23.7.13

Os melhores free agents ainda disponíveis


Quando já nos perguntávamos como é que, depois das suas exibições na temporada passada e do seu grande rendimento nos playoffs, nenhuma equipa pegava em Nate Robinson, os Nuggets chegaram-se à frente e contrataram o pequeno e eléctrico base (que em Denver vai encontrar um estilo de jogo onde pode encaixar que nem uma luva) por dois anos e 4 milhões. E assim, por esta altura, quase todos os principais free agents já têm equipa para o(s) próximo(s) ano(s). Mas ainda há alguns nomes no mercado que davam jeito a muitas equipas. Estes são os melhores free agents ainda disponíveis (alguns compreensívelmente, outros surpreendentemente):


Brandon Jennings (Restricted)
Parece o caso mais surpreendente, um jogador como este chegar ao fim de Julho sem contrato, mas este é um caso particular (e bicudo). Não é que Jennings não seja bom jogador. Simplesmente não é tão bom como pensa e nenhuma equipa está interessada em pagar o que ele pensa que merece (acima dos 10 milhões/ano). A sua própria equipa mostrou-se mais interessada em contratar outro base do que renovar com ele e fez uma oferta a Jeff Teague. Só que os Hawks igualaram e agora os Bucks e Jennings estão perante a insólita e incómoda situação de serem quase obrigados a negociar um contrato. Porque os Bucks precisam de um base e porque nenhuma equipa parece interessada em Jennings. Deve assinar por um ano apenas e ser free agent de novo no próximo Verão. E tem um ano para mostrar que pode ser um base de topo e o líder duma equipa (e não apenas um marcador de pontos ineficaz e com uma má selecção de lançamento).

Nikola Pekovic (Restricted)
Este ainda está no mercado porque é praticamente certo que os Timberwolves igualarão qualquer oferta que ele receba. Depois da boa temporada passada (16.3 pts, 8.8 res), não faltarão equipas que gostavam de ter os seus serviços, mas as hipóteses de sair dos Wolves são (eram) pequenas (a equipa de Minnesota quer renovar com ele e deve oferecer-lhe um contrato de longa duração).

Gerald Henderson (Restricted)
Este, apesar de restricted, se alguém fizer uma boa oferta (pelos 20, 25 milhões por 4 anos; os valores dum JR Smith ou dum Kevin Martin), os Bobcats podem não igualar. E com a procura por shooting guards marcadores de pontos em alta (os citados Smith e Martin, OJ Mayo, JJ Redick, etc) é surpreendente que ninguém tenha tentado Henderson, que terminou a época passada com uns bons 15.5 pts (com 44% de 2pts e 33% de 3pts). 
Henderson é um bom shooting guard (e jovem ainda; tem 25 anos), com valor para ser titular em metade das equipas da liga (ou sexto homem numa equipa candidata, tipo Grizzlies) e a pouca procura pelos seus serviços é um dos casos mais surpreendente desta lista.

Gary Neal (Restricted)
Este idem. Apesar de ser um agente livre com restrições, é aquele que mais facilmente pode ser "roubado", pois os Spurs já disseram que querem mantê-lo, mas não querem (nem podem) pagar muito. Se alguém fizer uma boa proposta (à volta dos 2/3 milhões por ano?), os Spurs não devem igualar e um atirador para abrir as defesas é uma peça vital para qualquer equipa candidata (veja-se a importância dos Mike Millers e Shane Battiers nos playoffs). Em equipas como os Grizzlies, Thunder ou Pacers seria uma peça valiosa. Outro caso que surpreende pela pouca procura (com a procura que Mike Miller está a ter, por exemplo, nenhuma dessas equipas tenta Neal?).

Mo Williams
Williams disse que não renovava com os Jazz se fosse para sair do banco (os Jazz seleccionaram Trey Burke no draft). E essa é uma das razões porque ainda está no mercado. Porque ainda não fechou a porta a voltar para Utah e porque não há assim tantas equipas que precisem de um base titular (hey, os Bucks não queriam um base mais barato e mais eficaz? Williams não é o jogador de longo prazo que era Jeff Teague, mas podia não ser uma má alternativa). 
Mas Williams também pode jogar a segundo-base, sem bola (e até é capaz de ser melhor jogador nessa situação; veja-se quando jogou nos Cavs com Lebron), e podia ser muito útil nessa posição para uma equipa como os Bulls (ou Thunder ou Grizzlies). Não sabemos se ele aceita uma proposta mais baixa para jogar numa equipa candidata, mas não custa tentar.

DeJuan Blair
Em San Antonio perdeu o lugar na rotação da equipa com a chegada de Boris Diaw e teve pouco tempo de jogo na época passada. Mas teve bons números para o tempo que jogou (5.4 pts e 3.8 res, em 14 mins/jogo) e números melhores ainda por cada 36 minutos (14 pts e 9.7 res). Não é (nem vai ser) uma estrela, mas é capaz de dar uma boa ajuda a partir do banco e pode ser um jogador útil para a rotação.

Kenyon Martin
Como mostrou em NY na época passada, o veterano power forward ainda é capaz de dar uma ajuda no interior, defender e ganhar ressaltos, qualidades que dão sempre jeito em qualquer equipa. E pelo mínimo de veterano, é uma ajuda barata.

Lamar Odom
Odom já não é o jogador que era, mas um jogador com a sua versatilidade pode ser muito útil em muitas equipas. O maior problema pode ser a falta de vontade de jogar noutra cidade que não Los Angeles (Odom tem o reality show dos Kardashians e não parece com vontade de o levar para uma cidade pequena). Não tem muitas alternativas, por isso (nem equipas interessadas).

Mike Miller
Este está disponível porque só o ficou há poucos dias. E segundo parece, não faltam equipas interessadas (mais uma vez, Grizzlies, Thunder, que precisam dum atirador). Não deve demorar muito até alguém contratar este atirador certeiro com queda para aparecer nos momentos decisivos.

Greg Oden
Este não tem tido falta de ofertas e deve anunciar brevemente (ainda hoje ou amanhã?) onde vai tentar ressuscitar a sua carreira. Apesar do seu historial de lesões, o potencial e o baixo risco da aposta (Oden aceitará jogar pelo mínimo ou perto disso) fazem valer completamente a pena a aposta. Nunca vai ser a estrela que podia ter sido, mas se Oden conseguir jogar metade (ou um terço) do que jogava, pode já ser um contributo decisivo para uma equipa como os Heat ou Spurs (que estão entre os interessados).

E ainda:
Timofey Mosgov (R)
Tyrus Thomas
Ronnie Brewer
Beno Udrih
Drew Gooden
Marcus Camby
Hedo Turkoglu


(algum destes que gostassem de ver na vossa equipa? Ou algum outro dos nomes ainda disponíveis?)

17 comentários:

  1. Gostava imenso de ver o Gerald Henderson nos meus Celtics, era um excelente backup para o Rondo (caso fique). Sei que não é assim tão dificil sobressair nos mediocres Bobcats mas é ele bom, ainda é novo e tem potencial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o henderson e SG, nunca seria sub do rondo

      Eliminar
    2. Pode jogar a PG tambem. Ele pode complementar perfeitamente com o Bradley.

      Eliminar
    3. uma coisa e ter capacidade de transporte e de (alguma) construcao, outra e ser PG e orquestrar uma equipa inteira

      Eliminar
  2. Oorey Brewer nao tinha acordo com minnesota?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o Corey Brewer vai para os Wolves, eu queria escrever RONNIE Brewer! :) Thanks!

      Eliminar
  3. Excelente artigo Márcio.

    Gostava de ver o Brandon Jennings nos Lakers, mas sei que isso não vai acontecer. Quanto ao Oden, ao menos que escolha os Heat, já que falta lá um big man para se juntar ao Bosh e ao Andersen.

    ResponderEliminar
  4. Por acaso também tinha pensado no Mo para os Bulls, mas 1º não acredito que ele assine pelo mínimo, e 2º Thibs nunca lhe garantiria uma titularidade, até porque se Deng continuar, o Jimmy deverá ser o SG titular.

    ResponderEliminar
  5. Já que o Kaman e o Dalembert já escaparam aos Heat, e se o Oden for contratado e vier a dar mais ou menos certo (o que duvido muito), o Camby podia dar jeito como Center suplente para fazer uns minutos. Já que se paga ao Lewis e ao James Jones para fazer o que se sabe, pode-se pagar um salário mínimo de veterano para o Camby jogar uns 10 mins por jogo, já que o Pekovic é um caso que não há que pensar. O Pat Riley tem que perguntar ao LeBron se ele tem saudades de jogar com o Gooden lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Andersen não pode ser Center suplente também?

      Eliminar
    2. O Andersen, na minha opinião, não é um Center. Falta-lhe altura, poder físico e qualidade a jogar a poste baixo para ser um dominador total das tabelas. Obviamente que a definição de Center e se o jogador A ou B tem perfil para essa posição ou não são sempre questões em que há sempre divergências. Só que também não é um PF, porque para mim PF's são jogadores como Bosh, Garnett, Stoudemire,Duncan, Nowitzki, entre outros, e o Andersen não tem nada haver com eles, por isso sinceramente acho que é mais um misto das duas posições, ou simplesmente um jogador que joga no interior e que dá uma boa ajuda em tudo na defesa, especialmente através dos desarmes e dos ressaltos, e que é razoável a atacar, mais especificamente a afundar e nos pick and roll's. Mas na ideologia dos Heat neste momento, qualquer jogador que tenha, pelo menos, 2 metros de altura, serve para jogar a PF ou a Center. Até o LeBron já jogou a Center nos Heat, por isso o Andersen, o Bosh e o Haslem também servem perfeitamente para a posição, segundo eles.

      Eliminar
    3. O LeBron tem físico de PF.

      Eliminar
    4. Sim, mas só tem 2,03 m. De resto, também me parece que tinha tudo para vingar e muito nessa posição. Na marcação a PF's fracos ou medianos safa-se sem problemas, mesmo que sejam mais altos. Quando apanha melhores, já complica. Ainda nas finais da Conf. Este em 2012 o LeBron defendeu o Garnett de vez em quando em alguns jogos e o que o tramava sempre eram os 8 cm a menos que o Garnett, porque o Garnett assim que se virava para a tabela encestava, já que o LeBron nunca conseguia chegar à altura dos seus braços para lhe abafar, e como tal, tentava não o deixar receber dentro, mas nem sempre dava.

      Eliminar
    5. O Jarvis Varnado é uma boa aposta para os Heat. De qualquer modo o Pat Riley vai encontrar uma boa solução.

      Eliminar
  6. Boa noite Márcio. Os meus parabéns pelo blog. O Paulo (Aladeen) é amigo comigo e tirou-me o juízo para eu vir aqui ao blog e juntar-me aqui ao pessoal que comenta, já que ele disse-me que nunca viu fãs dos Warriors a comentar aqui. Eu e os meus dois irmãos somos fãs dos Warriors, porque nascemos em San Leandro, que fica próximo de São Francisco e vivemos uns anos lá. Aínda hoje temos familiares lá e nunca nos deixaram adormecer o gosto pelos Warriors. Vou tentar acompanhar dentro do que puder, mas pelo que vi até agora, parece-me muito apelativo. Abraço

    ResponderEliminar
  7. Ainda bem que o Samuel Dalembert, que faz 40 anos!! no início do próximo ano, não foi para os Heat!
    Até preferia o Oden embora também não seja muito do meu agrado pois é uma cartada demasiado arriscada. E se com o Oden não resultasse, qual seria a margem de manobra dos Heat perante as atuais restrições salariais?

    Um fã dos Warriors realmente não é muito comum por aqui. Mas lá que Golden State tem uma boa equipa tem. Isto falando da atualidade. Mas, no passado, também não me esqueço do espetáculo de um dos trios mais notável da NBA: Tim Hardaway, Mitch Richmond e Chris Mullin.

    ResponderEliminar