5.3.14

A linha da noite


Não, não são os 42 de Durant em 3 períodos, nem o triplo duplo de Westbrook em 20 minutos. Eu sei que os últimos dias têm sido pródigos em grandes exibições individuais. Depois dos 61 pontos de LeBron terem feito as manchetes em todo o mundo, a conversa de hoje são os 42 de Durant, o triplo-duplo de Westbrook e a luta (reacesa? intensa? até ao fim?) pelo MVP.

É de grandes números individuais que se tem falado nos últimos tempos (e fevereiro foi um mês recheado deles; desde 1962 que não tínhamos 5 jogadores com mais de 30 pts/jogo no mesmo mês e tivemos vários jogos de 40 e 50 pontos), mas com toda a atenção virada para essas exibições, tivemos ontem uma exibição colectiva que pode (vai) facilmente passar despercebida.

Como não queremos que isso aconteça, é desse jogo a linha que queremos destacar (e registar para os anais do SeteVinteCinco). Esta linha:

Spurs - 39 assistências em 43 lançamentos de campo; 13 jogadores com pelo menos 1 assistência

A equipa de san Antonio sempre foi um exemplo de jogo colectivo, de boa movimentação de bola e de procura e construção (colectiva, claro) da melhor situação possível de lançamento, mas ontem levaram isso a níveis históricos. Dos 43 lançamentos que marcaram, 39 foram resultado de um passe e apenas 4 foram convertidos após jogada individual. São 90.7% dos pontos marcados após assistência e é a 7º melhor marca da história.

E, num recorde absoluto da NBA, todos os jogadores fizeram assistências. Todos os 13 Spurs que jogaram fizeram pelo menos uma assistência (e oito tiveram pelo menos 3!). Um verdadeiro clinic de jogo colectivo e de bom basquetebol:


5 comentários:

  1. Popovich a presidente! o verdadeiro GOAT

    ResponderEliminar
  2. caro márcio, se me permites um assunto off topic.
    podias-me explicar como uma equipa da NBA só pode ter no máximo 15 jogadores, PARA NO MÍNIMO 82 JOGOS? em portugal as equipas tê 13 numa liga semi- profissional (se bem que o termo certo seria amadora e ridícula) depois outra coisa que eu não entendo são os contratos de 10 dias, um jogador pode numa época jogar em todas as equipas se fizer contratos de 10 dias? as equipas da D-league são tipo equipas b das equipas da nba? um jogador pode na msma época jogar na D-league e na nba?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. precisamente por ser uma liga super profissional bastam 15 jogadores com optimas formas fisicas, sendo que normalmente so jogam 9/10 por jogo

      Eliminar
    2. Apesar da temporada ser desgastante, as equipas querem ganhar e jogam com os melhores, por isso mais de 15 jogadores é desnecessário e impraticável; uma vez que jogam 5 de cada vez e uma rotação típica num jogo é de 9/10 jogadores no máximo (11 ou 12, em casos excepcionais), ter tantos jogadores extra seria impraticável para a gestão do plantel e para as rotações (eram muitos jogadores para poucas vagas e para o tempo de jogo; se já assim há jogadores do fundo do banco que nunca jogam, imagina se fossem mais).

      De qualquer forma, e passando à questão seguinte, as equipas podem recorrer a jogadores temporários se tiverem muitas lesões e ficarem com falta de jogadores (como aconteceu com os Lakers este ano). Mas estes contratos só podem ser feitos a partir de 5 de janeiro, portanto, só nos últimos meses da temporada é que as equipas podem recorrer a estes contratos. E sim, não há limite para os contratos de 10 dias que um jogador pode ter EM EQUIPAS DIFERENTES. Na mesma equipa, só pode ter 2 contratos de 10 dias por época (consecutivos ou não), depois disso a equipa tem de o dispensar ou contratar para o resto da época.

      Quanto às equipas da D-League, sim, são uma espécie de equipa b das equipas da NBA (das 17 equipas da liga, 14 são afiliadas exclusivas duma equipa da NBA; as outras 3 são afiliadas de mais do que uma equipa). A D-League é uma segunda liga da NBA (como o próprio nome indica, uma liga de desenvolvimento de jogadores) e qualquer jogador da D-League pode ser chamado para a NBA durante a temporada.

      As equipas da NBA colocam muitas vezes rookies e jogadores do fundo do banco a rodar na D-League (ou, numa tendência mais recente, para recuperar ritmo depois de lesões) e vão lá muitas vezes também buscar jogadores quando precisam (para contratos de 10 dias ou para a temporada).

      Este ano, por exemplo, começaram na D-League e já foram chamados para a NBA (e ficaram) jogadores como Kendall Marshall, James Johnson e Chris Douglas-Roberts.

      Eliminar
  3. obrigado pelas respostas. assim já começo a perceber melhor como funciona uma equipa da nba

    ResponderEliminar