10.1.11

Carmelo nos Nets - mal jogado

É a notícia do dia. Segundo David Aldridge, comentador da NBA.com e da TNT, os Nets e os Nuggets estão muito perto de fechar o negócio da troca de Carmelo Anthony. David Aldridge costuma saber do que fala e os seus contactos na NBA são fiáveis. Por isso, quando DA anuncia uma troca, nunca é apenas um boato. Claro que não significa que o negócio vai avançar de certeza (até ser oficial tudo pode sempre mudar), mas está numa fase muito avançada.

A realizar-se, será uma troca quase inédita, pois não há memória duma estrela forçar a troca duma equipa de topo para uma equipa que é das mais fracas da liga. Mas Anthony quer jogar na sua cidade natal, Nova Iorque, e, embora a sua preferência fossem os Knicks, estes não têm as peças suficientes para oferecer aos Nuggets e Melo pode ter de contentar-se com os Nets. O cenário ideal para Melo era tornar-se free agent no final desta época e assinar com os Knicks, que têm espaço salarial para ele. Mas em Denver não vão deixar que aconteça o que aconteceu aos Cavs. Se ele assinasse na offseason com outra equipa ficavam sem o seu melhor jogador e não recebiam nada em troca. O próprio Carmelo já afirmou que não quer fazer isso àquela que é a única equipa pela qual jogou na sua carreira. Quer sair, mas quer que os Nuggets recebam algo em troca. Como ele disse recentemente, "não sou o Chris Bosh" (sim, podia ter dito também Lebron James, mas hostilizar Bosh não é o mesmo que hostilizar Lebron). Por isso, vai ser trocado esta época. Isso é garantido. E a equipa que oferece o melhor pacote (daquelas para onde Carmelo aceita ser trocado) são os Nets.

O cenário que está em cima da mesa envolve também os Pistons, numa mega-troca entre as três equipas. Seria assim: New Jersey recebe Anthony, Chauncey Billups, Anthony Carter, Shelden Williams e Richard Hamilton. Os Nuggets recebem Devin Harris, Derrick Favors (a primeira escolha no draft dos Nets esta época), Anthony Morrow, Stephen Graham, Quinton Ross, Ben Uzoh e mais duas escolhas no draft. Os Pistons recebem Troy Murphy (e o seu contrato de 12 milhões que expira esta época) e Johan Petro.

Para os Pistons, os ganhos são fáceis de perceber: livram-se do contrato de Hamilton (mais dois anos e 25 milhões, depois desta época), resolvem o problema que têm na posição de shooting guard (Ben Gordon pode finalmente assumir a posição e não dividir minutos com Hamilton). E com o contrato de Troy Murphy a terminar no fim da época, são mais 12 milhões que ficam livres para finalmente reconstruirem a equipa. É um passo em frente que já deviam ter dado.

Para os Nuggets também é fácil de perceber: conformados com a saída de Carmelo, procuram receber o máximo que conseguirem em troca. E Devin Harris, Derrick Favors, Anthony Morrow, Stephen Graham, Quinton Ross, Ben Uzoh e mais duas escolhas no draft é um belo pacote. Jogadores jovens e com potencial, para construir uma nova equipa (Harris, Favors, Morrow), jogadores que lhes dão flexibilidade para fazer mais trocas ou libertar espaço salarial e escolhas no draft. Um pacote ideal para quem vai entrar em modo de reconstrução.

Já para os Nets, o negócio é, na nossa opinião, mais difícil de perceber: embora seja claro que a possibilidade de contratar uma estrela como Carmelo é irresistível, tudo o que estão a fazer e a dar em troca para o conseguirem pode ser demais.
Vão desfazer-se dum base jovem e talentoso que pode ser o dono da posição por muitos e bons anos (Devin Harris), mais um potencial power forward de topo (Derrick Favors), mais um shooting guard ainda jovem e que é um dos melhores atiradores da NBA (o nosso predilecto aqui no SeteVinteCinco Anthony Morrow), mais o contrato de Troy Murphy (suficiente para contratar um free agent de topo), mais quatro jogadores e duas escolhas em drafts futuros.
É um backcourt inteiro, mais um jogador promissor do frontcourt e quase toda a flexibilidade de que dispõem nos próximos anos.

Pelo quê? Um backcourt veterano (Billups e Hamilton) que está na fase descendente da carreira e podem ter, no máximo, mais uma ou duas boas épocas ainda neles. Para além disso, Billups já disse que, a acontecer a troca, não gostava de ficar nos Nets no próximo ano. O cenário mais provável é fazerem um buy-out do seu contrato depois desta época e ficarem com esse espaço salarial, o que os poria outra vez no mercado para procurar um base.

E depois temos Anthony. Uma estrela, sem dúvida, mas uma estrela sobrevalorizada. O seu maior talento é marcar pontos e pouco contribui nas outras áreas do jogo. Ganha muitos poucos ressaltos para um jogador da sua altura, não distribui a bola o suficiente para um jogador que sofre tantos dois contra um e não é um grande defensor.

O seu cinco inicial para o resto da temporada seria Billups, Hamilton, Anthony, Kris Humphries e Brook Lopez. Um belo cinco titular e que os colocaria, sem dúvida, entre as melhores equipas da conferência. Com um recorde de 10-27 e com o oitavo lugar no Este a cinco jogos de distância (os Sixers, com 15-22) poderiam entrar na corrida pelos playoffs já esta época. Mas depois temos o problema do banco. Para receber estes jogadores, sacrificam mais de metade da equipa e ficam com um banco fragilizado e pouco profundo.
Com estes jogadores têm de ganhar agora. E podem até ganhar, numa primeira ronda, a equipas como Atlanta, New York, Indiana ou até mesmo Chicago, mas não têm poder de fogo suficiente para Boston, Miami ou Orlando.

Por isso, arriscam-se a não ganhar agora, porque não têm equipa suficiente, nem ganhar depois, porque hipotecaram o futuro. O que os Nets trocam é um projecto de construção para o futuro por um projecto que procura resultados imediatos, mas dificilmente os alcançará. Se estivéssemos no lugar de Billy King? Ficávamos quietos e continuávamos a construir a equipa como até aqui. Carmelo vale muito, mas não tanto.

3 comentários:

  1. Lakers Fã11/01/11, 23:22

    Bom, nao sabia desta trade mas se se confirmar não é assim tao má como tu dizes para o lado dos Nets. Eles nao tinham uma verdadeira estrela, e agora vão te-la, depois porque deixa me que discorde contigo, Billups é um fenomenal jogador ainda, e o hamilton e o lopez sao bons jogadores. Agora o banco de facto é que é o pior, mas tambem nao sera nada de outro mundo. Enfim, nao gosto dos Nets, mas penso que nao foi uma má trade, mas enfim, é so uma opiniao.

    abraço e continuação de bom trabalho

    ResponderEliminar
  2. O que? o carmelo nao e um bom rebounder? tem quase nove por jogo, e o lebron que e do mesmo tamanho dele tem so 6 ou 7

    ResponderEliminar
  3. Lakers fã, do ponto de vista financeiro vai ser sem dúvida um sucesso. Como dizes eles não têm nenhuma super-estrela na equipa e vão ter o pavilhão cheio, vão vender muitas camisolas e muito merchandising. Do ponto de vista desportivo, vão melhorar, obviamente, vão estar entre as melhores equipas do Este, mas tenho dúvidas que seja suficiente para chegar ao título. Carmelo tinha melhor equipa em Denver e nunca chegaram longe.

    Kobe, Carmelo não é tão bom ressaltador como esses números indicam. Esta época está com 8.3, mas esse número é uma excepção na sua carreira e o máximo que ele já teve. A sua média de carreira é de 6.3 e esses ressaltos têm também de ser contextualizados: Carmelo joga numa equipa com um ritmo de jogo mais elevado. Fazem mais lançamentos, logo há mais ressaltos para disputar.
    Mas, justiça seja feita a Carmelo, está a ressaltar melhor esta época (embora as lesões aos jogadores do frontcourt a isso tenham obrigado também). Vamos ver se é para manter.

    E obrigado pelas vossas contribuições. O basquetebol é um desporto de equipa e as vossas opinioões são sempre bem vindas.

    ResponderEliminar