26.12.11

Mudança na guarda (mas não sem luta)


Que jornada espectacular para abrir a temporada! Dois jogos renhidos até ao último segundo, um com os pretendentes a demolir os campeões e outros dois com duas equipas que prometem causar estragos este ano à altura das expectativas criadas. E foi uma jornada simbólica e demonstrativa do que pode acontecer esta ano na NBA: uma nova geração de jogadores e equipas em ascensão pronta para tomar de assalto o topo da liga, mas a geração anterior a prometer dar luta até ao fim.

Foi essa a nota dominante do dia de ontem e pode ser essa a nota dominante de toda a temporada. Dum lado tivemos quatro equipas que têm sido as melhores a Este e Oeste nos últimos anos (e três delas, Celtics, Lakers e Mavs, ganharam os últimos quatro títulos) e do outro quatro (cinco, com os Clippers) equipas que querem subir (ou regressar, para algumas delas) a esse patamar. 


Em Nova Iorque, Carmelo começou em grande forma (37 pts, 8 res, 3 ast e 2 rb), mas os Celtics também mostraram que a luta pela Atlantic Division vai ser renhida. Para além dos destaques habituais (Stoudamire, Garnett, Allen e Rondo), Chandler já começou a fazer diferença na protecção do cesto (6 dl) e Brandon Bass (20 pts e 11 res) deixou a promessa que pode dar uma ajuda importante.

Em Dallas, tivemos uma equipa a andar e outra a correr desenfreadamente. Os Heat pressionaram na defesa e contra atacaram sem piedade e mostraram que este plantel com mais um ano de experiência a jogar junto vai ser ainda melhor que o ano passado. E com Lebron a jogar assim (37 pts, 10 res, 6 ast, 2 rb, 2 dl) os Heat são imparáveis. Uma nota de destaque para o base rookie Norris Cole, a mostrar que pode ser uma boa solução para o problema de point guard dos Heat.

Em Los Angeles, foi o MVP Derrick Rose a mostrar que está pronto para defender o seu título e liderar os seus Bulls a mais uma temporada de sucesso, mas Kobe e os Lakers mostraram que ainda não estão mortos, como muitos os declararam. Boa defesa dos Bulls (e foi uma grande jogada defensiva que lhes deu a vitória) e boa defesa dos Lakers (e ficará melhor quando Bynum regressar depois de cumprir os seus 4 jogos de castigo), com um ataque melhor do que se previa, boa estreia do rookie Andrew Goudelock (6 pts, com 2-3 dos 3pts) e da surpresa a titular Devin Ebanks (8 pts, 4-5 2pts) e uma preciosa ajuda de McRoberts, Blake e Murphy (nenhum deles é Lamar Odom, mas entre os três podem facilmente compensar a produção dele; ontem tiveram, no total, 27 pts, 19 res, 5 ast e 3 dl).

Em Oklahoma, os Thunder despacharam sem grandes dificuldades os Magic, mostrando que o trabalho e a construção paciente compensam e que este ano podem contar com eles para lutar pelos primeiros lugares.

E em Oakland, o showtime dos Clippers arrancou com uma vitória folgada sobre os Warriors e uma impressionante demonstração de jogo colectivo (20 pts e 9 ast para Paul, 21 pts para Billups, 22 para Griffin, mais 11 pts e 10 res de Butler e 8 desarmes de lançamento de Jordan).

Foi um dia de frente a frente entre a velha guarda e os aspirantes. E um dia que promete uma temporada muito interessante de seguir. Dum lado equipas jovens e ainda em construção, com estrelas em ascensão e a tentar reclamar o seu lugar no topo. E do outro equipas veteranas, com uma geração de estrelas já na fase descendente das suas carreiras, que tentam gastar os seus últimos cartuchos e aproveitar as suas últimas hipóteses de ganhar alguma coisa com os plantéis actuais (antes de iniciarem uma necessária reconstrução). Esta vai ser uma temporada de transição. Mas não vai ser uma transição pacífica. Os novos querem tomar o seu lugar, mas os velhotes não vão sair sem luta. Temos temporada.

5 comentários:

  1. LBJ vai fazer 27 anos (salvo erro); DWade caminha para os 30, portanto.

    E entendamo-nos: os Mavs e Lakers, em lugar de reconstruírem, desconstruíram.

    Tal como o ano passado me parecia que encomendar as faixas para os Heat era prematuro, muita água vai correr debaixo da ponte nesta mini-temporada. E o foco tem de estar em Orlando, onde DH não quer estar e onde existe uma equipa claramente em desmembramento. Portanto, é muito provável que, mais semana menos semana, DH parta para outras pastagens mais suculentas, até porque os Magic não quererão um «repeat» de Shaq há uns anos, optando por trocar o seu poste a troco de algumas migalhas, em vez de o ver sair a troco de... zero. E aí, vamos ver se alguém que não é de Cuba mas soa, tem unhas para recompor o que estragou neste outono.

    ResponderEliminar
  2. Fico contente que as coisas que previ se estejam a desenvolver:
    - Miami super poderoso (que joagao para o King)
    - Bulls com muitas cartas a dar e serem sem dúvida candidatos
    - LAL com vontade de provar que conseguem sem CP3 e sem DH12
    - LAC como principal surpresa ( que depois da troca de CP3 deixou de ser) e serem candidatos a coisas muito boas
    -Boston não está cá para ser bobo da festa e vai dar tudo para conseguir o título na sua ultíma oportunidade

    Desilusão tremenda de Orlando, que continua sem crescer e não consegue ser a equipa de 2009, e principalmente, dos Mavs, completamente irreconhecível, com prestações fraquissimas de toda a equipa exepto Terry e Nowitzki.

    TEMOS ÉPOCA!!

    ResponderEliminar
  3. O primeiro milho é dos pardais.

    LBJ sempre falhou nos momentos decisivos. Voltará a falhar este ano?

    Seja como for, o trono de Jordan sobreviverá a LBJ, que já provou, por três vezes, não ter estofo para, «sozinho», chegar lá. Mais: nem com Shaq, Wade e o terceiro gajo conseguiu.

    ResponderEliminar
  4. pro.benfica27/12/11, 03:51

    Para quem estava eufórico com o jogo dos Heat ontem... Denver foi lá e fez a mesma coisa.

    ResponderEliminar
  5. Só vi o o jogo dos Bulls, e pelo que vi, TEMOS EQUIPA. Os Lakers, a impressão que me deram foi que valem sobretudo pelo que o Kobe (e muito ele faz) faz, mas se aspiram ao título penso que deviam trazer mais alguém que faça a diferença..

    ResponderEliminar