30.4.11

E como os Grizzlies ganharam a série


Se no post anterior analisámos a forma como a equipa de Memphis deixou escapar aquele jogo 5 que tinha na mão, depois da grande vitória de ontem temos de lhes dar o crédito devido e destacar o que foi mais impressionante nas suas exibições desta série.

E se a vitória dos Grizzlies (apenas a 4ª vez que um 8º elimina o 1º) e a forma como se superiorizaram aos Spurs ao longo de toda a série foi uma grande surpresa, aquilo que mais surpreendeu foi a maturidade e a compostura que eles apresentaram. Se não olhássemos para os BI's (ou para as rugas na cara de muitos Spurs!) e tivéssemos que dizer qual era a equipa mais veterana, não teríamos uma tarefa fácil. Se olharmos apenas para a maneira como as equipas se comportaram em campo, os Grizzlies pareceram uma equipa veteraníssima e rodada nestas andanças.


Logo no primeiro jogo, aguentaram a pressão de uma partida fora e renhida até ao último segundo e conquistaram uma vitória inesperada em San Antonio. Depois duma vitória dos Spurs no segundo jogo (o único, de toda a série, em que jogaram melhor que os Grizzlies), voltaram a Memphis e, num FedEx Forum lotado, dominaram os jogos 3 e 4 e ganharam uma vantagem (3-1) que apenas 8 equipas na história da NBA conseguiram virar.

No jogo 5, mesmo com os Spurs encostados às cordas (e em San Antonio!), voltaram a ser os Grizzlies a jogar melhor e só não fecharam logo ali a série pelas razões já expostas no post anterior. E este foi o único momento de todos os 6 jogos em que os Grizzlies tremeram e revelaram a sua inexperiência. Depois do miraculoso buzzer-beater de Gary Neal e depois de já estarem a pensar que tinham a série ganha, não conseguiram recuperar da desilusão desse final de jogo, desconcentraram-se e no prolongamento foram uma presa fácil.

Este poderia ser um momento de viragem na série. Equipas veteranas aproveitam momentos como esse para se motivar e partir para cima do adversário e equipas inexperientes podem quebrar e ceder à pressão. O jogo 6 era uma prova de fogo para a jovem equipa de Lionel Hollins. E como a passaram com distinção! Estiveram à frente durante quase todo o jogo e mostraram-se calmos, focados e determinados. Equilibrados no ataque, a rodar bem a bola, a não forçar lançamentos, parecia que faziam aquilo há anos. Outra prova de fogo chegou a 4:40 do fim: os Spurs passaram para a frente pela primeira vez desde os 0-2. Era outro momento em que parecia que os rodados Spurs iam assumir o controlo do jogo. Mas os Grizzlies saíram do desconto de tempo com um parcial de 12-2 que lhes deu uma vantagem de 9, a 1:11 do fim. Estava selado o destino do jogo e da eliminatória.

E o jogador que melhor simboliza esta inesperada maturidade e compostura dos Grizzlies é Zach Randolph. Depois duma carreira de grandes números em equipas perdedoras, problemas disciplinares e críticas à sua motivação, dedicação e ética de trabalho (pronto, ele era um nut case!), Z-Bo tornou-se um jogador muito regular e fiável. Abraçou o papel de líder e se haviam dúvidas como ele produziria neste nível onde nunca tinha estado, o roliço power forward respondeu a todas elas. Dominou o garrafão, ninguém nos Spurs o conseguiu parar e assumiu a responsabilidade no final dos jogos. Foi o seu líder, o seu go-to guy, o seu clutch player e o seu MVP (21.5 pts, 9.2 res e 3.3 ast, com 50% nos 2pts e 82.1% nos LL).

A vitória dos Grizzlies já não era esperada por muitos (e fora de Memphis não devia ser esperada por ninguém!), mas a forma segura e controlada com que o fizeram? Foi, sem dúvida, a maior surpresa desta primeira ronda.

9 comentários:

  1. Sinceramente nunca nos meus sonhos mais loucos, pensei que os Grizz passassem.
    Mas tudo pode acontecer, e para grande felicidade minha, conseguiram.
    Vi o jogo todo até as 4:20 da manhã e depois gritei pela janela.
    Os Spurs ontem revelaram fraqueza e velhice perante os fogazes e esfomeados Grizzlies.
    Agora é ganhar a serie contra OKC isso sim é que era!

    ResponderEliminar
  2. Estes Grizzlies surpreenderam-me muito. Já estava à espera que os Spurs cedessem nos playoff, mas perante os Thunder.
    Ainda por cima quando vi os Spurs fazerem o 2-3 da maneira que foi, pensei que ainda vencessem a série, mas os Memphis foram sempre melhores.
    Nota para Randolph, que jogões! Principalmente neste, em que não falhava 1 cesto.
    Espero agora que dêem luta aos Thunder, masque percam, para ver se Thunder acaba com a hegemonia dos Lakers na final de conferência e tenhamos Thunder vs Heat na final.

    ResponderEliminar
  3. concordo contigo quero ver uma final miami vs OKC.

    ResponderEliminar
  4. lakers-celtics na final obvio

    ResponderEliminar
  5. O que salta mais à vista foi a forma como os Grizzlies se conseguiram superiorizar totalmente contra os Spurs, não tendo o seu melhor jogador! Rudy Gay. Acho que muitas pessoas se estão a esquecer que ele não está. Mas acho que isso só dá mais valor ao que os Grizzlies fizeram e mostra que Santo Antonio mesmo a poupar as suas estrelas durante a regular season se tornou demasiado previsível e com poucas pernas para este andamento.

    ResponderEliminar
  6. Infelizmente não pude ver este último jogo, mas por tudo o que li parece que passou mesmo a melhor equipa. Pelo menos nos outros tinha sido!
    Mas os OKC já são demais para eles, e precisamente onde os Memphis podiam tirar vantagem (posições 4 e 5), vão encontrar pela frente dois enormes defensores (Ibaka e Perkins). Ou o Tony Allen e o Battier fazem um bom trabalho defensivo no Durant e no Westbrook, ou esta série é capaz de ser bastante rápida...Mas depois do que já vi desta equipa, já acredito em tudo! Até nos 45milhões do contrato do Conley! :D

    ResponderEliminar
  7. Espetacular a atuação do Zach Randolph nessa partida... o 4o quarto dele foi impecável, excelente!

    ResponderEliminar
  8. pro.benfica01/05/11, 04:02

    Não estava à espera da vitória dos Grizz, mas também não acreditava nas possibilidades dos Spurs fazerem algo de muito positivo. Dos jogos que vi, nunca me convenceram. Duncan já era (a idade não perdoa); Ginobili foi-se desfazendo nesta parte final; Parker nunca mais recuperou de deixar de encestar na Eva Longoria e o banco era muito irregular.

    Relativamente à ronda seguinte, também não estou a gostar do jogo dos Thunder. Aquilo é muito Durant, um base talentoso mas amalucado e que não põe a equipa a jogar (como fazem CP3, Nash, Kidd). É mais ao estilo do base de Chicago. A propósito, que saudades de bases organizadores como John Stockton.

    ResponderEliminar
  9. pro.benfica01/05/11, 20:37

    O meu comentário anterior parecia premonitório.

    Quem pára estes Grizz?

    ResponderEliminar