6.9.12

Boletim de Avaliação - New York Knicks


Continuando pela Big Apple, depois da análise aos seus mais recentes inquilinos, hoje debruçamo-nos sobre a offseason dos seus vizinhos:


New York Knicks

Saídas: Jeremy Lin, Landry Fields, Toney Douglas, Mike Bibby, Josh Harrelson, Jared Jeffries e Jerome Jordan
Entradas: Jason Kidd, Marcus Camby, Kurt Thomas, Ronnie Brewer, Raymond Felton, Pablo Prigioni, James White, Chris Smith e Chris Copeland 
Cinco Inicial: Raymond Felton - Ronnie Brewer - Carmelo Anthony - Amare Stoudemire - Tyson Chandler
Banco: Jason Kidd - Pablo Prigioni - Iman Shumpert - JR Smith - Steve Novak - Kurt Thomas - Marcus Camby
Treinador: Mike Woodson

Balanço: Os Knicks, que nunca foram tímidos na hora de gastar dinheiro, começaram esta offseason a perder o seu jogador mais popular da temporada passada. Num raro momento de gestão poupada, não igualaram a oferta dos Rockets a Jeremy Lin e viram a Linsanidade mudar de cidade. Foi uma decisão muito discutível, tanto do ponto de vista financeiro como desportivo, e podem não ter escolhido a melhor altura para serem forretas. 

Se desportivamente podemos argumentar que Lin (ainda?) não vale o dinheiro que a equipa de Houston lhe ofereceu, financeiramente valia cada dólar desse contrato. Já se sabe o potencial comercial do jogador de ascendência chinesa e os milhões que vale em merchandising, venda de bilhetes e publicidade.

Mas, por outro lado, olhando para o plano B que os Knicks activaram e para os reforços que foram buscar, os Knicks estão a meter as fichas todas no presente e Lin, apesar de tudo, é ainda um jogador em desenvolvimento e que pode não atingir o seu máximo potencial tão cedo. Se o plano é ganhar já e não pensar agora no futuro, então se calhar fizeram o melhor (embora um dos argumentos para não igualar a proposta por Lin tenha sido a flexibilidade salarial futura, por isso a decisão continua a ser duvidosa).

Já quanto à saída da outra metade do backcourt titular, Landry Fields, aí é óbvio que fizeram bem. Fields não vale o dinheiro que os Raptors lhe ofereceram, já tinham uma alternativa no plantel (Shumpert) e ainda foram buscar outra alternativa tão boa ou melhor e mais barata (Brewer).

A equipa de Nova Iorque decidiu, então, rodear o seu núcleo com veteranos que lhes ofereçam garantias no imediato. Bem, mais ou menos. Jason Kidd, Marcus Camby e Kurt Thomas oferecem. Raymond Felton, nem por isso. Felton é um tiro (quase) no escuro. Se tiverem o Felton que jogou nos Knicks em 2010 podem ter um bom base. Não óptimo, não de elite, mas um base capaz de contribuir. Se tiverem o Felton que jogou nos Blazers no ano passado, então será uma péssima contratação.

E outra questão coloca-se: estes veteraníssimos (Kidd e Thomas fazem 40 anos esta temporada e Camby tem 38!) oferecem garantias apenas este ano. São reforços para uma temporada (duas, no máximo). Por isso, os Knicks colocam-se numa posição em que têm de ganhar este ano (ou no próximo, no máximo) ou vão ter de pensar em novo plano e novas contratações. É um plano a muito curto prazo apenas. Mas é um plano. O que é melhor do que têm tido em muito tempo.

Renovaram também com JR Smith que, por muito cabeça no ar que seja e por muito que não contribua para os problemas de falta de jogo colectivo desta equipa, é uma muito necessária arma ofensiva para a segunda unidade. É a maior arma ofensiva que têm a sair do banco e numa segunda unidade com Kidd, Novak, Thomas e Camby, precisavam disso desesperadamente.

Juntam mais um excelente defensor interior (e com Chandler e Camby ficam com o melhor duo de postes defensivos da liga), outro excelente defensor exterior (Brewer) e reforçam bastante uma defesa que já foi das que mais melhorou no ano passado.

O problema dos Knicks continua a ser a articulação (ou falta dela) das suas peças e conseguir encaixá-las da melhor forma (que é como quem diz, meter Stoudemire e Carmelo a jogar em equipa e conseguir conjugá-los). Mas esse é um problema para o treinador resolver. O general manager fez a sua parte e reforçou o plantel. E ter Jason Kidd na equipa também não é um mau princípio para conseguir isso.

O saldo final é, por isso, positivo. Podia ter sido melhor, mas uma offseason em que se contrata Jason Kidd, Marcus Camby, Kurt Thomas e Ronnie Brewer não pode ter sido má.

Nota: 13 (dava-lhes um 14, mas perdem um valor pela duvidosa decisão do Lin)



(a seguir: Atlantic Division - Philadelphia 76ers)

14 comentários:

  1. Boas Márcio na tua análise não falas do Pablo Prigioni (ele que também já é um veterano com os seus 35 anos), achas que não entrará na rotação com o Kidd e o Felton ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poderá entrar e fazer alguns (poucos) minutos, mas, apesar dos seus 35 anos, é a sua época de estreia na NBA e não será um jogador que fará uma grande diferença no plantel dos Knicks.

      Eliminar
  2. Papa Valdemares06/09/12, 00:47

    1) Os velhos estão mais velhos (La Palisse dixit).
    2) Eu atrever-me-ia a dizer que, enquanto Carmelo disparatar em Nova Iorque, os Bockers não vão a lado nenhum.
    3)Lin enquadrava-se bem no espírito da equipa - a maluqueira -, mas Kidd, embora mais velho (talvez rejuvenescido pela nova companheira), poderá trazer um ataque planeado como há muito não se vê por aqueles lados (mas depois, lá está!, há Carmelo).
    4) Defensivamente, quem é que vai travar (na medida do possível) as estrelas da NBA: KD, LBJ, KB, etc.?
    5) Em suma, não espero nada dos Knicks melhor do que nos anos posteriores a Pat Ewing.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1 - Os velhos potenciam os novos, trazem estabilidade ao balneário e não vão jogar 48 minutos por jogo... Vão, isso sim, permitir aos titulares descansar sem que a equipa perca qualidade.

      2 e 3 - A maluqueira dos Knicks devia-se e muito ao um senhor que já lá não está. Se tu tens Chandler, Amare e Carmelo a ocupar a área restritiva como se enquadraria aqui Lin que tem nas suas entradas para o sua principal característica? Os Knicks precisavam era de um general que soubesse passar a bola para os locais certos nos timings certos e não de "maluqueira". Aliás as características dos jogadores actuais enquadra-se muito mais nos Knicks dos anos 90 do que nos Knicks pós-Ewing.

      4 - Os Mavericks foram campeões em 2011. Curiosamente defrontaram os 3 jogadores que mencionaste. Como conseguiram? Não me digas que foram campeões simplesmente graças a Deshawn Stevenson e Shawn Marion??
      Como dizes bem no parêntesis "na medida do possível" porque esses jogadores são indefensáveis o máximo que se pode arranjar é jogo de equipa defensivo e nesse aspecto os Knicks tem algumas das melhores peças da liga para o conseguir.

      5 - Os Knicks nos anos posteriores a Ewing tiveram a sua fase mais negra de sempre. Achar que esta equipa que tem algum talento, experiência, jogo defensivo e este ano até tem um treinador e tudo não irá fazer melhor que isso é uma opinião que respeito mas sinceramente não acredito. Acho que estão longe dos Heat mas que conseguem bater qualquer uma das restantes equipas do Este. Quando foi a última vez que os Knicks estiveram nesta posição?

      SD,
      Xait

      Eliminar
    2. Papa Valdemares07/09/12, 20:46

      1. No fundo, concordamos em muita coisa.

      2. Que a atual equipa dos Knicks é capaz de vencer qualquer uma das restantes 29 também é verdade (embora o mesmo se possa dizer de qualquer «team»: num bom dia...), mas não possuem a organização (daí a importância da contratação de Kidd), nem o funcionamento enquanto equipa que os possam ser candidatos ao que quer que seja.

      3. Ninguém consegue parar as estrelas que eu enumerei, mas há jogadores que, por vezes, os conseguem abrandar. O caso é que em Nova Iorque não vejo ninguém que o faça.

      Eliminar
    3. Acho que partes de alguns preconceitos graças a épocas anteriores. Mas desde a entrada de Donnie Walsh (que entretanto já saiu) que a casa começou a ficar arrumada e então desde a saída de D'Antoni que passaram a mostrar muita mais organização.

      Não é por acaso que o recorde da época regular passou de 18-24 antes de Woodson para 18-6 com Woodson. É uma diferença brutal.

      Isto entrando a meio da época sem "training Camp" e sem possibilidade de efectuar treinos graças a um calendário compactado, tendo como PG Lin (que entretanto se lesionou) Baron Davis a meio gás e Mike Bibby a arrastar-se (Iman Shumpert também deu uma perninha).

      Este ano Woodson entra de início, tem boas soluções para todas as posições o que permite repartir minutos, tem um training camp para praticar rotinas e tem 2 verdadeiros PG. Não percebo como se pode dizer de antemão que não possuem organização nem funcionamento enquanto equipa quando apenas agora possuem condições para o fazer.

      Quanto à forma de parar as estrelas.
      O que tentei explicar foi que Dallas não os conseguiu parar por ter jogadores que abrandam estrelas mas sim graças aos esquemas defensivos com destaque para a defesa zona. Os Knicks nunca irão conter esses jogadores no 1 para 1 porque tem forma de o fazer colectivamente.

      O aspecto defensivo dos Knicks dá-me total segurança contra qualquer equipa. Onde me parecem faltar soluções é ofensivamente e aí sim vou esperar pelo decorrer da época para ver se Woodson consegue resolver esse problema.

      Não sei o que queres dizer "candidatos ao que quer que seja". Se estás a referir a campeonato ou conferência Este sou capaz de concordar simplesmente porque existem os Heat mas isso não é culpa da organização de NY. Isso aplica-se a NY como se vai aplicar a qualquer equipa no Este.

      Por exemplo viria estes Knicks com capacidade para lutar contra os Pistons campeões de 2004 ou contra muitos vencedores da conferência Este da última década.

      O que resta aos Knicks é lutar pelo título da divisão Atlântico e chegar às finais de conferência. Para isso acho que tem condições para lutar.

      SD,
      Xait

      Eliminar
  3. O problema dos Knicks é como o Márcio referiu no post é idade muito avançada de muitos jogadores importantes dos Knicks.
    Tou curioso para ver se Stoudemire consegui melhorar os seus low postes moves com o Olajuawon.

    ResponderEliminar
  4. Equipa sólida, continuam uma incógnita no entanto. Acho que chegam à segunda ronda dos playoffs com um bocado de sorte e depois separam o Stoudemire e o Carmelo.

    ResponderEliminar
  5. se o felton jogar da mesma maneira como quando chegou aos knicks à 2 épocas atrás (média de 17 pontos, 9 assistências e 2 roubos de bola) vai ajudar e muito e o próprio stoudemire também jogou bem melhor com ele, se jogar como no ano passado acredito que vai haver muitas trocas na temporada e também concordo que ou carmelo ou o stoudemire, um deles pode saltar

    ResponderEliminar
  6. Apesar de já terem uma boa equipa, se quiserem ir mais longe nos playoffs, os Knicks, na altura do All-Star, deverão chegar à conclusão de que têm de negociar o Stoudemire, por incompatibilidade com o Anthony.
    Vamos aguardar para ver.
    Em todo o caso tenho boas expetativas para os Knicks.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulo Dias07/09/12, 00:22

      Em vez do Stoudemire, mandava embora o Caramelo, mas eu também não percebo nada do assunto.

      Seja como for, os Knicks não são uma equipa, antes um grupo de jogadores.

      Eliminar
    2. Hidrologic07/09/12, 01:37

      Agora é que disseste bem. O Carmelo se não for muito moldado pelo Woodson prejudica mais do que beneficia os Knicks, mas não os vejo com coragem para trocar o Carmelo.

      Eliminar
    3. Por muito que admire Hakeem Olajuwon, acho que nem ele vai conseguir ensinar um jogo de poste a Amare, simplesmente porque ele não é esse tipo de jogador.
      Entre trocar Melo ou Stat, acho que nem colocaria a hipótese de trade no primeiro, e do ponto de vista desportivo pouco receberia NY em trocar Stat, somente do ponto de vista financeiro traria beneficio, mas acho que os Knicks não precisam de poupar $.

      Jason Kidd era a penúltima pessoa que queria ver nos Knicks (somente atras de Nash), porque finalmente vão ter um PG que organiza jogo, e numa equipa com as armas de Ny, CASO CARMELO FINALMENTE SE AFIRME EM NOVA IORQUE COMO A SUPERESTRELA QUE É, penso que serão os New York Knicks a estar na Final de conferencia com Miami. Pelo meio, vão derrotar Boston na 2 ronda ( Matchup de 2 vs 3 ).
      Mas tal como sao capazes do melhor, também podem acabar em 7.

      PS - enfrentarão Boston de qualquer maneira nos PLAYOFFS!

      Eliminar
  7. Há aqui vários aspectos que para quem não segue os Knicks tão de perto estão a passar despercebidos.

    O mais importante de todos: O TREINADOR.

    Não tanto por achar Woodson muito especial mas principalmente porque D'Antoni saiu. Alguém se deu ao trabalho de ver as estatísticas pré-Woodson e pós-Woodson??

    Em relação ao Lin, esqueceram-se do "controlo de egos no balneário" o que fez Lin para merecer ganhar 14.5$ no 3º ano? Mais que a âncora dos Knicks e melhor defensor do ano Chandler? Para não falar de Shumpert ou JR Smith. Acho que seria mais lenha para se queimarem numa das equipas mais escrutinadas pela imprensa na NBA.

    Em relação ao Felton. Sinceramente não acho que vá ser o Felton de há 2 anos mas muito menos o Felton do ano passado.
    O Felton de há 2 anos tem as estatísticas exageradas por causa do anormal do D'Antoni. O mesmo aconteceu com o Fields.
    O Felton do ano passado, fruto do Lockout e falta de profissionalismo chegou OBESO a Portland. Se chegar em baixo de forma já é problemático, chegar obeso é impossível recuperar.
    Agora nos Knicks numa cidade em que se sente bem e confiante mas a cima de tudo com training camp e a sentir que tem coisas a provar, vai cumprir bem o seu papel. Principalmente no Pick'n'roll com Amare e Chandler.
    Relembro que os bases dos Knicks no início da época passada eram Toney Douglas e Mike Bibby.

    Eu adorei a ida dos Knicks ao mercado:
    1 - Mantiveram JR SMith e Steve Novak que toda a gente dizia que iam sair.

    2 - Foram buscar Camby. Está velho? Está sim senhor mas não chega e sobra para fazer de Chandler uns 15 minutos por jogo? Finalmente Chandler vai poder preocupar-se menos com as faltas e vai poder descansar o que lhe permite ganhar mais ressaltos e ser mais activo já que o seu jogo é muito físico.

    3 - Melo e Amare nunca mesclaram bem. O que nunca tiveram? Um treinador que fizesse o básico e um base que comandasse a equipa. O próprio Lin é mais um Slasher do que um verdadeiro PG como Kidd e Felton.

    4 - Acrescentaram excelentes defensores praticamente em todas as posições.

    5 - Praticamente todos os contratos (incluindo os grandes) acabam daqui a 3 anos. Ou seja, há um grupo de veteranos e quase veteranos de qualidade com uma janela pequena para dar tudo. Se não funcionar, daqui a 3 anos há salary cap vazio para reconstruir o que numa equipa de mercado grande é muito mais fácil de conseguir.

    Defensivamente esta equipa está de top, só não acho candidata ao título porque falta jogo ofensivo. Irá depender muito dos esquemas ofensivos da equipa técnica e da inteligência dos bases para potenciar o Duo principal.

    SD,
    Xait

    ResponderEliminar