3.11.11

Próxima paragem: Hall of Fame


Sem jogos da NBA para ver durante a viagem, salvou-se uma visita ao Hall of Fame. Assim, depois da visita a Boston, fizemos uma paragem em Springfield, no Naismith Memorial Basketball Hall of Fame.

Um local dedicado exclusivamente ao nosso desporto que recomendo vivamente a todos. A vossa vida de fãs de basquetebol não estará completa sem uma visita ao Hall of Fame. O templo do basquetebol fica localizado no berço do jogo, na cidade onde James Naismith o inventou há 120 anos. Fica a cerca de 100 km de Boston e 200 de Nova Iorque, por isso, se alguma vez forem a uma destas cidades, reservem um dia para dar um salto até lá.

E, mesmo que não tenham vontade, passem pela casa de banho antes de entrar, nem que seja só para secar as mãos num destes:


Agora que estão aliviados e com as mãos lavadinhas, estão prontos para explorar os três pisos do museu. Este está montado como se fosse um pavilhão, com todos os pisos dispostos à volta dum campo de basquetebol em tamanho real:


A visita começa pelo 3º piso, onde, numa varanda em redor do marcador suspenso no tecto, temos a história cronológica do jogo e das regras e a galeria de todos os membros do Hall of Fame:



E Portugal, um dos membros fundadores da FIBA, lá está na cronologia (infelizmente, é essa a única vez que aparece o nosso nome em todo o museu):

Os oito países que fundaram a FIBA em 1932
Descemos no elevador para o 2º piso, a área das exposições permanentes, divididas pelas áreas do Jogo, dos Jogadores, dos Treinadores e dos Media. É aqui que encontramos toda a memorabilia possível sobre basquetebol. Equipamentos, ténis, bolas, anéis, cestos, tudo o que possam imaginar, numa viagem por tantas e tantas memórias:

O equipamento dos Original Celtics, que eram de... Nova Iorque!
E os Celtics como os conhecemos
Um equipamento do tempo em que as senhoras não podiam mostrar pele

 
A bola que começou a lenda de Michael Jordan

E esta não precisa de legenda
O anel que Lebron ainda não tem




E umas palavras sábias de Bobby Knight
Temos ainda uma área de exposições temporárias (nesta ocasião tinhamos uma exposição sobre a carreira do Michael Jordan e outra sobre as selecções americanas) e uma área de jogos e diversões:

Eu a dar uma coça ao meu amigo Rick
E quando planearem a vossa visita vão equipados e preparados para mandar umas bolas, porque no fim descemos até ao campo, onde, sim, podemos jogar e experimentar todos os cestos que lá estão:

Não admira que os jogos no século XIX tivessem poucos pontos,
porque não era nada fácil marcar naqueles cestos de fruta

São (foram) horas passadas a respirar basquetebol. Sabem o que deviam fazer? Levar lá todos os jogadores, todos os donos e todos os dirigentes da NBA, fechá-los lá e só os deixar sair quando percebessem que o jogo é mais importante que eles e que o dinheiro. O local onde está a alma do basquetebol é o sítio perfeito para isso. 

4 comentários:

  1. Adorei o post. Excelente mesmo!
    Muito bem relatado, faz "água na boca"
    Cumprimentos e resto de boa viagem

    ResponderEliminar
  2. Grande post! Sempre rico este blog. cumprimentos

    ResponderEliminar
  3. Grande Post!!! Nunca me tinha lembrado de visitar o Hall of Fame, mas agora está na lista de locais a visitar. O ultimo parágrafo diz tudo, sobre o sentimento actual dos fãs da NBA!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pela partilha!

    ResponderEliminar