7.9.12

Boletim de Avaliação - Philadelphia 76ers


Continuando a digressão pela Atlantic Division, depois de Boston e da dupla paragem em Nova Iorque, descemos até Philadelphia, para o comentário a uma offseason bem animada:


Philadelphia 76ers


Saídas: Andre Iguodala, Elton Brand, Lou Williams, Jodie Meeks, Nicola Vucevic, Andres Nocioni e Sam Young
Entradas: Andrew Bynum, Nick Young, Jason Richardson, Dorell Wright, Kwame Brown, Royal Ivey, Arnett Moultrie (27ª escolha no draft) e Maalik Wayns (undrafted)
Cinco Inicial: Jrue Holiday - Evan Turner - Dorell Wright - Spencer Hawes - Andrew Bynum
Banco: Royal Ivey - Nick Young - Jason Richardson - Thaddeus Young - Lavoy Allen - Kwame Brown
Treinador: Doug Collins

Balanço: Antes de mais, não é fácil adivinhar qual será o cinco inicial desta equipa e, com várias opções para as mesmas posições, Doug Collins tem um quebra-cabeças para resolver. Com tantas possibilidades vai ter de descobrir a melhor forma de aproveitar todas as peças e retirar produção de todos. Porque os minutos de jogo disponíveis não são infinitos e o maior desafio do treinador dos Sixers será não desperdiçar nenhum jogador por não ter mais minutos de jogo para lhe dar.

No interior, o alinhamento é claro (e o próprio Collins já o confirmou): jogarão com Bynum e Hawes (Bynum jogará de costas para o cesto a poste baixo e Hawes, que tem um bom lançamento de meia distância, jogará de frente para o cesto como poste alto), com Lavoy Allen e Kwame Brown como suplentes.

No exterior é que está o quebra-cabeças:
Podem jogar com Jrue Holiday e Jason Richardson no backcourt titular e colocar Evan Turner como small forward. Mas aí têm de meter Dorell Wright no banco e ficam com Wright e Thaddeus Young a dividir minutos como small forwards suplentes (embora Young também possa fazer minutos a power forward).

Outra hipótese (a que escolhemos) é jogarem com Holiday e Turner no backcourt e Wright como small forward. Porque com um jogador como Bynum a poste baixo (e com os 2x1 que lhe vão fazer), faz sentido ter um small forward como Wright, com um bom lançamento exterior. Mas aí ficam com  minutos para dividir entre Nick Young e Jason Richardson (que também são bons atiradores).

Nick Young, esse sairá sempre do banco e terá o papel de principal arma ofensiva da segunda unidade. Por isso, a maior dúvida é que lançador entra no cinco, Richardson ou Wright.

Mas problemas destes são daqueles que todos os treinadores gostavam de ter e é sinal que fizeram um bom trabalho na offseason. Conseguiram montar uma equipa profunda e com várias opções para todas as posições (ou melhor, quase todas, pois falta um bom base suplente). E o cinco inicial é apenas o alinhamento com que vão começar os jogos. A partir daí, as possibilidades e combinações à disposição de Doug Collins são inúmeras. Esse é o trabalho do treinador que começa agora.

Já o trabalho do general manager para lhe fornecer as peças foi, em geral, bom. No negócio de Bynum foi claramente bom. É claro que tiveram de abdicar do melhor defensor (e o melhor jogador?) da equipa e a defesa exterior vai-se ressentir disso, pois nenhum dos que entraram são tão bons defensores (nem lá perto!). Mas ficaram com o segundo melhor poste da liga (e um que pode, com o papel principal que vai ter em Philadelphia, ser ainda melhor), ficam com uma defesa interior muito melhor e com potencial para um ataque muito melhor também. Por isso, o saldo é positivo.

A decisão de amnistiar Elton Brand também foi acertada. Brand já não é o jogador que era quando assinou pelos Sixers e não justificava (nem pouco mais ou menos!) os 18 milhões que ia receber no último ano de contrato. E assim ficaram com espaço salarial para oferecerem uma extensão de contrato a Bynum (que, não nos esqueçamos, termina o contrato esta temporada).

Dorell Wright foi uma decisão fácil. Os Warriors queriam despachar o seu contrato e consegui-lo dando em troca apenas os direitos de Edin Bavcic (um bósnio que joga na Europa) é um negócio mais que positivo. Dois anos de contrato e 6 milhões por Kwame Brown também não é um mau negócio. Brown nunca se tornou metade do jogador que os Wizards (e o mundo) esperavam quando o seleccionaram no primeiro lugar do draft de 2001, mas é um poste suplente decente (e um defensor decente) e 3 milhões por ano não é exagerado. E renovar com Spencer Hawes foi mais uma decisão óbvia.

Já deixarem sair Lou Williams e contratarem Nick Young para o seu lugar é mais discutível. São jogadores com muitas características semelhantes (atiradores, marcadores de pontos e fracos defensores), mas Williams também jogava como primeiro base e como organizador, algo que Nick Young não é capaz de fazer. Optaram por Young, que é um jogador que lhes dá quase tudo o que Williams lhes dava e num contrato mais curto (apenas um ano) que lhes dá mais flexibilidade para o futuro, mas perderam com isso um jogador para render Jrue Holiday. E a falta de um bom base suplente é a maior lacuna desta equipa.

Mas esta é a única decisão que pode ser criticada no Verão dos Sixers. Todas as outras melhoraram a equipa, por isso, o balanço desta animada offseason é bem positivo.

Nota: 14


(a seguir: Atlantic Division - Toronto Raptors)

6 comentários:

  1. Papa Valdemares08/09/12, 02:19

    Os Sixers tiveram duas iniciativas muito boas:

    1.ª) Libertar-se de Brand;

    2.ª) Adquirir o ex-Laker.

    O busílis da época, parece-me, reside no rendimento de Bynum, que, em LA, sempre me pareceu que nunca rendeu aquilo que poderia, mesmo tendo em conta os seus problemas físicos.

    Agora, em Filadélfia, sem a sombra de Kobe e sendo o melhor jogador da equipa, pode ser que expluda e produza tudo aquilo que eu sempre esperei dele e que vi esporadicamente: um jogador centro quase imparável, à semelhança do Shaq dos melhores tempos.

    Por outro lado, vamos ver como corre o jogo exterior, pois há ali gente que já teve melhores dias.

    Seja como for, parece-me um conjunto com mais potencial do que o do ano passado.

    ResponderEliminar
  2. Os Philly tem uma equipa interessante não sei se irão lutar pela conferencia mas de certeza que vencidos não se dão de vencidos.
    Esta Divisão vai ser das mais fortes, 4 equipas são candidatas a ganhar o Este e a outra é equipa para lotar por um lugar razoável.

    ResponderEliminar
  3. Para fazer as vezes de base o turner também serve, entrando o Nick Young ou Richardson para a posição 2...já do Royal Ivey, sinceramente conheço muito pouco.

    ResponderEliminar
  4. gosto bue do blog parabens marcio!
    era pra vos perguntar sobre qual vai ser a importancia do metta world peace nos lakers

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Anónimo das 18:20! :)

      Quanto à importância de Metta World PEace, lá iremos quando fizermos a análise dos Lakers! Stay tuned! :)

      Eliminar