18.5.11

Thunder-Mavs: duas chaves


Já começou o repasto de basquetebol no Oeste também. Num jogo extraordinariamente prolífico em pontos para esta fase, os Mavericks tiveram mais munições e ganharam o primeiro assalto. Foi uma partida onde muitas coisas correram como se esperava e onde vimos várias tendências que devem continuar por toda a série. Aqui ficam duas delas:

- tanto os Mavs como os Thunder têm dificuldades em defender a principal estrela oposta, Durant e Nowitzki. Ambos são um matchup complicado para as respectivas defesas, pois tanto uma como outra não têm defensores com o perfil mais indicado para os defender.
Do lado de OKC, Perkins não pode defendê-lo por ser exclusivamente um defensor interior e não conseguir acompanhar o alemão nas áreas longe do cesto. Os outros jogadores com tamanho para defender o power forward dos Mavs, Ibaka e Collison, são mais móveis, mas são também jogadores habituados a defender jogadores interiores e têm dificuldades em acompanhar Nowitzki longe do cesto. Outros jogadores que poderiam defendê-lo longe do cesto e na linha de 3 pontos (Durant ou mesmo Sefolosha) não têm tamanho para o conseguir parar a poste baixo.
No lado dos Mavs, o único defensor tão rápido e longo como Durant é Corey Brewer, mas é um jogador pouco utilizado na rotação e menos útil no ataque. Teriam de abdicar de armas no ataque para o colocar em Durant. Dos jogadores que jogam habitualmente (e defenderam Durant neste jogo), Marion e Stevenson não têm tanta velocidade e envergadura para correr atrás do extremo dos Thunder e acompanhá-lo em todos os bloqueios que ele recebe.
Esta noite, Durant e Nowitzki explodiram para 40 e 48 pontos, respectivamente (e com uma eficácia fora do normal: Nowitzki fez 48 pts com 12-15 em lc e 24-24 de ll e Durant fez 40 pts com 10-18 em lc e 18-19 em ll) e esperem por mais grandes jogos dos dois.


- como já referimos, aos Thunder falta uma presença ofensiva interior e um jogador capaz de jogar de costas para o cesto. Isso significa que o ataque começa sempre no exterior e baseia-se em penetrações e pick and rolls. Para estas serem eficazes, é fundamental que os jogadores interiores, sempre que há uma penetração, se movimentem, façam cortes para o cesto e ofereçam linhas de passe ao penetrador. Se não o fizerem (e muitas vezes não o fazem), o trabalho da defesa fica mais fácil e só tem de fechar sobre o jogador que penetra. Como acontece muitas vezes, o ataque de OKC fica estático, com um jogador a penetrar (ou dois a fazer o pick and roll) e os restantes parados ao longo do perímetro, o que resulta num ataque mais previsível.
E como os jogadores interiores não são capazes de criar o seu próprio lançamento, a única forma de serem produtivos ofensivamente é através de assistências e ressaltos ofensivos. Sempre que fazem essas movimentações o ataque dos Thunder fica mais eficaz.

Estas são duas das chaves desta série. Qual das equipas consegue abrandar o melhor jogador contrário (e como o vão conseguir) e se os Thunder conseguem dinamizar o seu ataque. Vamos esperar (ansiosamente) pelas cenas dos próximos capítulos.

6 comentários:

  1. Stoudemire18/05/11, 16:19

    Se o Dirk continuar assim, vai ser muito dificil aos OKC ganhar, o homem marca de todo lado e quase nunca falha, e quando vai para lançamentos livres e certinho entrarem todos.
    Mas por outro lado, da equipa titular dos Mavs ninguem marca muitos pontos (a excepçao claro do Nowitzki), ou seja, se quem vier do banco tem de marcar muitos pontos, por isso penso que a vitoria dos OKC passa mais por bloquear Terry, Barea e Stojakovic ja que o seu franchise player e quase impossivel.

    ResponderEliminar
  2. Penso que, além do super jogo de Dirk, a vitória passou muito pela defesa feita a Westbrook, que acabou com uma produção ofensiva muito aquém do que é habitual. Mas a procissão ainda vai no adro, e apesar de não ter preferências, acredito que os OKC na sua juventude podem virar as coisas a seu favor

    ResponderEliminar
  3. O match-up de Durant/Marion apesar de tudo acho que pode ser a salvação de Dallas...e não esquecer que Marion teve uma boa parte do tempo fora de jogo por causa do nariz! A melhor aposta de Dallas é mesmo esta, e pode dar alguns frutos! Agora da parte de OKC, não vejo ninguém capaz de defender o Dirk...claro que ele não vai marcar sempre tantos pontos, nem acertar quase tudo noite sim-noite sim, e aí OKC tem de aproveitar uma noite menos boa de Dirk...
    Estas series têm tudo para ser épicas!
    E só quer deixar um aparte: 3 das 4 equipas que estão nestas finais de conferência têm bancos bastante profundos...Miami é a clara excepção!

    ResponderEliminar
  4. Dallas está-me a surpreender muito e penso que o jogador chave aqui é o Peja. Todos acharam que com a lesão do Butler (inclusive eu) que Dallas já não iria estar tão bem quanto podiam, mas ao "resgatarem" o Peja e com a forma como ele tem estado a jogar têm muitas hipóteses.

    OKC tem jogadores jovens e penso que o Perkins foi uma adição excelente porque é um jogador que conviveu com grandes jogadores e já esteve nesta fase da competição por mais do que uma x. O Durant com os playofs do ano passado está ainda melhor e melhorou as suas percentagens de lançamento.

    A minha aposta é Dallas em 6 jogos.

    PS: Marco, também tens de ver que nenhuma equipa tem três All-Starts como Miami (tirando Boston), incluíndo 2 dos 5 melhores e mais completos jogadores da NBA. Acho que eles têm de carregar a equipa não o seu banco.

    ResponderEliminar
  5. stoudemire19/05/11, 21:25

    Lebron show, mais uma vez ontem a noite. Para quem o acusava de nao ser um clutch player nao se tem saido nada mal nestes playoff.

    ResponderEliminar
  6. Cada vez mais Miami começa a definir como joga.

    O Wade tenta dominar a primeira parte do jogo e abrir a segunda parte para o LeBron e até agora tem resultado. O grande ponto de interrogação nesta série será se Haslem continua a marcar 10 pontos por jogo e a ganhar alguns ressaltos.

    Não ouvi ninguém falar dele, mas o Mike Miller teve 7 ressaltos em 18 min, num jogo em que Miami tinha percebido a necessidade que tinha de ganhar a batalha nas tabelas.

    ResponderEliminar