19.5.11

Elogio a Thibs


Antes de mais, tenho de começar por confessar que não fui um fã dos Bulls ao longo da temporada regular. O seu ataque demasiado dependente de Rose parecia destinado ao insucesso perante as defesas mais apertadas nos playoffs. A defesa foi boa desde o início da época (a melhor da temporada, com um DRtg de 97.3), mas ofensivamente revelavam limitações que pareciam impossibilitá-los de lutar pelo título já este ano (apenas o 11º melhor ataque, com um ORtg de 105.5). Como tive oportunidade de analisar aqui, acreditava que os Bulls eram bons, mas não bons o suficiente para ir até ao fim, pois não acreditava que pudessem vencer os Heat ou os Celtics no Este e vencer depois a equipa que viesse do Oeste.

Mas a sua prestação nos playoffs está a deixar-me rendido. A defesa, como se esperava, continua a ser de topo. Nesta série têm conseguido limitar muito um dos pontos fortes dos Heat, o contra-ataque. A primeira razão para tal é o ataque eficiente com poucos turnovers, mas também têm feito transições defensivas excelentes e como mandam os livros: com os jogadores rapidamente a ocupar e a proteger o meio do campo.
Na defesa em meio campo, as ajudas são constantes (não poderia ser de outra forma para parar Wade e Lebron) e quando um jogador de Miami penetra (Wade e Lebron normalmente, pois claro) encontra sempre um muro de jogadores a tapar a área restritiva. E, pormenor fundamental (algo em que os Lakers falharam miseravelmente, por exemplo), após essas ajudas, as rotações e as recuperações defensivas têm sido muito rápidas e exemplares.


Mas tem sido o seu ataque que tem surpreendido pela versatilidade e eficiência. Ao longo das duas rondas que já passaram e nesta terceira com os Heat, o ataque dos Bulls vem a revelar-se cada vez melhor e cada vez com mais soluções e mais jogadores envolvidos. Derrick Rose continua (e há-de ser sempre) a sua maior arma, mas outros jogadores dão contributos cada vez mais importantes. Luol Deng tem sido a segunda arma ofensiva (é o jogador dos Bulls que faz os melhores cortes e melhor aproveita as penetrações de Rose), Boozer integra-se agora melhor nos movimentos ofensivos e recebe mais vezes a bola a poste (baixo, para jogar um contra um, e também alto, para combinações com Noah) e role players como Bogans, Korver e Gibson exploram as brechas na defesa e os espaços abertos por Derrick Rose.

Mérito de tudo isto para quem? Tom Thibodeau, pois claro. O Treinador do Ano, conhecido como especialista defensivo, está a conseguir construir um ataque de topo, algo que não parecia que fosse acontecer tão rapidamente. A base da equipa começou na defesa, mas agora (na melhor altura possível) começa a perceber-se a totalidade do seu trabalho e o impacto que este tem na equipa. Os Bulls são uma equipa cada vez mais completa. E, por isso, tiro o meu chapéu a Thibs.

4 comentários:

  1. estao a fazer um playoff brutal!

    ResponderEliminar
  2. Stoudemire20/05/11, 18:05

    Epoca excelente, mas espero que fique por aqui, ate porque nao ficava bem um treinador rookie ir logo a final XD
    E claro principalmente porque Lebron ja merece o seu anel!

    ResponderEliminar
  3. Todos os elogios a Thibs são poucos. Até porque se sabe como é dificil entender os critérios de atribuição deste prémio. Repare-se que, por exemplo, a Phil Jackson, foi dificil consegui-lo, mesmo em anos que foi campeão da NBA e em que os Bulls obtiveram o melhor score da época regular da liga.
    Mas há um reparo que tenho que fazer: penso que a Rose é permitida demasiada liberdade de acção. Rose +e um grande jogador, o melhor dos Bulls, mas também ainda é muito novo. O facto de forçar o lançamento mesmo quando as coisas estão a correr mal, é recorrente, E ao contrário do que seria desejável, ao invés de para tal Thibs lhe chamar a atenção, tem-no incentivado, como foi o caso de um dos jogos da série comos Atlanta Hawks.
    Claro que os Bulls estão a ir até onde talvez ninguém prevesse no início da época, mas sabe-se que os adeptos querem sempre mais. E até está provado que tal nem seria difícil. Atendendo às estatísticas, bastaria que os Bulls se tivessem aproximado das suas médias de lançamentos de 2 ou de 3, para que hoje partissem para o 3º jogo com um confortável 2-0. E para tal muito contribuiu a noite muito infeliz de Rose. Afinal, os Heat só marcaram mais 3 pontos que no 1º jogo.

    ResponderEliminar
  4. Gosto bastante deste fórum e das opiniões que emites, embora não concorde totalmente com algumas. Só não percebo o porquê de não fazeres nenhum post sobre como os Heat têm jogado nos playoffs.

    ResponderEliminar