16.3.12

O dia de todas as trocas


Como era esperado, as coisas aqueceram nas últimas horas antes do fecho do mercado. Muitas das equipas envolvidas nas trocas não surpreenderam, mas tivemos algumas trocas bastante inesperadas. No entanto, a notícia do dia não foram os jogadores que mudaram de ares, mas sim aquele que não mudou. Dwight Howard acabou finalmente com a novela (por esta temporada, pelo menos) e activou o ano de opção no contrato. Vamos, portanto, ter Howard em Orlando por mais uma temporada, pelo menos. Este pode não ter saído do sítio, mas houve muitos outros que saíram. Vamos então à lista completa das movimentações e ao comentário da acção neste dia de Trade Deadline:


Monta Ellis, Ekpe Udoh e Kwame Brown dos Warriors para os Bucks, em troca de Andrew Bogut e Stephen Jackson
Esta foi a primeira movimentação deste fecho de mercado, um negócio que foi feito ontem e um negócio entre duas equipas com planos opostos. Em Milwaukee, a aposta é no presente. Bogut e Jackson não jogavam (um por lesão, o outro por questões disciplinares) e, basicamente, ficam com a equipa que já tinham mais duas boas peças que lhes podem dar um empurrão a caminho dos playoffs.
Em Golden State, o plano é o contrário. Com esta troca desistem de lutar pelos playoffs deste ano e começam já a preparar a próxima temporada. Jackson já foi trocado hoje para os Spurs (já lá vamos) e Bogut só joga em 2012-13, por isso, o plano é ficar fora dos playoffs, conseguir uma escolha alta no draft e começar a construir para o próximo ano.

Sam Young dos Grizzlies para os Sixers, em troca dos direitos do base porto-riquenho Ricky Sanchez
Os Sixers recebem um jogador para a rotação e para reforçar o banco. Young não tinha espaço na rotação de Memphis e é um jogador ao estilo de Doug Collins (e perfeito para esta equipa de Philadelphia): bom defensor, com garra e que pode contribuir também no ataque. Não vai transformar a equipa, mas é mais um para ajudar.
Para os Grizzlies, não muda nada. Sanchez joga na Argentina e não faz parte dos planos.

Leandro Barbosa dos Raptors para os Pacers, em troca de uma 2ª ronda no draft
Uma boa troca para os Pacers, que reforçam a rotação dos bases e têm agora uma excelente profundidade no backcourt (Collison e Paul George no cinco, com George Hill e Barbosa a sair do banco). Reforçam-se para os playoffs sem sacrificar a flexibilidade salarial (Barbosa termina o contrato no fim da temporada e os Pacers continuam com os 14 milhões de espaço na próxima offseason) e em troca deram apenas uma escolha na segunda ronda do draft. Um bom dia para os Pacers.
Já em Toronto, não sabemos bem qual será o plano. Não pode ser libertar espaço salarial, pois se queriam fazer isso, só tinham de esperar até ao fim da época. E não receberam nada em troca pque justifique não esperar até lá.

Gerald Wallace dos Blazers para os Nets, em troca de Mehmet Okur, Shawne Williams e uma 1ª ronda no draft de 2012
Com Howard a manter-se em Orlando, os Nets viraram a sua atenção para outros lados e, num esforço para reforçar a equipa e tentar convencer Deron Williams a ficar, conseguiram Wallace. Um jogador que já foi All Star (e ainda pode render perto desse nível) por um jogador que não tem jogado, outro do banco e uma escolha protegida (está protegida até ao nº3, o que quer dizer que se os Nets tiverem uma das três primeiras escolhas no draft, a escolha continua deles) é um excelente negócio. E um cinco inicial com Williams, Marshon Brooks, Gerald Wallace, Kris Humphries e Brook Lopez é um bom princípio de equipa. Resta ver se é suficiente para Williams ficar.
Já em Portland, as coisas devem estar mesmo mal. Foram a equipa mais activa neste dia e decidiram rebentar o plantel actual. O treinador Nate McMillan foi despedido e trocaram vários jogadores (ver negócios seguintes).

Ramon Sessions e Christian Eyenga dos Cavs para os Lakers, em troca de Luke Walton, Jason Kapono e uma 1ª ronda no draft de 2012
Não é o base de elite que os Lakers procuravam, mas é um bom reforço para a posição, sem dúvida. E pelo que deram em troca (dois jogadores do fundo do banco e uma escolha que será previsivelmente para o fim da 1ª ronda), é um grande negócio. Para além disso, conseguiram ainda livrar-se do contrato de Luke Walton (que recebia 7 milhões e não jogava), por isso foi um bom dia para os Lakers também (que não ficaram por aqui nas movimentações).

Marcus Camby dos Blazers para os Rockets, em troca de Hasheem Thabeet, Jonny Flynn e uma 1ª ronda no draft de 2012
Continuou a razia em Portland, já a pensar no próximo capítulo. Camby foi enviado para Houston em troca de uma escolha no bom draft deste ano e dois jogadores que terminam o contrato este ano (e podem ou não fazer parte dos planos dos Blazers no futuro).
No Texas, faz-se uma aposta para o presente, sem comprometer o futuro. O grande contrato de Camby (11 milhões) termina esta época, por isso conseguem um reforço de peso para atacar os playoffs e mantém o espaço salarial para a próxima free agency. Se para ganhar séries de playoff é preciso defender e ressaltar, ficam com dois postes que fazem isso mesmo. E com um frontcourt com Scola, Dalembert e Camby vão ser um osso duro de roer para qualquer equipa.

Stephen Jackson dos Warriors para os Spurs, em troca de Richard Jefferson e uma 1ª ronda
Os problemas disciplinares de Jackson não vão ser um problema em San Antonio. A sua passagem por Milwaukee não correu bem, porque não gostava do treinador e não queria jogar ali. Nesta fase avançada da carreira, queria ir para um candidato ao título e não há melhor equipa para ele que os Spurs. Captain Jack regressa a uma equipa onde foi campeão em 2003 e vai jogar sob as ordens de um treinador que conhece (e o conhece) bem. É uma excelente troca para os Spurs e esperem ver o rendimento de Jackson subir para os níveis anteriores à passagem pelos Bucks. Se os Spurs já eram candidatos antes, reforçam ainda mais essa posição.

Derek Fisher dos Lakers para os Rockets, em troca de Jordan Hill e uma 1ª ronda no draft de 2012
Mais uma boa troca para os Lakers. Com a entrada de Ramon Sessions, Fisher era dispensável e conseguiram em troca um poste suplente (que não tinham). Reforçam o froncourt e preenchem uma posição que precisavam.
Já os Rockets ficam com um excelente mentor para os seus jovens bases e ainda podem ter sorte de sacar algum bom jogador no draft.

E o negócio mais surpreendente do dia:
Nené (Nuggets), Brian Cook (Clippers) e uma 2ª ronda no draft para os Wizards, Nick Young (Wizards) para os Clippers e JaVale McGee e Ronny Turiaf (Wizards) para os Nuggets
Esta troca apanhou-nos (e a toda a gente) de surpresa e ainda não percebemos porque os Nuggets a fizeram. Do lado dos Clippers é fácil: desde que Billups se lesionou que procuravam um shooting guard e dar um jogador que não jogava (Brian Cook) e uma 2ª ronda por Nick Young faz todo o sentido. Young não é um  bom defensor, mas lança bem de fora e pode render bastante com Chris Paul a passar-lhe a bola. E pelo que deram em troca era de aproveitar.
Do lado dos Wizards também é fácil de perceber: trocar um poste irregular e campeão de jogadas idiotas por um com o talento de Nené é de aproveitar sempre. O único caminho para os Wizards é rodear John Wall de talento e, com a experiência do brasileiro, podem finalmente começar a mudar a mentalidade da equipa.
Já do lado dos Nuggets, ainda estamos a pensar no que lhes passou pela cabeça. McGee tem um potencial enorme e um atleticismo doutro mundo, mas Nené é ainda um jogador jovem, por isso, porquê trocar um jogador com talento já provado e que dá garantias por uma aposta de tão alto risco?


Algumas conclusões, em jeito de balanço:

Os Lakers são um dos vencedores do dia. Melhoram bastante o banco (na posição de base e de poste) sem dar em troca alguma peça importante e ainda se livram do pior contrato na equipa. Para já, no papel, ficaram definitivamente melhores.

Os Spurs são outros dos vencedores do dia. Conseguem uma excelente contratação, pois, para além de Jackson ser um excelente defensor e poder também ajudar no ataque, é um jogador que já jogou nos Spurs, conhece os esquemas de Popovich e pode integrar-se imediatamente na equipa. Uma contratação que lhes pode render muitos frutos nos playoffs.

Os Pacers saem bem na fotografia também e juntam mais um bom jogador a um grupo que já era bom. Ficam com um equipa muito profunda, o que é sempre uma vantagem nos playoffs.

Os Blazers estão de volta à estaca zero. As coisas tinham de estar mesmo muito mal para recorrerem a uma solução tão radical. Era uma equipa que prometia tanto no início da temporada, mas agora parece que é tempo de começar de novo.

14 comentários:

  1. Bom trabalho embora não concorde com algumas coisas especialmente com a troca dos Nets ser uma boa troca.
    O Crash é muito insconstante..
    E a equipa nestes moldes não vai a lado nenhum.
    Foi uma troca a pressãp para o D-wiil ficar po ano

    ResponderEliminar
  2. Discordo que os Lakers tenham sido os vencedores do dia. Perder o Fisher é correr o risco de perder o Kobe emocionalmente, é perder o jogador mais importante do balneário e a âncora da química da equipa. Só o tempo dirá se foi um bom negócio ou não, mas para já e por aquilo que li, duvido.

    ResponderEliminar
  3. Principalmente por troca com o Jordan Hill? Mais valia despachar o Blake, que não sabe o que é ser campeão nem tem peso no balneário. Não consigo encarar como uma boa trade

    ResponderEliminar
  4. Stoudemire16/03/12, 12:18

    Lakers definitivamente ainda mais candidato como eu já defendia, e Spurs a reforçarem-se muito bem.
    A do Nené tanto pode ser génio como pode ficar para os livros dos flops. Eu acho que McGee vai calar os críticos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os Wizards fizeram uma move que lhes permite ter 2 jogadores com rendimento sólido nas posições mais importantes do jogo, com o Wall e o Nené. Agora é estarem agressivos no mercado e ter boas picks no draft e para o ano provavelmente, já vão estar bem mais competitivos.

      Eliminar
  5. Sim, a troca dos Nets foi um bocado à pressão e foi uma solução de recurso quando viram que não iam conseguir o Howard. É claramente um plano B, mas não se saíram mal. E pelos jogadores que deram em troca é um óptimo negócio. A única coisa que lhes pode sair caro é a escolha no draft, que só está protegida no top3.
    Mas eles não querem esperar um ou dois anos por um rookie que precisaria de tempo para se desenvolver e apostam no imediato.
    Se D-Will sair, a escolha no draft seria melhor para construir para o futuro, mas se ele ficar, um cinco com D-Will, Marshon Brooks, Wallace, Humphries e Lopez não é nada mau.


    Quanto aos Lakers, sim, essa questão da química e da liderança é uma que se coloca e o próprio general manager reconheceu isso. É uma pena, em termos de balneário, perder o Fisher, mas o que ganham em troca vale o risco.
    O general manager Mitch Kupchak disse que ponderaram ficar com o Fisher, mas que ele não iria ficar satisfeito com o papel de suplente e, depois de tudo o que ele fez no clube, não lhe queriam fazer isso.
    Para além disso, não estamos a falar de uma equipa jovem em que a saída de um veterano pode desestabilizar o balneário. Os Lakers são uma equipa veterana e essas questões de química são ultrapassadas mais facilmente.
    E Kobe, por muito que lhe custe a saída de Fisher, quer ganhar mais um título e faz o que for preciso para isso. Amigos, sim, mas se ele tivesse de escolher entre ficar com o Fisher ou ganhar, nem hesitava.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu espero que tudo resulte bem para os Lakers, até porque sou fã, mas se caírem com estrondo nos playoffs novamente, muita coisa vai ser questionada e palpita-me que o Kobe vai pôr a boca no trombone, como em 2007. Mas espero que não, claro. Obviamente que no papel, a entrada do Sessions, do ponto de vista puramente basquetebolistico foi um upgrade.

      Eliminar
  6. eduardo ribeiro16/03/12, 16:18

    Concordo, em geral, com as impressões referidas sobre as trocas. Apenas quero referir alguns aspectos:
    - Os Raptors não trocaram Barbosa por nada. A temporada está perdida para os Raptors e, tal como muitas das "lottery teams", nasta fase os responsáveis optam pela estratégia que os americanos chamam de "tank the season", ou seja, basicamente afundam a equipa de forma a melhor ficarem colocados no draft. Como Barbosa não entrava nos planos futuros dos Raptors, desta forma abrem espaço para outros, além de recebem uma escolha na 2ª ronda do draft, onde por vezes se descobrem grandes peças.
    - Gosto particularmente dos Warriors, desde do tempo de Mullin, por isso fico um pouco "assustado" com esta troca. Na teoria, parece uma boa troca. A saída de Ellis entrega o controlo da equipa a Curry, e Bogut traz a tão desejada presença interior. Mas, e um grande mas, há um factor a ter em questão: as lesões. Bogut, por motivos diversos, ao longo da sua carreira tem perdido imensos jogos, principalmente nos últimos 3 anos. Curry, um jovem cheio de talento, tem imensos problemas no tornozelo direito, o qual já foi operado mas constantemente cede. Parece-me um risco tremendo, assentar o futuro de uma equipa, em dois jogadores fortemente susceptíveis a lesões. Quanto aos Bucks, Ellis vai continuar a partilhar a boa com um outro base que gosta de marcar, Jennings. Resta saber até que ponto serão compatíveis. Caso funcionem, os Knicks que se cuidem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão dos Warriors é pertinente, mas se de facto se mantiverem livres de lesões...muita atenção com eles para o ano. Os Bucks reforçaram-se bem para atacar a vaga nos playoffs, vai ser interessante a luta com os Knicks.

      Eliminar
  7. Para mim, a maior surpresa foi a não intervenção dos Bulls no mercado.
    Se é verdade que têm sido competentes na construção da equipa, desta vez, quanto a mim pecaram por inacção.
    Este ano seria talvez aquele em que tivessem mais possibilidades de ser campeões: os Heat, que são a equipa que os pode impedir de ir á final (a não ser que aconteça uma surpresa como no ano passado com os Grizzlies), continua com muitas lacunas, mas é previsível que durante o defeso as preencham, o que fará deles uma equipa muito forte. Para poderem ser campeões os Bulls teriam que se reforçar no backcourt: Rose tem tido várias lesões, Watson idem, e Rip quase nem vale a pena falar, isto sem referir o caso de Deng, um dos pilares da equipa. Portanto, e quanto a mim, a direcção não pode pensar: "Ah! na altura devida, são capazes de estar em condições" Deviam era ter resolvido JÁ o problema.
    É verdade que Rose, Deng e Watson até têm jogado alguns jogos lesionados e ganho. Mas isso é para desenrascar, e a época regular não é a mesma coisa que os play-off. E nem vale a pena Thibbs vir clamar que "We have the right boys". Tem-nos, é verdade, mas só ganha se os tiver com saúde.
    E rapazes saudáveis nos Bulls, actualmente não há os suficientes.

    ResponderEliminar
  8. Não vejo a hora dos Heat resolverem os problemas do jogo jogo interior. Precisam de um bom center! Para além disso, acho que eles pecam por terem um número excessivo de Small-Forwards no banco (Battier, J. Jones, Mike Miller), que são todos bons jogadores, mas que na maioria das vezes são utilizados em posições diferentes porque não existe na equipa um shooting-guard de raiz que possa ser solução no banco para o D-Wade. Com tudo isto, acho que a melhor solução mesmo era a saída do Mike Miller (tenho pena, porque acho que é dos melhores shooters da liga), para libertar espaço salarial e assim contratar um Center e um SG.

    Luís Borges

    ResponderEliminar
  9. Pois os Heat deviam ter tentado um center porque Joel Antony é uma miseria.
    Deviam ter tentado contratar o Kaman que esta a fazer bons jogos, dava-lhes por troca o James Jones, Joel Antony e Juan Howard, também libertavam bastante espaço salarial.

    ResponderEliminar
  10. Os Lakers pelo que vi ontem ficaram a ganhar com a entrada do Sessions na equipa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vi o jogo, e já tinha saudades de ver os Lakers com um base rapidíssimo eheh Ficaram bem a ganhar com a trade deadline, neste momento podem finalmente apresentar competição aos Thunder e aos Spurs. Vamos ver se depois daquele início o Kobe não leva a equipa às finais. E com o Bynum a jogar da maneira que está (só é parado por dois ou três jogadores em cima dele), temos campeonato no Oeste!

      Eliminar