1.7.11

Mais um passo para os Cavs


Afinal os Cavaliers tinham um plano. Depois de anteontem nos perguntarmos qual ele seria quando seleccionaram Tristan Thompson no draft e o que iam fazer agora com J.J. Hickson, os Cavs não demoraram a responder. Não esperaram para saber o que vai acontecer com o CBA e deram mais um passo na reconstrução antes que o lockout fosse declarado. Foi o último negócio antes da NBA entrar em lockout (e agora só quando houver novo Acordo é que pode haver mais movimentações).

E assim, mandaram Hickson para Sacramento em troca de Omri Casspi e uma primeira ronda. Tristan Thompson é então a aposta para power forward a tempo inteiro, com Antawn Jamison como power forward suplente. E com Casspi preenchem mais uma posição onde tinham carências.

O jovem (e grande, 2,06m) small forward israelita é o tipo de jogador que agrada a Byron Scott: lutador, agressivo, com garra. Foi escolhido na 23ª posição do draft de 2009 e fez uma boa temporada rookie (10.3 pts, 4.5 res, em 25.1 min/jogo e 31 jogos como titular). Esta temporada, depois de começar como titular, caiu na rotação e viu o seu tempo de jogo diminuir gradualmente até acabar no fundo do banco (8.6 pts, 4.3 res, em 24 min/jogo e 27 jogos como titular). Os Cavaliers parecem acreditar no seu potencial e escolheram-no para fazer parte do jovem núcleo para o futuro.

E uma das estatísticas que mais agradou à equipa de Cleveland foram os seus 49% nos lançamentos de 3 pontos do canto do campo. O objectivo dos Cavs é ter uma ameaça exterior e um jogador que abra espaços e espalhe a equipa ofensivamente, para Irving penetrar e para Thompson operar no interior. E mais um jogador bom defensivamente e que dê tudo nesse lado do campo, algo que Byron Scott muito aprecia (e algo que Hickson deixava a desejar).

Foi, basicamente, a troca de uma promessa por outra promessa e ainda uma escolha na primeira ronda. E essa pode ser a diferença entre este ser um bom negócio ou um excelente negócio. Vai depender de como usarem essa escolha e quem seleccionarem com ela. Vão certamente tentar preencher mais uma posição e se conseguirem um bom jogador pode ter sido uma excelente troca. Pode, portanto, transformar-se na troca duma promessa por duas promessas (ou dois bons jogadores).

Mesmo agora, sem saber o que vai acontecer com essa escolha, trocar uma promessa por outra e mais uma primeira ronda parece um bom negócio. Escrevemos que, no dia do draft, os Cavs deram um passo em frente e outro para o lado. Agora transformaram esse passo para o lado em mais um pequeno passo para a frente. O caminho até ao topo continua a ser longo, mas parece que os Cavs têm um plano.

4 comentários:

  1. podias ter analisado tambem o lado dos kings nesta troca porque sinceramente ainda nao os compreendi totalmente.Acho que tinham melhor equipa com casspi, embora as figuras chave ainda estejam la, devem ter tambem alguma na manga para mim teem equipa para chegar aos playoffs e fazer boa figura.
    Isto se o tyreke evans estiver em boas condiçoes fisicas claro.

    ResponderEliminar
  2. bela troca para os cavs continuam assim e são uma equipa que vai ganhar muitos campeonatos.

    ResponderEliminar
  3. Do lado dos Kings o objectivo da troca foi trocar um jogador duma posição onde tinham várias soluções por um duma posição onde tinham mais necessidade. A small forward têm Donte Greene, Francisco Garcia e seleccionaram no draft deste ano Tyler Honeycutt. E ainda adquiriram o John Salmons que também pode jogar nessa posição. Estavam com excesso de jogadores para essa posição e tinham, por outro lado, um défice no frontcourt.
    Samuel Dalembert não deve renovar e com a aquisição do Hickson, o DeMarcus Cousins pode passar para poste. Jason Thompson também pode fazer ambas as posições do frontcourt e assim ficam com várias possibilidades de utilização e rotação para o trio Cousins-Hickson-Thompson.

    ResponderEliminar
  4. É obvio que o Jamison vai ser titular..

    ResponderEliminar