1.4.11

As maiores desilusões individuais ou "Este gajo não jogou um c@$%&0 este ano!"


No seguimento do post anterior, aqui vão os cinco jogadores que mais desiludiram nesta temporada regular. E como uma lesão é algo fora do controlo dum jogador e um azar que pode acontecer a qualquer um, não contamos com aqueles que tenham desiludido por questões médicas (por isso, jogadores como Greg Oden ou Brandon Roy, por exemplo, não entram nesta lista, já basta todo o azar que eles têm!). Assim, estes são jogadores que estiveram em campo, mas não fizeram aquilo que os fãs e os treinadores esperavam (e, alguns, aquilo para que os seus patrões lhes deram milhões para fazer):

Joe Johnson
Os Hawks renovaram-lhe o contrato e desembolsaram uma fortuna para não o perder na free agency (120 milhões/6 anos). E Jonhson agradeceu com a sua pior época desde que está em Atlanta. Pela primeira vez desde que joga pelos Hawks, está com menos de 20 pontos de média (18.5) e retrocedeu em todas as categorias estatísticas. E, com 29 anos e dúvidas sobre se não atingiu já o pico da sua carreira, pode ser isto que vão ter nos restantes 5 anos desse contrato máximo, caros dirigentes dos Hawks.

Aaron Brooks
De Most Improved Player do ano passado para despachado para Phoenix. Uma lesão manteve-o de fora durante alguns jogos, mas independentemente disso, nunca mostrou progresso em relação ao ano anterior. Foi primeiro relegado para o banco dos Rockets e depois para o banco dos Suns. Quase saiu do radar e aqueles dias em que muitos o apontavam como futuro All Star parecem tão distantes.



John Salmons
Salmons é a personificação da época dos Bucks. Um passo para a frente o ano passado, dois passos (grandes) para trás este ano. Pior nos números e pior nas percentagens. O shooting guard atirador que jogou o ano passado pelos Bucks e com quem estes renovaram este verão deve ter sido raptado e colocaram um sósia que atirou tijolos toda a temporada no seu lugar.


Darren Collison
Uma das apostas de muita gente (incluindo aqui no SeteVinteCinco) para ser uma das revelações da temporada, mas nunca conseguiu realizar esse potencial. Este ano, numa época a titular, com mais minutos e mais responsabilidades na equipa, tem praticamente os mesmos números do ano anterior e com piores percentagens (e os números por cada 36 minutos baixaram). Era um dos candidatos a Most Improved, mas acaba nesta lista menos honrosa.


Mike Miller
Miller era a peça que faltava no puzzle do título dos Heat. E é isso mesmo que tem sido durante toda a temporada: uma peça que falta. Se os Bucks andam à procura do ataque, Miller pode pedir-lhes para ver se por acaso encontram o seu lançamento exterior.







Menções (pouco) Honrosas
(não são desilusões completas porque estes são jogadores que já tinham um asterisco no início da temporada e apenas confirmaram as dúvidas que já tinhamos)

Gilbert Arenas
Agent Zero nunca foi uma alcunha tão apropriada como agora. Porque é aquilo que ele se está a tornar: um zero na sua equipa e um zero na NBA. A aposta arriscada de Otis Smith não está a dar os resultados desejados (o rendimento nos Magic tem sido muito pouco: 7.7 pts, 3.4 ass, 33.5% nos 2pts e 25.9% nos 3pts!, tudo mínimos de carreira) e a única velocidade que ainda lhe resta é aquela com que os fãs de todo o mundo se estão a esquecer dele.
(sim, aqui temos algumas razões médicas. Já não é o jogador explosivo que foi, mas para ser o atirador e o organizador que os Magic esperavam, isso não é desculpa suficiente)

Baron Davis
Começou a temporada gordo e fora de forma e perdeu os primeiros jogos da equipa. Depois, como já nos habituou, fez uma época mediana e abaixo das suas capacidades e acabou despachado para Cleveland. E não, gostar de comer e não gostar de correr não são razões médicas.

Andrea Bargnani
O poste amigo da linha de três pontos provou aquilo que muitos já sabiam: que ele não tem talento suficiente para ser um jogador de topo. Com a saída de Chris Bosh tinha uma oportunidade de mostrar que os Raptors eram a sua equipa e podiam construir à volta dele. Mas nunca ninguém acreditou nisso, pois não?


O balanço da temporada regular continua já a seguir. Nos próximos posts vamos virar as atenções para quem superou as expectativas e esteve acima do esperado. São as maiores surpresas da temporada.

10 comentários:

  1. Muito bom.. embora como fã de miami acho que o Mike Miller ainda tem muito a dar.. acho que se está a guardar para os playoff. ESteve muito tempo lesionado e ainda não está ao nível do big 3... Mas com o Miller a subir de rendimento e o Bibby a acertar triplos acho que miami tá no bom caminho.. espero eu pelo menos. lol

    ResponderEliminar
  2. Nao considero o bargniani uma desilusão. Tem numeros de all-star. O joe jonhson está-se a guardar para os playoffs :D

    ResponderEliminar
  3. o joe jonhson esta uma lastima ele consegue fazer melhor do que isto.

    ResponderEliminar
  4. Eu nao acho que o Gilbert Arenas seja uma desilusao, porque ele estava habituado que nos WW que o jogo "fosse dele" e nos Magic tendo tanta estrela ele nao sobressai tanto. Embora ele nos Washington antes das lesoes e dos problemas com armas fosse um jogador all-star sem duvida nenhuma.
    Quando o Brooks se mudou para os Suns eu pensei que ele fosse um bom complemento ao Nash e o pudesse substituar num futuro proximo, mas nao. Ta um jogador banal sem grande margem de manobra.
    Mas voto no Joe Johnson para a maior desilusao, fez o contrato de uma vida e agora nao joga nada.
    Grande Abraço Marcio e continua o bom trabalho.

    Joao Higino

    ResponderEliminar
  5. não concordo nada com o Andrea Bargnani. Tem uma média fantástica e faz bons jogos. Às vezes, individualista demais, leva a equipa a erros desnecessários. Mas os Raptors não têm mais derrotas graças a ele (e ao Calderón).

    ResponderEliminar
  6. Outros nomes possiveis e, na minha opinião, mais graves que o bargnani: Chris Paul, Devin Harris (chegou a pensar-se que este seria um all-star mas esse tempo já passou), Jeff Green (em Oklahoma perdeu o estato de peça fundamental ao lado de R. WestBrook e Durant e a certo momento já J. Harden ou Ibaka pareciam mais decisivos. Agora, joga 15/20 minutos em Boston- grande desilusão esta), Tyreke Evans (este é um caso diferente devido aos problemas físicos, mas não deixa de ser uma desilusão em Rookie of the year estar na 2ª época e já se pôr em questão a sua carreira ..)

    Para surpresas posso adiantar já algumas minhas : T.Chandler (o homem que faltava em Dallas), D.Rose (ninguém esperava uma época tão boa), L.Aldrige, Ty Lawson, Kevin Love, Demar Derozan, Wes Matthews, McGee, Kyle Lowry, D. Wright o ainda Gortat.

    ResponderEliminar
  7. À lista acrescentava O.J.Mayo, piorou em tudo e perdeu o lugar no 5.
    Bargnani e Arenas por razóes diferentes acho forçado estarem nesta lista

    ResponderEliminar
  8. Acrescentaria o Tyreke Evans a essa lista. Depois do que mostrou no ano passado, todos esperavam que fosse se tornar um monstro esse ano...

    http://pula2.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  9. Bargnani?

    Com aquela equipa super fraca melhor era impossível. Quase com 22 pontos de média..
    A equipa era para ser construída à volta de DeRozen, Bargnani e Weems. Onde está o Sonny Weems!? Esquecido no banco....

    Os jogadores nas posições 3 e 4 são fracos. O Amir é bom, mas não é um starter.

    ResponderEliminar
  10. O.J Mayo sim, concordo, é uma desilusão também.
    O Tyreke entra naquele lote dos jogadores que não contei por razões médicas, porque ele esteve toda a temporada limitado por uma fasciite plantar, uma lesão muito dolorosa e limitadora (é tão grave que, como disse o Diogo M., já se fala do que pode fazer à sua carreira). É azar, não desilusão.

    Em relação ao Bargnani (que parece ser a menos consensual das minhas escolhas), tem bons números apenas na marcação de pontos. É um poste que não defende (um Def Rtg de 115), não ressalta (apenas 5..2/jogo), não desarma lançamentos (apenas 0.7/jogo) e pouco mais contribui para além dos pontos. Muito pouco para um Nº1 do draft.

    ResponderEliminar