outros; os jogadores interiores foram uma nulidade em quase todo o jogo (Bogut, Green e Ezeli tinham um cesto de campo ENTRE OS TRÊS a 3 minutos do fim do 4º período), Barnes não ajudou grande coisa, Iguodala ajudou menos no ataque que no jogo 1 e o momento alto de Marreese Speights foi este:



Os Cavs também não jogaram bem (desde 84-85 que uma equipa não ganhava um jogo dos playoffs com uma percentagem de lançamento tão baixa!, 32.2%). Longe disso. Mas a equipa do Ohio está severamente limitada e com todas as ausências que sabemos. E o que conseguiram fazer com os jogadores têm à disposição foi admirável. Conseguiram defender os Warriors melhor que ninguém este ano e moveram melhor a bola no ataque.

No início do jogo, LeBron, defendido por Harrison Barnes, atacou muitas vezes em jogadas de isolamento a partir de poste baixo e o ataque dos Cavs estava muito parado. Mas quando entrou Iguodala, LeBron passou a atacar a partir do perímetro e o ataque dos Cavs melhorou muito. Com LeBron a atacar de frente e com penetrações, a defesa dos Warriors já não ficou tão estática e posicional como quando ele atacava a partir de poste baixo e ele conseguiu envolver mais os colegas.

O que originou uma situação curiosa (e perversa para os Warriors): apesar de Iguodala ser melhor defensor que Barnes, ele ter entrado para defender Lebron foi o melhor que aconteceu aos Cavs. Contra Barnes, LeBron procura (e bem, porque tem vantagem) jogar mais a poste baixo (e alto). Só que isso torna o ataque dos Cavs menos móvel. Contra Iggy, LeBron não tem a mesma vantagem no interior e não procura essa posição. E foi quando ele deixou de fazer isso que o ataque dos Cavs ficou mais eficaz.

Os Cavaliers têm menos talento à sua disposição, mas têm feito muito melhor com o que têm do que os Warriors. E mereceram sair da Oracle Arena com uma vitória. Porque ontem os guerreiros foram os Cavs.

8 comentários:

  1. António Seixo08/06/15, 22:52

    Márcio, achas que esta vitória foi mais demérito dos Warriors do que mérito dos Cavs?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi ambas. Há muito mérito dos Cavs, que estão a dar tudo e estão a dar o seu melhor, mas também há demérito dos Warriors, porque se estes estivessem no seu melhor, o melhor dos Cavs não chegava.

      Eliminar
  2. Na minha opinião o facto de o Mozgov ter jogado pouco no final do jogo prende-se com um simples facto: DEFESA. O Mozgov estava a dominar no ataque, mas para defender o small-ball do Warriors no final do jogo o jogador russo não é móvel o suficiente. Enquanto que o TT tem uma velocidade lateral bastante boa para um jogador com a sua altura, o Mozgov não tem. Com o TT em campo os Cavs podem trocar na marcação (como fizeram várias vezes) ou fazer pressão no portador da bola com o TT mais o defensor do portador da bola. O Blatt tomou esta decisão puramente numa óptica defensiva, pois jogando só com o TT o cavs consegue acompanhar e defender melhor o small-ball dos Warrios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, com o Mozgov podia ser mais difícil defender o small ball dos Warriors, mas não compensava o que ganhavam no ataque?
      Para além de que, na primeira parte, ele safou-se bem a defender contra o cinco mais baixo dos Warriors, até mesmo quando teve de ficar com o Iguodala.

      Não é uma situação perfeita (nunca é), mas é sempre uma questão de se aquilo que se ganha de um lado compensa o que se perde do outro. É uma questão de quem cede primeiro, ou quem é obrigado a ceder primeiro.
      Eu tinha experimentado, era ver quem cedia primeiro. E acho que o Kerr ia ser obrigado a fazê-lo (tal como na primeira parte, em que o Mozgov estava a dominar no interior e os Cavs estavam a ir sempre para ele).

      (e com o Mozgov, os Warriors não podiam fazer Hack)

      Eliminar
    2. Fábio Teixeira09/06/15, 14:05

      Para não falar que faltou Mozgov na jogada do Curry que dá o empate.

      Eliminar
    3. Mas na cabeça do Blatt o que pesou mais foi o que se ganhava na defesa do que o k se perdia no ataque com ele fora. Muito embora a defesa dos Cavs não tenha funcionado mt bem nos últimos minutos, em que deixaram escapar a vantagem que os levou ao prolongamento. Eu percebo a tua ideia do braço de ferro entre os treinadores e ver quem cedia primeiro, mas o Blatt optou pela tática mais conservadora, e na opinião optou bem, porque os Cavs estavam em vantagem e o que pretendiam era segurar essa vantagem (coisa que na prática não aconteceu).

      E por acaso, eu não achei que o Mozgov se tenha safado mt bem contra o small-ball, tenho ideia que na maioria das jogadas (uma até terminou com um alley-oop em transição do iguodala) o Mozgov claramente não conseguiu acompanhar a velocidade dos jogadores mais pequenos dos Warriors. E não foi só neste jogo, em muitos outros jogos o Mozgov fica no banco nos últimos minutos, quaddo as equipas adversárias optam por uma táctica com mais atiradores e jogadores mais ágeis.

      Eliminar
  3. Apesar dos números de LeBron, a sua percentagem de lançamento foi apenas mediana.
    E ele anda a lançar metade das bolas que os Cavs têm no ataque, por isso passa muito por aquilo que ele faz ou não o deixam fazer o desfecho da eliminatória.
    Mas já é o segundo jogo que LeBron tem bola para ganhar o jogo (com ele empatado, sem a pressão de ter que marcar para não perder) e não o faz.

    Bogut, Green Ezeli e Curry vão jogar mais nos próximos jogos, é inevitável. Não podes ter o MVP da temporada a falhar 13 triplos. E isso não tem muito a ver com a defesa de Dellavedova, porque muitos desses lançamentos foram incontestados. Foi Curry que os falhou, porque se ele tivesse sido mesmo muito bem defendido, ele simplesmente não tinha lançado tantas vezes. Foi um dia não para ele, mas mesmo assim ainda fez 19 ou 20 pontos salvo erro.
    Acho que os GS continuam favoritos, se jogarem como jogaram durante a temporada toda.
    O próximo jogo vai ser interessante...

    Márcio, porque razão o Barbosa não faz mais minutos? Pareceu-me que esteve bem no pouco tempo que teve em campo...

    ResponderEliminar
  4. Porque é um buraco na defesa. ;)

    Mas concordo contigo, os Warriors continuam a ser os favoritos. Mesmo a jogar tão mal estiveram na discussão do jogo até ao fim. Até agora, fizeram dois jogos longe do seu melhor, e se estiverem nesse seu melhor, os Cavs têm poucas hipóteses.

    ResponderEliminar