24.11.11

As últimas do lockout


Enquanto isto, o que se tem passado no lockout? Não muito, mas volta a haver luz ao fundo do túnel. Depois de uma semana em que os jogadores avançaram com os seus processos judiciais, o site da NBA avança com a notícia que as negociações foram retomadas e as partes tentam um acordo que permita o início da temporada no Natal.

Esta semana os jogadores deram início ao processo judicial com a entrada duma queixa num tribunal de Minnesota e outra num tribunal da California. Mais tarde, a queixa na California foi retirada e optaram por concentrar as duas em Minnesota. Segundo Billy Hunter (que agora já não fala como presidente da NBPA, mas como membro da equipa de advogados que representa os jogadores), esta escolha do tribunal em Minnesota deve-se a: primeiro, os processos são mais rápidos aí e, segundo (e potencialmente mais importante), os tribunais em Minnesota têm o hábito de usar os juizes como mediadores.

Foi o que sucedeu no lockout da NFL, onde um juiz de Minnesota funcionou como mediador e, antes de avançar com o processo em tribunal, promoveu uma reunião de negociação entre as partes (que terminou com um acordo). É o que Hunter espera que aconteça também no caso da NBA.

E é o que, segundo duas fontes anónimas citadas na notícia do NBA.com, pode já estar a acontecer. As fontes não foram reveladas porque o encontro era suposto ser confidencial, mas, segundo elas, as conversas começaram esta terça feira e continuam.

Se conseguirem chegar a um acordo rapidamente (isto é, até ao fim desta semana ou início da próxima), uma temporada com 66 jogos poderia arrancar no Natal. Era uma boa (e merecida) prenda para todos os fãs. Não vamos já elevar muito as expectativas, porque o fim deste lockout já foi anunciado várias vezes e em todas elas acabou por ser muito fumo e nenhum fogo, mas volta a haver luz ao fundo do túnel. Ou, porque se aproxima o Natal, há uma Estrela de Belém ao fundo do túnel. Esperemos que os jogadores e os donos a sigam e assistamos ao nascimento do acordo.

Esperemos que o Natal nos traga a prenda mais desejada

1 comentário:

  1. João Paiva25/11/11, 17:13

    Sou um enorme fã da nba e dos "herois" que lá jogam. mas também admito ser, como 99,9% dos amantes da nba e praticantes da modalidade, um fanático por artigos relativos a equipas, sapatilhas nike e adidas, equipamentos do kobe ou lebron.
    o ponto onde quero chegar é que, vendo este lockout da perspetiva mais negativa e incrível, ponho-me muitas vezes a questão de se este lockout não seja uma estratégia de marketing qualquer inventada pelas grandes potencias do meio.
    Porque se repararmos, a nike e adidas não reduzem as suas vendas com o lockout. ainda agora sairam umas novas sapatilhas do lebron, que estão a fazer um sucesso tremendo. até pelo contrário, sem época na nba, os fãs começam a sentir necessidade do espírito da liga norte americana (sim, porque o espírito é o que nos deixa mais saudades) e vão às lojas,nomeadamente nikes e adidas e sportzones e assim, tentar encontrar algo que lhes satisfaça a necessidade do espetaculo, seja uma camisola, umas sapatilhas ou uma bola oficial.
    olhando por outra perspetiva, os jogos das estrelas da nba apenas mudaram de sítio. o rucker park fica sempre a abarrotar quando lá vão jogar os kevin durants e os lebron james e os kobes bryant... imaginem que no rucker park pagam bilhete para assistirem ao jogo ou têm algum outro meio de obter dineiro... afinal o dinheiro apenas mudou de mãos não é verdade? ou talvez não, podem existir acordos entre owners e mentores desses estabelecimentos.
    ainda outro ponto de vista é o caso dos jogadores virem para a Europa. no futebol, por exemplo, quando uma equipa empresta um jogador a outra, recebe uma quantia muito elevada só pelo emprestimo, mais aquilo que recebe por mês... não poderão os owners estar a fazer exactamente isso com os clubes do resto do Mundo?
    é obvio que esta é a face mais feia que podemos imaginar da moeda, mas neste mundo de consumistas e desrespeito tudo é possivel.

    deixo assim a minha opiniao e congratulo o marcio por este excelente excelente trabalho

    ResponderEliminar