25.11.13

Rose fora, Kobe dentro


Que dia! Ainda estamos a digerir as duas notícias bombásticas de hoje. Uma que deixou os fãs dos Bulls (e penso que todos os fãs da NBA) tristes, outra que deixou os fãs dos Lakers confusos.



O que acaba com a época dos Bulls como candidatos ao título. É mais uma temporada perdida para a equipa de Chicago, que agora não tem outro remédio que não começar a pensar no futuro e a traçar o plano para as próximas épocas. 

Luol Deng é free agent no fim da época e os Bulls vão ter de escolher entre renovar com Deng ou com Jimmy Butler (que termina contrato em 2014-15). Sem ultrapassar a luxury tax (algo que os Bulls não querem fazer), não conseguem manter os dois. Os Bulls não querem perder Butler (um jovem promissor e, mesmo depois da extensão de contrato, mais barato que Deng), por isso, para não perderem Deng sem receber nada em troca, podem tentar trocar o extremo ainda esta temporada (um contrato a expirar tem sempre procura).

Outra hipótese é amnistiarem Carlos Boozer para tentar renovar com Deng e Butler. Promovem Taj Gibson a power forward titular e procuram um suplente barato (ou mais barato). Podem também ir mais longe e trocar Boozer e Deng para tentar reunir o máximo de peças e escolhas no draft para uma reconstrução. Uma coisa é certa: este grupo não vai continuar junto e um (ou mais) destes três vai sair da equipa. Os Bulls têm decisões a tomar.

_______


Na outra notícia "wtf?!" do dia, os Lakers anunciaram que renovaram com Kobe por mais duas temporadas:


O que deixou muitos fãs dos Lakers contentes. Até aqui tudo bem. O pior foram os valores: 48 milhões por 2 anos. O que deixou outros tantos fãs dos Lakers a coçar a cabeça. 48 milhões por um jogador de 35 anos (que terá 36 e 37 na duração desse contrato) que vem de uma lesão grave? E porquê agora, quando Kobe ainda não jogou um minuto na temporada e ainda não se sabe como regressará?

É um contrato que garante que Kobe vai teminar a carreira como Laker, é uma prova de confiança da parte dos Lakers e provavelmente um gesto de gratidão e reconhecimento pela carreira de um dos melhores Lakers de sempre, mas um passo que parece muito precipitado.

Primeiro, pela razão que já dissemos. Ninguém pode saber com certeza que Kobe vamos ter quando regressar. Por isso, o melhor era esperar para ver antes de decidir quanto dinheiro queriam (ou deviam) investir nele.
Depois, porque gastar metade do espaço salarial de 2014 em Kobe não é a melhor maneira de montar uma equipa de topo. Assim já não vão ter espaço para dois contratos máximos. Já um vai ser dificil (23 m para Kobe + 12 contratos mínimos = 35; restam 15 milhões, mais coisa menos coisa).

E porque amor com amor se paga. Se esta extensão de contrato foi uma prova de confiança e lealdade da parte dos Lakers, Kobe podia ter retribuido na mesma moeda e aceitado renovar por menos dinheiro para terem uma equipa melhor. Foi o que fizeram Tim Duncan, Dirk Nowitzki, Kevin Garnett e todos os veteranos que perseguem uma última hipótese de lutar por um título. 

Kobe não vai jogar mais dois anos pelo dinheiro. Pois se o que ele quer é ganhar um último anel, tinha feito um muito melhor serviço aos Lakers e a si próprio se aceitasse receber menos para poderem construir uma equipa melhor. Assim, vai provavelmente ser o jogador mais bem pago da liga até ao dia em que se retirar. Mas vai provavelmente ver o sexto anel por um canudo.

4 comentários:

  1. Só consigo compreender parcialmente esta renovação tendo em conta os seguintes pressupostos; primeiro, que os Lakers queriam evitar a todo custo outra novela, depois de Dwight, e não queriam correr nenhum risco de perder a maior figura na free agency. O segundo é que ou realmente deixam o contrato do Kobe rolar e apontam para o Kevin Love em 2015 e Durant em 2016, ou têm alguma carta na manga e tencionam trocar o Pau Gasol e ou ver-se livre do Steve Nash e adicionar alguma peça que consiga dar outra dimensão competitiva aos Lakers.

    Não deixa de ser uma má decisão. Precipitada e exagerada nos valores.

    ResponderEliminar
  2. Em relação ao Rose...é uma pena, mas parece estar a percorrer o mesmo caminho que o Greg Odem e Brian Roy. Mais um grande talento que nunca vai amadurecer na plenitude devido às lesões, pena.

    ResponderEliminar
  3. Mais uma demonstração da capacidade gestora dos Lakers e do amor do Kobe...a si mesmo lol

    ResponderEliminar
  4. O Jordan nunca na vida teria aceitado ganhar menos para poder ter melhores jogadores com ele. OTim Duncan, Dirk Nowitzki e Kevin Garnett não estavam propriamente ao nível dos seus melhores anos quando aceitaram fazer isso. O Kobe teve o ano passado, aos 35 anos, uma média de minutos quase a roçar os 40 e números similares aos dos seus melhores anos. Digo mais, o Jordan, como o Kobe, nunca teria aceitado ganhar menos como fez o Lebron para ir para uma equipa com mais super estrelas. É a mentalidade alpha dog que o Lebron não tem (não deixa de ser um enorme jogador por isso, é uma mera constatação de um facto e não o tem impedido de ganhar titulos). E sim, o Jordan tinha o Pippen e o Kobe tinha o Shaq mas não tiveram que baixar o seu salário por isso. E quando teve que escolher entre o Shaq e o Kobe, o Jerry Buss escolheu o Kobe e teve o retorno disso. 3 idas às finais, 2 campeonatos e algumas das temporadas individuais mais espectaculares que já vi. O que falta a este artigo é perceber que o Kobe, tal como o Jordan, não quer ganhar a qq custo só para dizer que etm mais ou menos campeonatos, quer ganhar à maneira dele sendo a estrela da equipa. Se não der, olha, regrets, he had a few but he did it his way :D E acrescento que os dois campeonatos ganhos pelo Kobe sem o Shaq foi rodeado de uma das mais fracas equipas campeãs que já vi na nba e um deles contra uma equipa claramente superior, os Celtics que eram muito mais completos. E pronto, era só isso :D Notou-se que gosto do Kobe, não? eh eh

    ResponderEliminar