8.6.13

Heat x Spurs - 1º Round


Estas Finais começaram como se esperava: um jogo renhido, discutido até à (pen)última posse de bola, com duas equipas que se equipararam e com vários ajustes tácticos ao longo do jogo. Um jogo tão equilibrado que foi decidido apenas numa jogada fortuita e feliz (esteve quase a perder o controle de bola por duas ou três vezes e conseguiu o lançamento mesmo, mesmo em cima dos 24 segundos) de Tony Parker. 


Discordando de alguns artigos que lemos ontem (e da afirmação de Luis Avelãs no final do jogo), não foi por falta de rendimento de LeBron que os Heat perderam. Sim, James não marcou tantos pontos como habitualmente, mas isso foi mais pelas circunstâncias do jogo (por aquilo que o jogo lhe deu, pelas situações com que James se confrontou e onde quase sempre decidiu bem) do que por um mau jogo dele.

James contribuiu, como habitualmente, em todo o lado e acabou com (mais) um triplo-duplo (18 pts, 18 res e 10 ast, com 7-16 em lançamentos). Não marcou tantos pontos porque a defesa dos Spurs ajudou sempre que ele penetrou e fechou bem a área restritiva. Perante essa defesa, James assistiu muitas vezes para companheiros sozinhos e não forçou lançamentos. Ainda por cima, os colegas (Allen, Cole, Miller, Wade) estavam a lançar bem e a acertar, por isso não havia razão para James forçar lançamentos e não optar pela melhor situação de lançamento. Em dias em que o ataque dos Heat está estático e/ou emperrado e os lançamentos dos outros não entram, precisam que James assuma esse papel e leve a equipa às costas. Neste jogo, as coisas estavam a sair bem colectivamente e não havia razão para não continuar a jogar assim.

Se o lançamento de Parker não tivesse entrado e/ou os Heat tivessem ganho o jogo, estaríamos todos a dizer que Lebron foi altruísta, que os Heat jogaram de forma colectiva e que James fez mais um grande e completo jogo (e fez!). Foi um lançamento de Parker e um ajuste táctico de Gregg Popovich que fez pender a balança para o lado de San Antonio.

No duelo Popovich-Spoelstra, o primeiro golpe foi dado pelo treinador de Miami. Os Heat mudaram a forma de defender os pick and rolls e, em vez de serem muito agressivos e fazerem 2x1 sobre o base (como fizeram com os Pacers), optaram por colocar o defensor do bloqueador mais atrás e a dar apenas um tempo de ajuda, dando algum espaço a Parker e defendendo antes a penetração:




Isso pareceu surpreender Tony Parker (que não é um triplista e onde faz grandes estragos é na meia distância) e os Spurs (que deviam vir preparados para a tal defesa pressionante), o base francês viu-se sem o lançamento de meia distância e sem espaço para penetrar e acabou a primeira parte com uns modestos 9 pontos.

Na segunda parte, Popovich respondeu. Os Spurs recorreram muito menos ao pick and roll e optaram por duas outras soluções: começar o ataque no interior (colocando a bola em Tim Duncan a poste baixo) e pôr Tony Parker a jogar sem bola e a receber a bola após bloqueios.
Assim, Parker conseguiu ter a bola em zonas mais perto do cesto, já dentro da linha de três pontos. Ali os Heat já não lhe podiam dar espaço e ele voltava a ter as duas opções habituais (penetrar ou lançar).

Com estas duas opções, o ataque dos Spurs colocou mais problemas (e problemas diferentes) à defesa de Miami e conseguiu movimentar melhor a bola e manter-se no jogo até ao fim. E essa foi a diferença no jogo. Isso e aquele lançamento de Tony Parker, claro.


(e amanhã, à uma da manhã, round 2!)

20 comentários:

  1. Não concordo que os Spurs tenham ganho por causa deste lançamento feliz. primeiro, ele não perde a bola com alguma felicidade, mas convenhamos, com uma dose ainda maior de talento, o discernimento para controlar a bola no meio da confusão e no fim de costas para o cesto ainda tirar james do caminho e marcar, é de gênio, e estamos a falar de um caso de qualidade impar. Aliás, o base francês é muitas vezes ignorado até na discussão de melhor base, o que a meu ver é ridículo.

    Depois, MESMO que a bola não entrasse não queria dizer que os Spurs fossem perder. Raios, ficaram 5 segundos e pouco com o cesto, imaginando que a bola não entrava, ela tinha ainda de sair do aro e os Miami após a agarrarem pedir o desconto de tempo. Ora, ficariam com 4 segundos e tal. Não sei os números óbvio mas diria que com este tempo para aí 5%/ conseguem marcar o triplo e ganhar e 15% conseguem empatar com 2 pontos. Ou seja, mesmo sem esta jogada os Spurs estavam em melhor posição para ganhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se a bola não tivesse entrado provavelmente teríamos um prolongamento, isto caso miami ganhasse o resalto e marcasse cesto depois. não acredito que fizessem jogada para 3 pontos

      Eliminar
  2. Uma pequena correcção: o jogo amanhã é à 1h e não às 2h. De resto, boa análise!

    Cumps.

    ResponderEliminar
  3. Márcio, continuas a a apostar na vitória dos Miami? Achas que eles vão conseguir ganhar amanhã e roubar um jogo a San Antonio e ganhar? ou achas que as hipóteses de miami desceram imenso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desceram um bocadinho, mas a série ainda agora começou, ainda continua tudo em aberto!
      Se podem ganhar amanhã? Claro que podem (e têm de o fazer para evitar ficar numa situação complicada).

      Eliminar
  4. Uma questão para saber a vossa opinião: LeBron fez um triplo-duplo, fez um jogo altruísta, a servir os colegas, etc.. mas voces nao acham que é mais facil penetrar, abrir a defesa e assistir os tiros dos companheiros do que abrir espaço e ele proprio lançar? eu acho q ao assistir os colegas tem uma tarefa mais facilitada.. afinal de contas, se nao for ele, quem há-de assumir a responsabilidade de atirar ao cesto?

    ResponderEliminar
  5. Desculpa Márico, mas acho que a bola do Parker não foi o que decidiu o jogo.. só serviu para por 1 ponto final do jogo. Quem lê pensa que os Spurs estavam empatados ou a perder e que aquilo foi o cesto da vitória... Como diz o Diogo M, mesmo que a bola não entre ficariam 4 segundos +/- para jogar e os Spurs ganhavam por 2.. Não é impossivel, mas não é facil para o lado dos Heat. Já agora, o Wade jogou no 4º periodo?
    O James fez um magnifico jogo, mas vai passar ao Bosh para este marcar de 3, quando está a perder por 2 e faltam 40 e tal segundos para acabar o jogo, e quando o bosh tinha 0-3 em 3pts? Ele tinha condições para atacar o cesto e empatar o jogo. Acho que é a unica coisa que podem apontar ao James.
    De resto, concordo com a análise.

    ResponderEliminar
  6. Márcio, até posso concordar que a culpa não foi de Lebron. Contudo, há na tua análise duas coisas ou três coisas que me parecem faltar:
    1 - A(lguma) sorte de Parker residiu no facto de ter conseguido controlar a bola quando se desiquilibrou, e não no lançamento. Aí, é de aplaudir a grande simulação que ele faz a Lebron, seguido de um lançamento muito bom. Além disso, os Spurs tinham 2 pontos de vantagem mesmo que o lançamento não entrasse e se assim tem sido, o que aconteceria a seguir só podemos especular. Até podia ter havido um ressalto ofensivo-
    2 - Em relação ao jogo de Lebron, também acho que fez um bom jogo - é raro ele chegar aos 18 ressaltos - mas Avelãs quando fez o comentário, provavelmente referir-se-ia à vertente ofensiva, e aí, não sei se concordas, mas 43,5% nos lançamentos de campo está abaixo do que lhe é habitual. Deixando de lado teorias da conspiração ou pretensas parcialidades por parte do Avelãs, creio que pode ter sido a isso que ele se referia quando atribuiu algumas responsabilidades a James.
    3 - Não ouvi o comentário dele, mas o que teria sido de referir, é que os Heat até estiveram melhor nas tabelas que habitualmente (tal como tinha acontecido no último jogo frente aos Pacers) e mesmo assim perderam. Quanto a mim, e mais uma vez, o grande "desaparecido em combate" no jogo, foi Bosh. A ele sim, poderão ser atribuidas algumas responsabilidades (Wade mesmo inferiorizado, cumpriu) pelo desaire, e, acho eu, é um problema que o treinador terá que tentar solucionar, embora eu não esteja a ver muito bem como.

    ResponderEliminar
  7. Em geral concordo com a análise. No entanto acho que o Lebron só pode ser altruísta se o Bosh jogar bem, com agressividade e insistir muito mais no jogo interior. Caso contrário tem de ser um pouco mais egoísta mas sem nunca entrar em individualismos.
    Acho um abuso de jogo exterior por parte de Miami. Assim não vão a lado nenhum.

    ResponderEliminar
  8. Stoudemire08/06/13, 20:56

    Os Heat agora sim têm de ganhar obrigatoriamente. No caso de 2-0 e com 3 jogos em San Antonio, só uma viragem histórica lhes tiraria o anel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partilho da mesma opinião. Para ser sincero já vi os Heat desta época jogarem suficientemente bem para virar um hipotético 2-0 mas, não nos playoffs. Têm sido um bocado inconsistentes, com grandes exibições e outras q deixam um bocado a desejar.
      Mas o 1-1 abria por completo a série e dava-lhes moral para os 3 jogos em San Antonio. Na minha opinião era o resultado q deixava a série completamente em aberto e até lhes voltava a dar favoritismo

      Eliminar
  9. Já agora, ponho em mesa hipótese, Márcio, que tal deixares os comentários livres, sem terem de passar por ti antes de serem publicados. Isto porque este blog é um dos melhores sitios para ir mandando postas de pescada nos descontos de tempo e, a imagem do ano passado, poderia ser porreiro ter o "Hoje Temos". No fundo era dar uma hipótese ao pessoal de manter o dialogo elevado para podermos ir comentando os jogos.

    Se a coisa correr bem era ótimo mas claro se visses que não dá mesmo, voltamos ao plano actual. É só uma ideia :)

    ResponderEliminar
  10. O Pop é um grande grande treinador, o que conseguiu e consegue tirar do Danny Green e do Leonard é inacreditável. Está a fazer deles jogadores que nem eles acreditavam poder ser. damn.

    ResponderEliminar
  11. Habituei-me a gostar e, acima de tudo, respeitar a opinião deste blog mas ler, desta vez, que este jogo foi decidido "apenas numa jogada fortuita e feliz", cheira a demasiada azia e clubite.

    Não me parece que estas finais venham a ter uma análise tão isenta como de costume e consequentemente tão criteriosa e rica como nos habituaram.

    SD,
    Xait

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ãããaaahh... leste o resto do texto?

      Eliminar
    2. "demasiada azia e clubite" epá, o Márcio é dos lakers.

      existe um blog brasileiro de nba, e acontece exactamente o mesmo, os 2 "donos" do blog são dos lakers e rockets e o pessoal tá sempre a dizer que são do heat ou são do lebron, só porque (na grande maioria das vezes) são isentos tal como o Márcio.

      e sejamos sinceros aquela lançamento do parker foi 50% sorte e 50 % classe do jogador. não acredito que foi exactamente assim desenhada aquela jogada, quase a perder a bola, e a largar a bola com 0,2 segundos para o fim do ataque.

      só deixo de acreditar nos heat com 3 0 para os spurs, são equipas muito equilibradas que não terão grandes problemas em vencer jogos fora.

      Eliminar
    3. Márcio

      Sim, li o resto do texto.

      LBJ

      Qualquer fã da NBA tem mais que uma equipa e nas finais quase toda a gente tem o seu favorito.
      Eu não sei qual é a equipa do Márcio, sei que ele percebe muito mais de basket do que provavelmente eu irei alguma vez perceber. Por isso é que venho a este blog.
      Agora, eu tenho amigos que só me acompanham para ver NBA nas finais, só percebem de futebol e chamam aquela jogada de fortuita, vindo deles eu percebo. Vindo deste blog só pode ter uma explicação que é estarem "temporariamente cegos" pela emoção. Isso também me acontece. Daí chamar de clubite.

      Se não vejamos:

      1º Os Spurs já estavam em vantagens e faltavam 5 segundos para acabar, aquela jogada FECHOU o jogo, não DECIDIU. É completamente diferente.

      2º Compreendo que se chame a jogada de feliz porque podia ter acabado o tempo e/ou perdido a bola mas fortuita?!? A presença de espírito que Parker teve para rodar sobre si mesmo, esperar que Lebron passa-se e lançar à tabela daquela distância pareceu mesmo fortuita?!?

      3º Obviamente que a jogada não foi assim desenhada mas se fosse Lebron, Kobe ou Durant a fazer aquilo era uma super-estrela a ser super-estrela, como foi o Parker é.... fortuito. Acho injusto e acho que os autores deste blog sabem mais do que isso.

      SD,
      Xait

      Eliminar
    4. Não acho q o Márcio seja parcial nas suas análises pois já frequento este blog há mtos anos e sei do q falo. De vez em quando posso n concordar com o q escreve. E esta é uma das vezes. Isso n torna uma pessoa parcial, só pq tem uma opinião diferente da tua. Provavelmente depois de lerem os teus argumentos (q até considero correctos) algumas pessoas podem mudar de opinião..
      Concordo qdo dizes q aquela jogada n foi a q decidiu o jogo. Os Heat só tinham 5 segundos no clock e com certeza iam jogar para o empate...
      Dps imaginem considerar o game winner do Lebron na série dos Pacers foi sorte.. Pq enfrentou a melhor defesa da NBA na minha opinião e pq encontrou um espaço com 2 segundos no relógio. Qq 1 dessas 2 situações ser considerada sorte para mim é errado. N digo q a sorte n esteja envolvida mas tb houve mto talento de Parker. Os Heat defenderam mto bem mas Parker resolveu da melhor forma

      Eliminar
    5. João, eu disse (e mantenho) que a jogada (toda a jogada) foi fortuita por isso mesmo que escreveste, porque não era assim que estava desenhada, o que tinham planeado saiu furado e Parker teve de improvisar e tirar um coelho da cartola. Mas isso não retira nenhum mérito ao lançamento de Parker. Pelo contrário. Ele conseguiu, num grande aperto, sacar uma grande jogada e um grande lançamento. Mas, até ao lançamento, toda a jogada foi fortuita/casual.
      Agora, o lançamento do Parker foi excelente e uma jogada de um grande jogador? Claro que sim! :)

      Eliminar